Pular para o conteúdo principal

MEU ANJO DA GUARDA FAZ HORA EXTRA


   Depois de um reflexivo último lugar na quarta etapa do Campeonato Bahiano, saímos para pedalar numa linda manhã de sábado. Afinal, precisávamos treinar!
   Chega Mauro com o carro cheio de tralhas para um “treino técnico”. Bolas coloridas murchas, bolas cheias, baldinhos de praia, pedaços de madeira, etc. O cara viaja! O que será que ele pensou em fazer?? Como seria esse treino técnico?
   Nem precisa dizer que nos recusamos a participar daquela coisa doida e fomos pedalar na trilha, conforme combinado. Mesmo assim, a pessoa reflexiva, acabou nos levando pra uma trilha desconhecida, até dele mesmo. “Nada como ter amigos loucos!” No começo estava tudo lindo! Muito verde, mata fechada, subidas técnicas. Dali a pouco a gente começou a se embrenhar nos matos, a fazer silêncio pra não despertar as abelhas, a descer cada ladeirão retado!
   Enquanto Mauro parava pra desempenar a gancheira de Ítalo, eu e Gabi íamos tagarelando mais adiante. Acabamos perdendo a queda fantástica que Ítalo tomou. Soube que ficou dentro de um buraco embaixo da bicicleta e precisou de ajuda para sair de lá. Tudo isso faz parte do treino.
   Quando saímos da trilha encontramos uma estrada de barro. O detalhe é que ninguém sabia pra qual lado ir. Uni duni tê... votação... intuição... pra esquerda! Chegando perto de uma estrada de asfalto, paramos pra perguntar a um Senhor de nome Santinho. “Vixe! Cês tão perto da estrada pra Camaçari. A Ceasa é logo ali!” Pronto! Sr. Santinho deu todas as dicas para voltarmos pra casa.
   Dica para a vida: Se perca de vez em quando! Faz um bem danado!
   Perguntamos ao Sr. Santinho se ele fazia sempre aquele caminho. Ele disse que só ia naquele dia, no outro e no outro... Um homem de 58 anos, pedalando uma barra forte sem marchas, subia as ladeiras empurrando a bicicleta numa velocidade quase igual a nossa, pedalando. E nos acompanhou até mudarmos de rumo.
   Bastante reflexivo! Precisamos pedalar nesse dia, no outro e no outro. Isso é treinar! Igual ao Sr. Santinho.
   De volta ao velho e conhecido estradão de Abrantes. Animadamente, pegamos velocidade numa descida, embalando muito mesmo. Entramos na curva com tudo. Mauro logo a minha frente e um caminhão apareceu, vindo ao nosso encontro com tudo. Quero acreditar que o motorista não fez de propósito! Mas ele jogou o carro em nossa direção. Mauro conseguiu reduzir, eu tinha que parar de qualquer jeito, mas ia bater.
   Meu grande sonho de ciclista era, um dia, dar um cavalo de pau como os meninos da minha rua, lá em Catu, davam! Mas, nunca nem tentei por medo do quedão. A situação me forçou. Foi um 180° super radical! Fiquei com o pé direito clipado, freei, botei o outro pé no chão e irrrrrrrrrr... joguei a traseira e a poeira subiu! Ahhhhhhhh! Já parei no sentido de volta, dizendo “Vocês viram o que eu fiz?!”.
   Foi um êxtase de felicidade! Primeiro que nos salvamos de um acidente grave, depois que consegui dar um cavalo de pau. Ou será que foi o meu anjo da guarda quem deu?? Eu acho que ele dá hora extra aos sábados e plantões noturnos em provas de Corrida de Aventura.

Comentários

Lucy disse…
Quilda, definitivamente Zezinho trabalha aos sábados! Queria ter visto esse cavalo de pau. Deve ter sido emocionante. Bjs
Anônimo disse…
Kkk, imagino sua cara depois do cavalo de pau... Mas a vida é feita desses momentos emocionantes com os amigos doidos!! Que Zé esteja sempre contigo!! Bjs, Xuxu

Postagens mais visitadas deste blog

Desafio dos Sertões 2023- 140km

  Que o Sertão é um dos lugares mais inóspitos à sobrevivência humana, a gente já sabe! Que você precisa ser forte pra enfrentar a caatinga, ter resiliência, coragem, foco, determinação, também. Que o Rio São Francisco é um gigante que impõe, acima de tudo, reverência, sabemos. Querer ir lá pra experimentar tudo isso e ainda gostar, é outra história! E lá estávamos nós, no Desafio dos Sertões, nos 140km de aventura, entre mountain bike, trekking, natação, canoagem, tudo com navegação com mapa e bússola.  Nos últimos tempos, temos alternado bastante os atletas da equipe, menos eu e Mamau, que somos fominhas de prova. Mas, brincadeiras à parte, Vitor e João estão afastados por questões pessoais. Então, Lucas, nosso novinho da Turma 12 da Escola de Aventura, continuou com a gente, depois da Carrasco. Além disso, Arnaldo, da Olhando Aventura, veio fechar o quarteto, reforçando nosso time com sua experiência. Reunimos, alinhamos objetivos, organizamos a tralhas e partimos pra Juazeiro

UTCD 2023- 80km

   Não tenho um pingo de vergonha na cara. Da última vez que fiz a Ultra Trail Chapada Diamantina (UTCD), disse que machucava muito os pés e que preferia fazer Corrida de Aventura… Como se Corrida de Aventura machucasse menos. 😂    Esse ano, eu corri todas as provas do Campeonato Baiano de Corrida de Aventura, menos a Expedição Mandacaru, porque estou envolvida na organização. Então, pra fechar com chave de ouro o meu ano esportivo e comemorar meus 52 anos, decidi correr a UTCD.     Tudo bem! Eu amo correr, mas precisava ser 80km? Aí é que vou contar pra vocês…    Já que eu estava indo e já tinha feito 50km, decidi me desafiar nos 80. Fiz minha inscrição e ainda joguei minha filha no bolo, nos 35km, que depois ela mudou pra 14, por que não estava com tempo pra treinar o suficiente. Eu queria brincar o brinquedo todo!    Depois de um fim de semana de muito movimento na Expedição Mandacaru, lá estávamos nós, na semana seguinte, acampados em Mucugê, de mala e cuia, com boa parte da famíl

Malacara Race 2023- 500km PARTE 1

  Foto: @luiz_fabiano_ibex O que preciso fazer pra ir correr na Malacara? A logística pra enfrentar um desafio como esses é extremamente complexa. Envolve sua vida toda, trabalho, família, parentes e aderentes. A vida dos meus filhos tem que estar toda organizada, preciso tirar férias, tomar mil providências... Nessa lista vem inscrições, passagens, equipamentos, alimentação, agasalhos, uniformes. Coisa doida!😎 A Malacara Race fez parte do Circuito Mundial de Corrida de Aventura, seguindo todas as regras com rigor, principalmente, no que se referiu à conferência de equipamentos. Muita coisa já tínhamos, outras, precisamos providenciar.  Quando eles liberaram o guia com a logística da prova, conseguimos saber quantos estágios seriam, ter ideia da previsão de duração de cada um, o que levaríamos de alimentos, o que encontraríamos quando acabasse cada estágio. Mesmo com toda organização, a cabeça dá um nó. Tive momentos de ficar parada na frente de tanta comida, sem saber o que faz