Pular para o conteúdo principal

Orientação- Terceira Etapa


Mais um capítulo da orientação aconteceu no fim de semana de 15 de julho, lá no Distrito de Ipuaçu, perto de Feira de Santana. Nem sonhava pra que lado ficava o Distrito de Ipuaçu e sequer teria acesso à internet naquela tarde de sábado. Só no apagar das luzes, consegui entender como chegar ao local da prova. Ainda bem! E Mauro foi comigo... Ótimo!
A Equipe Caatinga Trekkers que organizou aquela terceira etapa cheia de novidades. Teve o Sicard, um método eletrônico de apuração da prova, que dá seu resultado na hora com todas as parciais de cada passagem nos prismas. Para isso, a pessoa corre com um chip preso no dedo e passa esse chip em todos os dispositivos de checagem colocados nos prismas da pista de orientação. Quem corre as provas do brasileiro já está habituado com a inovação. Eu, ainda não!
Meus resultados, como disse em outras postagens, não foram dos melhores nas últimas provas. Um quarto lugar na primeira etapa, um terceiro na segunda etapa e a gripe me pegou novamente. Brincadeira! Mais uma vez, antes da prova. Que coisa mais desagradável! Parece até que fico nervosa pra correr orientação. Eu, doida pra correr, cheia de energia, ficando doente antes de prova. Mas, dessa vez, a coisa melhorou dois dias antes do grande dia.
Ótimo! Coloquei meu chip no dedinho indicador, fiz um teste para ver se funcionava e fiquei esperando a minha hora de partir. Como sempre, estava largando entre as primeiras. Paciência!
O prisma zero me atrapalhou toda! Como o padrão da corrida era de brasileiro, o zero estava super longe do local da largada. Bem longe! Tão longe que tive dificuldade para entender o que estava acontecendo por falta de costume. Achei que a direção de largada poderia estar errada. Mas, como só eu estaria certa? Então segui o fluxo que não sou tão besta assim..
Reparei que eram apenas 11 prismas, só que bem distantes uns dos outros. Com um relevo bem apetitoso, cheio de ladeiras. A brincadeira prometia!
O primeiro prisma estava bem tranquilo de encontrar. Localizado na pista, só para facilitar as coisas! Então começamos a festa, pulando cerca, pegando uma trilha e achando o prisma 2. O 3 foi o mais difícil pra mim! A vegetação era mais densa no mapa. Fiquei um pouco indecisa na abordagem. Acabei entrando por uma cerca, correndo pela trilha. Mas, demorei! Demorei por achar que talvez pudesse descer pela pista aberta e passar a cerca no ponto exato da trilha. Fiquei com a minha cara de pastel, indo, pensando, voltando, titubeando e perdendo tempo. Sendo que só precisava correr por ali mesmo, trilha adentro, e encontraria a clareira, onde estava o famigerado prisma! Preciso confiar mais em mim. A navegação poderia ter sido perfeita. Demorei 13 minutos nesse vai e vem desnecessário. Fazer o quê? Quem manda ser bocó? O raciocínio era exatamente o que tinha feito quando entrei na trilha.
Dali em diante, só precisei correr! A navegação estava boa, os prismas bem posicionados! Só que distantes uns dos outros. Afe Maria! Pra chegar até o prisma 4 foi uma vida! Ele estava lá no outro canto do mapa, na “casa do chapéu”! Lá no alto! Numa área de pasto, depois de passar pelo gado que me olhava meio de lado, pra lá de um tanque seco. Numa vista bem linda de lá de cima! Será que alguém mais percebeu que a vista era bem bonita lá de cima?!
Pois é! Se a pessoa sobe, tem que descer. A ribanceira que me levava até o 5 era coisa de cinema! Dava vontade de arrumar um tonel e descer rolando. Como não tenho problema nos joelhos, quase desci embolando mesmo. Foi na descida que encontrei a minha amiga Deja. Ela saiu primeiro do que eu e estava indo pro prisma 7.
Depois de uma cerca ali, outra acolá, alcancei os prismas 5 e 6. Deu pra me arranhar um pouco e rasgar a roupa mais um pouquinho. Daqui a pouco a minha camisa de Penélope não vai prestar pra mais nada, exceto pra pano de chão.
Subi pro prisma 7 virada na “zorra” e já encontrei Deja no caminho. Fomos juntas até lá e encontrei meu amigo e irmão Mauroba do Agreste, a quem devo quase todo conhecimento de navegação. A organização avisou que o 7 estava deslocado.. Esquecemos e procuramos por uns segundinhos a mais do que o esperado. Paciência...
No caminho para o prisma 8, encontramos Tatye, outra menina que corre em nossa categoria. Esta saiu depois, por isso, ao nos alcançar, estava em vantagem. Descemos todas “desbandeiradas” para o prisma 9. Como eu disse, tinha ladeira pra não acabar mais. Como aquela era uma descida de pasto, a carreira foi boa!
Subi correndo sem olhar pra trás e acabei me afastando um pouco das outras meninas. (Sobe e desce retado!) A vegetação ficava um pouco mais fechada, com uma trilha bem gostosa e sombreada de árvores naquele trecho. O mapa bem preciso, dava pouca margem de erro... 
No calor na carreira, tinha uma raiz de árvore no meio do caminho, bem em frente ao meu pé. A queda foi tão doida que passei umas 3 semanas com dor na parte da frente da coxa. Tive um estiramento muscular, RS! Senti a dor, mas na hora, só olhei pra trás pra ver se tinha plateia pra dar risada depois e continuei correndo.  
Só sei que achei o prisma 10 bem rapidinho e continuei correndo sem perder a vontade de chegar logo e tirar um pouco da diferença de tempo das meninas. Então fisguei o prisma 11 e fui para a chegada conferir meu tempo. Uau! Saiu na hora! Massa esse Sicard! Tempo de prova: 1:06h. Achei bem legal e fiquei esperando que as meninas chegassem no meu rastro. Mas, elas até que demoraram um pouco e chegaram contando as suas peripécias no mato depois que nos separamos.
Voltei pra casa toda suja e com um troféu de segundo lugar! Toda feliz da vida! Feliz da vida porque minha terapia de ir para a trilha no domingo funciona muito bem! Adoro correr no mato! Pelos matos afora, como sempre digo! Recarrego todas, absolutamente todas as energias! Encontro amigos, esqueço o mundo lá fora, corro, entro em contato com a natureza e ainda ganho troféu por isso. Bom demais!
Então, mais um VIVA para a Corrida de Orientação! Adoro! 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desafio dos Sertões 2023- 140km

  Que o Sertão é um dos lugares mais inóspitos à sobrevivência humana, a gente já sabe! Que você precisa ser forte pra enfrentar a caatinga, ter resiliência, coragem, foco, determinação, também. Que o Rio São Francisco é um gigante que impõe, acima de tudo, reverência, sabemos. Querer ir lá pra experimentar tudo isso e ainda gostar, é outra história! E lá estávamos nós, no Desafio dos Sertões, nos 140km de aventura, entre mountain bike, trekking, natação, canoagem, tudo com navegação com mapa e bússola.  Nos últimos tempos, temos alternado bastante os atletas da equipe, menos eu e Mamau, que somos fominhas de prova. Mas, brincadeiras à parte, Vitor e João estão afastados por questões pessoais. Então, Lucas, nosso novinho da Turma 12 da Escola de Aventura, continuou com a gente, depois da Carrasco. Além disso, Arnaldo, da Olhando Aventura, veio fechar o quarteto, reforçando nosso time com sua experiência. Reunimos, alinhamos objetivos, organizamos a tralhas e partimos pra Juazeiro

UTCD 2023- 80km

   Não tenho um pingo de vergonha na cara. Da última vez que fiz a Ultra Trail Chapada Diamantina (UTCD), disse que machucava muito os pés e que preferia fazer Corrida de Aventura… Como se Corrida de Aventura machucasse menos. 😂    Esse ano, eu corri todas as provas do Campeonato Baiano de Corrida de Aventura, menos a Expedição Mandacaru, porque estou envolvida na organização. Então, pra fechar com chave de ouro o meu ano esportivo e comemorar meus 52 anos, decidi correr a UTCD.     Tudo bem! Eu amo correr, mas precisava ser 80km? Aí é que vou contar pra vocês…    Já que eu estava indo e já tinha feito 50km, decidi me desafiar nos 80. Fiz minha inscrição e ainda joguei minha filha no bolo, nos 35km, que depois ela mudou pra 14, por que não estava com tempo pra treinar o suficiente. Eu queria brincar o brinquedo todo!    Depois de um fim de semana de muito movimento na Expedição Mandacaru, lá estávamos nós, na semana seguinte, acampados em Mucugê, de mala e cuia, com boa parte da famíl

Malacara Race 2023- 500km PARTE 1

  Foto: @luiz_fabiano_ibex O que preciso fazer pra ir correr na Malacara? A logística pra enfrentar um desafio como esses é extremamente complexa. Envolve sua vida toda, trabalho, família, parentes e aderentes. A vida dos meus filhos tem que estar toda organizada, preciso tirar férias, tomar mil providências... Nessa lista vem inscrições, passagens, equipamentos, alimentação, agasalhos, uniformes. Coisa doida!😎 A Malacara Race fez parte do Circuito Mundial de Corrida de Aventura, seguindo todas as regras com rigor, principalmente, no que se referiu à conferência de equipamentos. Muita coisa já tínhamos, outras, precisamos providenciar.  Quando eles liberaram o guia com a logística da prova, conseguimos saber quantos estágios seriam, ter ideia da previsão de duração de cada um, o que levaríamos de alimentos, o que encontraríamos quando acabasse cada estágio. Mesmo com toda organização, a cabeça dá um nó. Tive momentos de ficar parada na frente de tanta comida, sem saber o que faz