Pular para o conteúdo principal

Penélopes no CAMBO IV


   
   Fazenda Pedra da Égua em Santo Amaro, quarta etapa da Corrida de Orientação 2013, Penélopes e Aventureiros reunidos. Duas duplas do barulho: Vitor e Joaquim, Luciana (eu) e Tila. Filhotes na brincadeira.
   Minha filhinha faz aventuras desde pequena, junto com as primas e irmão Tiagão. Mas, competir mesmo... Delicada demais, tchutchuquinha demais... Só que irmão viajou e sobrou a vaga, rsrs!
   -Como assim mãe? Quer que eu vá mesmo? Tá, eu vou!



   E lá estávamos nós, posando pra a câmera de Kassiele Kaiper.
   Fazia tanto tempo que só corria na Elite que nem sabia que a categoria dupla era misturada. Só dupla. Não é mais dupla feminina, masculina e mista. Também não sabia que dupla tinha 20 prismas. Disse pra Tiloca que eram 10. Vixe!
   Ficou linda de Penélope e toda feliz vendo tanta gente na largada. Mauro estava lá e mais um monte de amigos que não via há tempos. Chegou nossa vez de largar. Olhei um pouco o mapa, esqueci que podíamos levar dois. Deveria ter pegado um pra minha pequena acompanhar. Logo no primeiro prisma, já passei direto. Mas, voltei rapidinho.


   Preocupada de não entrar em muito mato, fiquei um pouco embaratinada para pegar o prisma 2.   À medida que a prova foi fluindo, fui relaxando. Devagar pra menina não se assustar.
   Para achar o prisma 3 seguimos pela mesma cerca do 2. Filhinha quase não reclamou. E o 4 estava bem adiante, seguindo outra trilha, já perto da estrada. Dali começou um sobe e desce. Descemos para o 5. Percebi minha pequena um pouco desengonçada, embora disfarçasse bem, rs! A ribanceira era boa.
   Subidão no caminho para o prisma 6. Tome-lhe pular cerca. Rapidinho seguimos para o prisma 7. Ali estava mais plano, Tiloca toda animada, correndo, principalmente porque a mamãe estava acertando tudo.
   Correndo para o prisma 8, debaixo de uma árvore, na área da sede da fazenda. Beirando uma cerca, pulamos a porteira e encontramos o prisma 9.
   Ribanceira danada, Tiloca começou a perguntar se estava acabando, rs! E foi ali, ladeira abaixo, que contei que faltavam APENAS 11 prismas, rsrs!
   - Mãe!!! É sério! - Exclamou a filhinha.
   - É filha. Faltam só 11 e tá tudo bem tranquilo, tá vendo?
   - Não! - Ela não estava achando tranquilo, rs!
   Era sério mesmo, rs! Sem brincadeira... O 10 estava logo adiante, numa moita, numa cerca. E o 11, fácil, fácil!
   Inventei de cortar caminho do 11 pro 12. Aí deu merda! Junto com a plantação de bananas cresceu um matagal enorme. Fiquei com pena no começo da prova e, naquela hora, sabia que poderia voltar e pegar a trilha para descer direto, mas não o fiz. Decidindo ir direto, nem sonhava o que encontraria. No mapa parecia tudo bem, juro!
   A medida que entrávamos em direção ao prisma 12 o mato ia crescendo e Tiloca reclamando. A coisa  foi apertando até que nem dava pra andar, rs! O mato segurava a gente. Ia pisando e mandando ela pisar em cima da minha pegada, imediatamente.
   - Mãe, está difícil de andar! Não vai chegar em lugar nenhum! Como é que a gente vai sair daqui? Tá horrível aqui! Tem espinho! Tá calor! – Reclamava a mocinha, desesperada.
   - Vamos encontrar a trilha daqui a pouco, filha, calma! Isso é pra você ver como sua mãe “sofre”.
   - Mas você gosta disso! - (sem comentários, rs!)
   ...


    ...
   Finalmente, conseguimos encontrar a trilha. Prisma 12 naquela bendita moita. Realmente, perdemos um tempo ali. Mas, Tiloca ficou sabendo o significado de rasgar mato. Filha estressada, mãe realizada.
   Então pegamos a trilha até o prisma 13, só pra começar a sujar o tênis de lama. Uma trilha bonitinha no meio das bananeiras. Molhada! Pegamos o prisma, pulamos mais uma cerca e seguimos para o prisma 14, que estava bem depois daquela ponte de madeira. A ponte estava baixa ou a água estava alta. Prisma, ok!
   O caminho para o prisma 15 deve ter sido o mais emocionante. Tiloca reclamava um pouco menos. Precisou de ajuda para passar em alguns lugares. Trilha escorregadia pela beira do rio. Perigava cair, rs!  Encontramos o prisma no final da trilha.
   Pegamos o 16, o 17... Tiloca já estava tão animada que corria na minha frente. Eu ia falando onde estavam os prismas seguintes e ela corria pra pegar. Prismas 18, 19 e 20. Chegada!

   Minha bebezoca estava toda vermelha, parecendo um pimentão. Cansada, animada, eufórica. Fomos beber água, esperar os garotos. Olhamos nossa classificação. Hummm! Quinto lugar! A mocinha ficou toda feliz, pediu um mapa da categoria dela, pensando, talvez, em ir sozinha. Que fofa! Ela reclama mas, gosta de aventura, sempre gostou.
   Filha de doida, doidinha é! Filha de Penélope, Penélope é!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desafio dos Sertões 2023- 140km

  Que o Sertão é um dos lugares mais inóspitos à sobrevivência humana, a gente já sabe! Que você precisa ser forte pra enfrentar a caatinga, ter resiliência, coragem, foco, determinação, também. Que o Rio São Francisco é um gigante que impõe, acima de tudo, reverência, sabemos. Querer ir lá pra experimentar tudo isso e ainda gostar, é outra história! E lá estávamos nós, no Desafio dos Sertões, nos 140km de aventura, entre mountain bike, trekking, natação, canoagem, tudo com navegação com mapa e bússola.  Nos últimos tempos, temos alternado bastante os atletas da equipe, menos eu e Mamau, que somos fominhas de prova. Mas, brincadeiras à parte, Vitor e João estão afastados por questões pessoais. Então, Lucas, nosso novinho da Turma 12 da Escola de Aventura, continuou com a gente, depois da Carrasco. Além disso, Arnaldo, da Olhando Aventura, veio fechar o quarteto, reforçando nosso time com sua experiência. Reunimos, alinhamos objetivos, organizamos a tralhas e partimos pra Juazeiro

UTCD 2023- 80km

   Não tenho um pingo de vergonha na cara. Da última vez que fiz a Ultra Trail Chapada Diamantina (UTCD), disse que machucava muito os pés e que preferia fazer Corrida de Aventura… Como se Corrida de Aventura machucasse menos. 😂    Esse ano, eu corri todas as provas do Campeonato Baiano de Corrida de Aventura, menos a Expedição Mandacaru, porque estou envolvida na organização. Então, pra fechar com chave de ouro o meu ano esportivo e comemorar meus 52 anos, decidi correr a UTCD.     Tudo bem! Eu amo correr, mas precisava ser 80km? Aí é que vou contar pra vocês…    Já que eu estava indo e já tinha feito 50km, decidi me desafiar nos 80. Fiz minha inscrição e ainda joguei minha filha no bolo, nos 35km, que depois ela mudou pra 14, por que não estava com tempo pra treinar o suficiente. Eu queria brincar o brinquedo todo!    Depois de um fim de semana de muito movimento na Expedição Mandacaru, lá estávamos nós, na semana seguinte, acampados em Mucugê, de mala e cuia, com boa parte da famíl

Malacara Race 2023- 500km PARTE 1

  Foto: @luiz_fabiano_ibex O que preciso fazer pra ir correr na Malacara? A logística pra enfrentar um desafio como esses é extremamente complexa. Envolve sua vida toda, trabalho, família, parentes e aderentes. A vida dos meus filhos tem que estar toda organizada, preciso tirar férias, tomar mil providências... Nessa lista vem inscrições, passagens, equipamentos, alimentação, agasalhos, uniformes. Coisa doida!😎 A Malacara Race fez parte do Circuito Mundial de Corrida de Aventura, seguindo todas as regras com rigor, principalmente, no que se referiu à conferência de equipamentos. Muita coisa já tínhamos, outras, precisamos providenciar.  Quando eles liberaram o guia com a logística da prova, conseguimos saber quantos estágios seriam, ter ideia da previsão de duração de cada um, o que levaríamos de alimentos, o que encontraríamos quando acabasse cada estágio. Mesmo com toda organização, a cabeça dá um nó. Tive momentos de ficar parada na frente de tanta comida, sem saber o que faz