Pular para o conteúdo principal

Italia- Parte 5- Veneza

   De volta à Florença, devolvemos as bicicletas e ficamos sentados numa pracinha, à espera do melhor momento de chegar ao Hotel.
   Após mais uma noite, lá estávamos nós, na estação de trem, seguindo para Veneza.
   Sempre impressionada com tanta grandiosidade e beleza do Velho Mundo, Veneza superou ainda mais. Você sai da estação de cara com canais, pontes e edificações belíssimas. Veneza fervilhava, tanto de calor quanto de turistas. Tinha gente pra não acabar nunca mais! Acho que tinha até extraterrestres em Veneza.  Parecia carnaval na Bahia.



   Nos hospedamos pelo Airbnb no bairro Cannaregio, perto de tudo. Paleteiros que somos, as caminhadas foram constantes. Conhecemos todos os lugares à pé. Foram 3 noites explorando Veneza, entrando em todas as igrejas possíveis e imaginárias, dos pontos turísticos manjados aos museus inusitados, escondidos nas ruelas da cidade.





   De tudo o que vi, a vista da Praça San Marco mais impressionou. Do outro lado do canal está a Igreja San Giorgio Maggiore, que me hipnotizou de tal maneira, que não sosseguei enquanto não fui lá. Deu vontade de pular na água. Navios de cruzeiros chegavam pelo canal, fechando completamente aquela vista linda, cheios de pessoas em cima, parecendo um formigueiro. E eu pensava naquele mundo de gente que ia descer em Veneza, pra lotar ainda mais a cidade.
   Decidimos pegar o vaporeto, que é igualzinho a um ônibus. Detalhe é que compramos o ingresso errado (mais barato), entramos no vaporeto e rodamos Veneza inteirinha sem saber que não descia na Igreja. Depois compramos outro, atravessamos e ficamos lá, curtindo a vista para a Praça San Marco, sentindo um alívio danado por não fazermos parte daquele carnaval de gente pra lá e pra cá.





   Outra coisa bacana que fizemos foi ir até o bairro Santa Elena, perto da Marina. As praças e jardins são mais vazias, as ruas mais tranquilas, as roupas ficam penduradas na rua, como bandeirolas coloridas. Na verdade, as roupas penduradas você encontra pra todo lado, atravessando de um lado ao outro das ruas.
   Da comida, aproveitamos o mercado da esquina e compramos comida para café e jantar dos três dias. Uma economia que nos permitiu também comer fora de casa, tomar muito sorvete e tornar nossos custos mais suaves. O detalhe é que o meu mestre cuca compra ingredientes do lugar e faz receitas do lugar. Então as massas italianas frequentaram nossas mesas durante toda a viagem. Sem contar que é uma delícia a sensação de "morar".


   Uma pena que a viagem estava acabando...
   Pegamos o trem para Roma, dormindo lá por uma noite, pra sair bem cedo pro aeroporto. Vale comentar que do lado da estação de trem sai ônibus, que custa 6 euros até o aeroporto. Fizemos aquela economia!!
   E como ainda teríamos 12 horas em Paris, compramos ingressos para o Atelier Lumier de Van Gogh, podendo desfrutar mais um pouco dos ares europeus. Sem contar que tivemos a "sorte" de chegar num dia em que o nível de poluição na cidade estava alto e, por conta disso, o ingresso do metrô é único para o dia inteiro. Pense na coisa maravilhosa!!


   Enfim, foram 14 dias de viagem, sendo turistas e aventureiros, pelas cidades da europa. Uma delícia de viagem, que recomendamos demais àqueles que têm disposição.
   Beijos e até a próxima!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desafio dos Sertões 2023- 140km

  Que o Sertão é um dos lugares mais inóspitos à sobrevivência humana, a gente já sabe! Que você precisa ser forte pra enfrentar a caatinga, ter resiliência, coragem, foco, determinação, também. Que o Rio São Francisco é um gigante que impõe, acima de tudo, reverência, sabemos. Querer ir lá pra experimentar tudo isso e ainda gostar, é outra história! E lá estávamos nós, no Desafio dos Sertões, nos 140km de aventura, entre mountain bike, trekking, natação, canoagem, tudo com navegação com mapa e bússola.  Nos últimos tempos, temos alternado bastante os atletas da equipe, menos eu e Mamau, que somos fominhas de prova. Mas, brincadeiras à parte, Vitor e João estão afastados por questões pessoais. Então, Lucas, nosso novinho da Turma 12 da Escola de Aventura, continuou com a gente, depois da Carrasco. Além disso, Arnaldo, da Olhando Aventura, veio fechar o quarteto, reforçando nosso time com sua experiência. Reunimos, alinhamos objetivos, organizamos a tralhas e partimos pra Juazeiro

UTCD 2023- 80km

   Não tenho um pingo de vergonha na cara. Da última vez que fiz a Ultra Trail Chapada Diamantina (UTCD), disse que machucava muito os pés e que preferia fazer Corrida de Aventura… Como se Corrida de Aventura machucasse menos. 😂    Esse ano, eu corri todas as provas do Campeonato Baiano de Corrida de Aventura, menos a Expedição Mandacaru, porque estou envolvida na organização. Então, pra fechar com chave de ouro o meu ano esportivo e comemorar meus 52 anos, decidi correr a UTCD.     Tudo bem! Eu amo correr, mas precisava ser 80km? Aí é que vou contar pra vocês…    Já que eu estava indo e já tinha feito 50km, decidi me desafiar nos 80. Fiz minha inscrição e ainda joguei minha filha no bolo, nos 35km, que depois ela mudou pra 14, por que não estava com tempo pra treinar o suficiente. Eu queria brincar o brinquedo todo!    Depois de um fim de semana de muito movimento na Expedição Mandacaru, lá estávamos nós, na semana seguinte, acampados em Mucugê, de mala e cuia, com boa parte da famíl

Malacara Race 2023- 500km PARTE 1

  Foto: @luiz_fabiano_ibex O que preciso fazer pra ir correr na Malacara? A logística pra enfrentar um desafio como esses é extremamente complexa. Envolve sua vida toda, trabalho, família, parentes e aderentes. A vida dos meus filhos tem que estar toda organizada, preciso tirar férias, tomar mil providências... Nessa lista vem inscrições, passagens, equipamentos, alimentação, agasalhos, uniformes. Coisa doida!😎 A Malacara Race fez parte do Circuito Mundial de Corrida de Aventura, seguindo todas as regras com rigor, principalmente, no que se referiu à conferência de equipamentos. Muita coisa já tínhamos, outras, precisamos providenciar.  Quando eles liberaram o guia com a logística da prova, conseguimos saber quantos estágios seriam, ter ideia da previsão de duração de cada um, o que levaríamos de alimentos, o que encontraríamos quando acabasse cada estágio. Mesmo com toda organização, a cabeça dá um nó. Tive momentos de ficar parada na frente de tanta comida, sem saber o que faz