Pular para o conteúdo principal

Bastidores Mandacaru 2021

Que a parceira entre a Mandacaru e a Escola de Aventura do Agreste geraria um segundo Treinão de Aventura, todo mundo já sabia! Chegamos a anunciar com um vídeo massa!... Ah! Essa Pandemia tem mudado tanta coisa... Mas a ideia de que no final de 2020 as coisas estariam melhores nos animava pra fazer essa segunda festa no final de janeiro de 2021. Super otimistas! 🤩 Aconteceu que Arnaldo lançou a Batalha Contra-Relógio, a Federação Baiana de Corrida de Aventura (FBCA) convidou os organizadores pra fazer um Campeonato de provas pequenas, a Mandacaru aceitou participar e nós caímos de paraquedas na organização de uma prova do oficial. O Treinão virou Mandacaru, que virou última Etapa do Campeonato Baiano de 2020. E foi assim que começamos mais uma aventura. Sigo querendo ter tempo e disposição pra nunca dizer não pra ninguém... De novo, me senti aquela bêbada na mesa do bar, combinando tudo com os amigos na cachorrada, na inconsequência das circunstâncias! 😅😂😂
Minha preocupação sobre organizar alguma coisa é que algo saia do previsto de uma maneira que nada se possa fazer. Mas a vida e a Corrida de Aventura mostram que sempre tem jeito pra tudo e esses anos de estrada nos trouxe um aprendizado incrível quando o tema é imprevisto. E organização é tudo quando se trata de qualquer evento, minha gente! Antes de começar, é de bom tom saber qual será a sua parcela de contribuição na parceria. Liguei pra Down pra saber o que exatamente ele precisava, onde poderia me meter e onde não seria adequado. Coisa boa na vida é prestar atenção onde a gente pisa. Existem espaços onde a gente nem sempre cabe. Nosso ego é maior, nos engana com falsa modéstia e faz a gente passar um pouco de vergonha. Vale saber! 😉
Enfiada até o pescoço na gestão da Turma 10 da Escola de Aventura do Agreste, o primeiro ponto de atrito entre os dois eventos foi o período das inscrições próximas. Ficar responsável pelas inscrições da Escola e da Mandacaru seria um "samba do crioulo doido", entretanto, combinados rolaram na Diretoria da Escola, leia-se Gabi, para que o samba virasse um espetáculo sincronizado. Um show de sapateado, quem sabe... Além das inscrições, nada mais fiz pela Escola até uma semana depois da Mandacaru, quando finalizamos todo o trabalho. Viva nossa Diretora de Marketing! Algumas vezes, nem sei como dou conta de tanta coisa. As inscrições foram abertas lá pelo mês de agosto. Eu já me dedicava aos treinos pra Expedição Terra de Gigantes, toda trabalhada na planilha da Tia Fê. Planejei correr as provas do Campeonato Baiano. Além de tudo, a pessoa trabalha durante a Pandemia dando conta de todos os Decretos e Notas Técnicas de segurança sanitária que se puder imaginar, inventa curso de Reiki, malha com o filho 3 vezes na semana, treina direção com a piquititita, que agora já sabe dirigir. Cansei só de falar! Por fim, por causa da Mandacaru, abri mão de correr a Mandacaru.
No começo, Gabi também fazia o marketing da Mandacaru, até eu pegar o embalo. Com minha pouquíssima habilidade com tecnologia, demorei um pouco até a coisa ficar sutilmente tranquila. Bem sutilmente! Baseado em minha noção pessoal de estética, evitei postagens poluídas demais, letras amarelas ou claras que se confundem com as imagens, letras muito pequenas e textões, exceto nos informativos que, não se enganem, ninguém lê até o fim. Acho que só eu leio os informativos de prova. Não só leio como imprimo e vou lendo no carro pro resto da equipe. Enquanto isso, Down, Diretor Geral e Técnico da Mandacaru Corrida de Aventura e dono da porra toda, mapeava. Aí eu abro um parênteses pra falar desse parceiro...
Eu e Down nos conhecemos faz bastante tempo. Um bom termômetro pra uma boa relação de trabalho é saber ouvir e aceitar críticas. Somos bem resolvidos com relação a nossa autoestima, sabemos receber aquele “não”, que pode ser uma palavra difícil de ouvir, entender e aceitar mas que, algumas vezes, é bem importante pra que as coisas não saiam do rumo de forma irreversível. As ideias são recebidas de forma tranquila e o que não é de comum acordo, também tranquilamente, partimos pra outras tantas ideias. Além de tudo, esse rapaz é um mapeador como poucos que conheço. Detalhista, faz questão de colocar todas as trilhas no mapa. Bichinho retado, guerreiro, trabalhador, idealizador, cheio de experiência como atleta, lembra de tudo, pedala como a peste, corre atrás, vai sozinho no local da prova inúmeras vezes pra não comprometer o sigilo, se debruça sobre o mapa, trabalha duro pra entregar o melhor. Enfim, o cara É sem precisar dizer que é! Voltando pra Mandacaru, nos envolvemos com inscrições, camisas, medalhas, troféus, divulgação, textos, apoiadores, estrutura do evento...
Tivemos que fechar o formulário de inscrições pra não ultrapassar o limite de pessoas em eventos esportivos, decretado pelo governo do estado por causa da Pandemia. Foram 156 atletas em 60 equipes. Batemos recorde de número de atletas nas provas do ano! Tivemos atletas de fora do estado e de muitas cidades distantes. O grupo de whatsapp tinha gente pra não acabar mais, pitaqueiro pra todos os gostos e todas as graças. Até briga teve. Foi tanta doidisse que um dia resolvi restringir as conversas. Uns gostaram, outros nem tanto, mas o próprio Diretor pediu pra abrir de volta porque ele também gosta da cachorrada e eu só ficava dando risada. Cheguei até a roubar umas figurinhas malucas. E, no fim das contas, ninguém pode negar que umas ideias boas saem de pitacos despretenciosos. 😊
No fim de semana da prova, a gente quase não dormiu arrumando coisas. Down e Manoela arrumaram os kits dos atletas, todos bonitinhos com os nomes as equipes, que entregamos na noite anterior pra não aglomerar. Eu e Manu embalamos tooodas as frutinhas secas pra colocar nos kits. Todas as frutas in natura que ficaram no PC da natação foram lavadas e sanitizadas, antes de serem embaladas. E antes das 4h da manhã já estávamos no estacionamento do Alphaville Feira de Santana, onde um espaço completamente vazio se transformou numa linda Arena de Corrida de Aventura, em pouco mais de meia hora, com direito a secretaria, toldos dos clubes de Aventura, equipamentos de som, wind banners, pórtico, backdrop, barraca de lanches, barraca de oficina de bike e ambulância. O apoio da Sudesb e da FBCA nos permitiu cuidar de outros detalhes, além de placas de PCs, camisas, troféus e backdrop. Além disso, trabalhamos com vários parceiros da Escola, que nos contemplaram com rádios comunicadores (Canal10 Promo), drone (Pedro Flyrini), adesivos e faixa de Pórtico de largada (Jpeg Impressões), Kit Lanche com frutas (Tac Comercial de Alimentos).
Os PCs Bruno, Geri, Falcão, Titta, Cleo, Murilo e Miro foram super guerreiros e parceiros. Manu, nossa primeira dama Mandacaruzete, resolveu de tuuudo nessa vida. Não fosse por ela, morreríamos de sede e fome. Geri arrasou no caiaque, dando suporte pros atletas. Tivemos uma equipe de resgate coordenada por Josemar, nosso grande guerreiro, atleta e Bombeiro Militar, junto com Rose e Cesar. E ainda tivemos frutas desidratadas do Kit Atleta, presentinho do nosso amigo Pezão. Foi uma prova dura, com um mapa cheio de opções de chegada aos PCs. Os atletas sofreram de um tudo nessa prova! O trekking teve mandacaru e cansanção a três por quatro, as ladeiras do mountain bike foram pura superação, a natação foi um bálsamos pra maioria e a equipe de foto e filmagem capturou imagens incríveis para eternizar esses momentos. Como sempre, algumas equipes terminaram rapidinho, outras levaram o dia inteiro pra acabar, outras precisaram parar e outras só pararam depois de pegar tudo, mesmo sabendo do fim do tempo de prova.
Já viu? Gente que organiza prova não come, não toma banho, se pendura nos toldos por causa do vento, corre pra tirar caixa de som, corre pra resgatar, leva comida pro PC, não tem vida própria até que chegue ao final. Assim, compartilhamos emoção, adrenalina, afeto, coragem e a alegria de ver que tudo deu certo. Até me despenquei de Lauro de Freitas pra Feira de Santana no meio da semana pra Kittas Pizza pra comemorar. E óbvio que também refletimos sobre tudo que podemos melhorar em outras oportunidades, porque a busca pela excelência sempre será a nossa meta! Passados 18 anos de Corrida de Aventura na Bahia, percorremos um caminho longo que, apesar dos desafios, temos motivos de sobra pra comemorar no esporte. Particularmente, só ganhei e vivo agradecendo pelas oportunidades de tantos aprendizados e por tantas alegrias, tanto como atleta quanto em qualquer outra coisa que faça no esporte. A Corrida de Aventura não só transformou a minha vida, como também alimenta a minha vontade de seguir em frente diante que qualquer adversidade. A largada é um grande desafio pra todos nós!
Olha só quem nos apoiou! @sudesbespote @fbca.oficial @escoladeaventuradoagreste @jpegimpressoes @kitas_pizza @canal10promo @leonardo.sousa.7165 (Tac Comercial de Alimentos) @aphavillefeiradesantana @gringoldesign @flyrini
Parabéns pra todo mundo, beijos e até qualquer hora dessas... quem sabe com muitas novidades!?🤩🤩🤩

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Italia- Parte 5- Veneza

   De volta à Florença, devolvemos as bicicletas e ficamos sentados numa pracinha, à espera do melhor momento de chegar ao Hotel.    Após mais uma noite, lá estávamos nós, na estação de trem, seguindo para Veneza.    Sempre impressionada com tanta grandiosidade e beleza do Velho Mundo, Veneza superou ainda mais. Você sai da estação de cara com canais, pontes e edificações belíssimas. Veneza fervilhava, tanto de calor quanto de turistas. Tinha gente pra não acabar nunca mais! Acho que tinha até extraterrestres em Veneza.   Parecia carnaval na Bahia.    Nos hospedamos pelo Airbnb no bairro Cannaregio, perto de tudo. Paleteiros que somos, as caminhadas foram constantes. Conhecemos todos os lugares à pé. Foram 3 noites explorando Veneza, entrando em todas as igrejas possíveis e imaginárias, dos pontos turísticos manjados aos museus inusitados, escondidos nas ruelas da cidade.    De tudo o que vi, a vista da Praça San Marco mais impressionou. Do outro la

Itália- Parte 4- San Giminignano

   Essa parte da viagem foi uma experiência bem interessante! Desprendidos de grande parte da bagagem, com uma pequena mochila nas costas, pegamos a estrada com bicicletas alugadas em Florença.  Na bagagem, duas mudas de roupas, produtos de higiene pessoal, papeis do seguro de viagem e passaportes. Sem internet, "printamos" telas dos mapas pra termos ideia do percurso, que já estava quase decorado na cabeça.    Atravessamos a Ponte Vecchio, em direção à Porta Romana para o sul (ou seria sudoeste?) da Toscana. A Porta Romana é uma porta enorme mesmo, por onde passam carros, gente e bicicleta. Tudo ali era murado, antes.    Evitando as vias mais movimentadas, seguimos por Certoza em direção à Tavarnuzze. Num cruzamento, com dúvidas, sentimos dificuldade pra pegar informação com alguém. No interior, é mais complicado encontrar alguém que fale inglês, além disso, o italiano é mais difícil de entender. Por dedução, intuição ou sei lá o quê, escolhemos a estrada da esque

Couro de Bode- 53 km- 5 e 6 de dezembro

Nosso quarteto: Vitor, eu, João e Maurício. Couro de Bode foi nossa primeira Corrida de Aventura juntos. Apesar da viagem de 7 horas até Jaguarari, deu tempo pra tudo. Fomos no sábado de manhã, corremos a noite toda e voltamos no domingo. Na entrega das bicicletas na Área de Transição, estavam aventureiros de todos os tempos e tribos. Tinha gente de Feira, Salvador, Lauro, Juazeiro, Petrolina e adjacências. Amigos queridos que estavam fora, outros que nunca saíram de dentro. Os abraços apertados viraram olhares carinhosos e cumprimentos com cotovelos pra gente se cuidar dessa COVID-19 miserável, exceto por algumas fotos rápidas. Mas ninguém pode reclamar da recepção calorosa dos organizadores, Waltinho, Daniel e todo staff, apesar da pandemia. 😊😉 Voltando pra pousada, o silêncio entre nós parecia ansiedade de não saber o que aconteceria conosco naquela empreitada. Na verdade, nunca sabemos. Isso é Corrida de Aventura mas se você parar pra pensar um pouco, esportes e jogos sã