Pular para o conteúdo principal

APERTE OS CINTOS EM 2015

   Todo dia penso em voltar a escrever...


   
   A última prova de Corrida de Aventura com treino mais ou menos em dia foi o Desafio dos Sertões. Na última etapa do CICA, fomos só pra espairecer um pouco as tensões dos dias difíceis. Foram tantos acontecimentos... Meu pai no hospital... Meu casamento surpresa (Que foi lindo!) no Desafio dos Sertões... A viagem de lua-de-mel de 24h... O retorno pro enterro do meu pai... Como nada pode ser tão ruim que não possa piorar, tivemos um problema de saúde na família que sacudiu a vida de todo mundo de maneira jamais pensada.
   Vinha sonhando com veículos desgovernados havia meses. Ora sem volante, ora sem freio, ora em garagens muito apertadas. Até com avião desgovernado, já sonhei! Dizem que o carro em sonhos significa a própria vida. Imagino até porque parei de sonhar: o sonho virou realidade.
   As mudanças de caminho que acontecem comigo são assim: a Energia Divina conspira e resolve que vai ser daquele jeito. Caso eu resista, minha vida para. Para mesmo! Aquelas velhas paradas para reflexão. Como um freio brusco de um carro, onde todo mundo cai lá na frente com o coração na boca, percebendo que esqueceu de afivelar os cintos de segurança. Daquele freio que lhe deixa paralisado, sem ação. E a família inteira estava dentro do carro dessa vez. Como nos sonhos. E quem sabe os sonhos não eram avisos pra apertarmos os cintos porque a zorra ia pegar?
   Nos meus 40 anos torci o pé numa cama elástica. Foram tantas reflexões naquela época que nem conto. A família e os amigos precisaram se mobilizar pra me ajudar. Até hoje agradeço!
   A vida virou ao avesso outra vez. O ano de 2014 foi, seguramente, o mais difícil da minha vida. O carro desgovernou, perdeu o freio, capotou algumas vezes. Cinco dias de Ecomotion é fichinha pra tudo isso. Tivemos que nos agarrar uns aos outros pra depois avaliar as avarias.
   Parei de treinar, pedi licença do trabalho, desmarquei pacientes para me dedicar à minha família e reorganizar a vida. Tivemos que recomeçar, renascer das cinzas, viver um dia após o outro, comemorar cada amanhecer e cada pequena vitória alcançada. E, diante de tantas dificuldades, pensei em muita coisa que a gente já sabe mas é sempre bom lembrar:
1. Não há desafio na vida que a gente não seja capaz de suportar. Como dizia a minha avó: "Deus dá o frio conforme o cobertor.";
2. Gratidão é fundamental;
3. Sorte é uma questão de ponto de vista;
4. A família e os amigos verdadeiros sempre estão por ali, torcendo para que você fique bem;
5. Existe sim, uma força maior que tudo na vida, que conspira em seu favor e organiza a bagunça;
6. Acredite, reze e queira bem a Deus e ao mundo.
7. A vida é maravilhosa quando se faz terapia do amor ao próximo.

   
   A notícia boa é que o carro já voltou a andar, agora estamos todos afivelados. Dessa vez, uns aos outros. E nunca mais nossa vida será a mesma. Será melhor, sem dúvida!
   Que tenhamos um Ano Novo cheio de vibrações positivas, com muitas notícias boas, viagens, corridas, treinos, amigos, família, sorrisos, esperança, paciência, amor e harmonia. Meus desejos pra 2015 não cabem nessa postagem. 



FELICÍSSIMO ANO NOVO PRA VOCÊ E SUA FAMÍLIA!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desafio dos Sertões 2023- 140km

  Que o Sertão é um dos lugares mais inóspitos à sobrevivência humana, a gente já sabe! Que você precisa ser forte pra enfrentar a caatinga, ter resiliência, coragem, foco, determinação, também. Que o Rio São Francisco é um gigante que impõe, acima de tudo, reverência, sabemos. Querer ir lá pra experimentar tudo isso e ainda gostar, é outra história! E lá estávamos nós, no Desafio dos Sertões, nos 140km de aventura, entre mountain bike, trekking, natação, canoagem, tudo com navegação com mapa e bússola.  Nos últimos tempos, temos alternado bastante os atletas da equipe, menos eu e Mamau, que somos fominhas de prova. Mas, brincadeiras à parte, Vitor e João estão afastados por questões pessoais. Então, Lucas, nosso novinho da Turma 12 da Escola de Aventura, continuou com a gente, depois da Carrasco. Além disso, Arnaldo, da Olhando Aventura, veio fechar o quarteto, reforçando nosso time com sua experiência. Reunimos, alinhamos objetivos, organizamos a tralhas e partimos pra Juazeiro

UTCD 2023- 80km

   Não tenho um pingo de vergonha na cara. Da última vez que fiz a Ultra Trail Chapada Diamantina (UTCD), disse que machucava muito os pés e que preferia fazer Corrida de Aventura… Como se Corrida de Aventura machucasse menos. 😂    Esse ano, eu corri todas as provas do Campeonato Baiano de Corrida de Aventura, menos a Expedição Mandacaru, porque estou envolvida na organização. Então, pra fechar com chave de ouro o meu ano esportivo e comemorar meus 52 anos, decidi correr a UTCD.     Tudo bem! Eu amo correr, mas precisava ser 80km? Aí é que vou contar pra vocês…    Já que eu estava indo e já tinha feito 50km, decidi me desafiar nos 80. Fiz minha inscrição e ainda joguei minha filha no bolo, nos 35km, que depois ela mudou pra 14, por que não estava com tempo pra treinar o suficiente. Eu queria brincar o brinquedo todo!    Depois de um fim de semana de muito movimento na Expedição Mandacaru, lá estávamos nós, na semana seguinte, acampados em Mucugê, de mala e cuia, com boa parte da famíl

Malacara Race 2023- 500km PARTE 1

  Foto: @luiz_fabiano_ibex O que preciso fazer pra ir correr na Malacara? A logística pra enfrentar um desafio como esses é extremamente complexa. Envolve sua vida toda, trabalho, família, parentes e aderentes. A vida dos meus filhos tem que estar toda organizada, preciso tirar férias, tomar mil providências... Nessa lista vem inscrições, passagens, equipamentos, alimentação, agasalhos, uniformes. Coisa doida!😎 A Malacara Race fez parte do Circuito Mundial de Corrida de Aventura, seguindo todas as regras com rigor, principalmente, no que se referiu à conferência de equipamentos. Muita coisa já tínhamos, outras, precisamos providenciar.  Quando eles liberaram o guia com a logística da prova, conseguimos saber quantos estágios seriam, ter ideia da previsão de duração de cada um, o que levaríamos de alimentos, o que encontraríamos quando acabasse cada estágio. Mesmo com toda organização, a cabeça dá um nó. Tive momentos de ficar parada na frente de tanta comida, sem saber o que faz