Pular para o conteúdo principal

DS 2022- “SEM LUTA NÃO HÁ VITÓRIA!”

 

“É sofrimento garantido, perigo iminente, aventura na veia e na alma!” – Esse foi um trecho da resenha que fiz sobre o DS 2021. Qualquer semelhança não é mera coincidência... Waltinho fofo, Daniel naquela tranquilidade, o churrasco, o percurso f@#&, o encontro de atletas, o clássico que ninguém quer perder.

Nosso quarteto só fechou no apagar das luzes, na semana da corrida. Maurício não pôde ir e quem entrou de última hora foi Down. Nem sei como aceitou! A pessoa com rompimento de todos os ligamentos do joelho, cirurgia quase marcada, só pediu que tivéssemos paciência por causa das dores que poderia sentir. Não exatamente com essas palavras, mas era isso ou nada. Não tínhamos outra pessoa mesmo! 😂  

Equipe:

João Coelho

Vitor Hugo Moreau

Luciana Freitas (eu)

Down

Objetivo? Depende!!

Para Janaína, mulher de João e conselheira da equipe, a gente sempre tá devendo um troféu de primeiro lugar pra ela, faz é tempo.

João diz que a gente vai ficar em primeiro toda vez que a gente vai correr.

Vitor quer chegar na frente sempre. Pode tá morrendo... 😁

Já eu, só quero ser objetiva. O resultado vai ser sempre fruto do trabalho em equipe, do tanto que a gente se entrosar, da navegação "redonda", daquele tiquinho de sorte. Quem não quer ganhar que atire a primeira pedra! Mas não é só isso... Adoro refletir sobre as corridas que faço, e houve um tempo em que não sabia ao certo administrar os finais não tão felizes. Faz muito tempo. Na verdade, nunca curti andar perto de outras equipes porque os embates de final de prova me deixavam muito agoniada, embora a gente se encontre e os encontros são muito legais também. E tem muita história desses encontros, que dão páginas e páginas de resenha. 🤩😍🤪

O esporte, pra mim, é terapia total. Me divirto demais, esqueço da vida e, independente do que aconteça, fico muito bem hoje. Meu dia-a-dia tem uma carga emocional absurda! Esse esporte foi o presente que a vida me deu, pra aprender a enfrentar as adversidades de um jeito mais leve. Eu nem sabia disso quando comecei. Pela minha saúde mental, faço Corrida de Aventura, apesar de todo mundo dizer que sou doida mesmo é por fazer essas coisas. 😊

Morro do Chapéu estava linda, toda colorida! A cidade nos recebeu com muito carinho! A organização aproveitou o enfeite do São João, deixando a largada num clima delicioso! Por falar em clima, a noite da prova prometia ser congelante.

Quando soube que a prova seria lá, só pensei em aproveitar pra ver minha cunhadinha que amo, Isabele, que é Secretária de Comunicação da cidade e uma das responsáveis por boa parte da lindeza que encontramos na cidade. É cunhada do primeiro casamento mas, se meu ex-marido é um grande amigo, imagina a cunhada que conheço desde os 15 aninhos. Foi pouco tempo mas não deixei de aproveitar pra botar o papo em dia e de me orgulhar da mulher forte e determinada que ela se tornou.

Chegamos à cidade no início da tarde, aproveitamos pra fechar os últimos detalhes antes da largada, organizar as coisas, confraternizar com os amigos. Waltinho, como sempre, fofo, foi nos recepcionar no restaurante

A FBCA táquitá botando pra quebrar! Esse ano a gente recebeu coletes pra usar na prova e camisas pra tirar onda depois da corrida. Nossa Corrida de Aventura na Bahia tá ficando cada vez mais linda, recebendo o suporte necessário pra que todas as provas tenham um padrão mínimo de qualidade!

Vamos à prova? Anjos da guarda preparados? Bora Luuuu!

Sábado, 9h, som na caixa, contagem regressiva!

Trecho 1- 22km de Mountain Bike

Largamos com batedor até a esquina da rua, com o povo se controlando pra ninguém atropelar ninguém. Depois disso foi coisa de doido, pura adrenalina! Saí colando na roda de quem tivesse mais rápido e fui procurando meus parceiros. O povo tava enlouquecido de pressa! Parecia que o mundo tava acabando atrás da gente.

Pegamos um trecho com a pista boa, paralelepípedo, depois barro, em seguida uns incrementos com areia, buracos e pedras pra começar a brincadeira, que foi ficando mais difícil a medida que os km avançavam. A profecia de Waltinho!

Por falar em atropelar, nossa treinadora, a tia Fê, sempre dá esse conselho. “Atropelaaa!” Pela primeira vez, ela disse pra gente não ir na onda de João e Down, pra evitar lesão, porque as planilhas de treino só estavam no começo, blá, blá, blá! Pra vocês terem uma ideia da situação, eu e Vitor estávamos fazendo Pilates pra dar uma consertada no corpo. Véio é uma miséria! Aparece é coisa!



A organização colocou duas placas no PC1, logo, quase não teve fila pra foto. Boa ideia! De lá, pulamos a cerca com as bicicletas, atravessamos o rio, passamos por uma vegetação e chegamos na estrada do outro lado. Ali foi só contar a distância pro PC 2 aparecer. Muita estrada plana pra aquecer as pernocas, a poeira subindo, com muita descida!

Chegamos ao PC 3, transição pro trekking, em menos tempo do que o planejado, entretanto, não sei se tinha muita gente ou pouca. Sou bem ruim nessa coisa de prestar atenção nas outras equipes, embora perceba alguns movimentos e conversas. Mas sempre tem alguém na equipe que se preocupa com isso. Os meninos trabalharam direitinho.

Trecho 2- Trekking de 11km com natação de 450 metros no caminho

Transição bem objetiva, como combinado, seguimos com algumas equipes que, logo se dissiparam. Como os PCs poderiam ser alcançados em ordem aleatória, não dava pra saber quem estava na frente de quem. Os PCs A e B eram opcionais, os demais, obrigatórios.  



Começamos buscando o PC 4, numa árvore, depois seguimos pro 5 por uma trilha de um rio seco, cheio de pedras, numa cachoeira sem uma gota d'água! E quando saímos do buraco da cachoeira demos de cara com uma pedreira de extração de mármore. Parecia um deserto! O sol cumpria seu papel na história do DS. Qualquer DS, em qualquer lugar, vai ter um sol por atleta.

Eu só ouvia “Bora Luuu!” Preciso andar rápido o tempo todo... Aquela objetividade que quero, nem sempre consigo entregar. 😅

Fomos pro 8, depois seguimos até o 6 pra entrar na natação. Com o calor que estava, o banho fez um bem danado. Sol quente, poeira subindo, boca seca, gole de água com gosto de terra. Nadamos em meio às baronesas, que insistiram em atrapalhar nosso progresso, mas deu tudo muito certo! PC 7 ok! Entre um PC e outro, equipes iam passando, nos cumprimentávamos rapidinho, sempre sem saber em que ordem estávamos.

Voltamos no sentido do PC B, marcando distância e saímos varrendo a área, os quatro, um pra cada árvore possível.

 

Pronto! Só faltava o A que, passando pela transição, tive a impressão de que muitas equipes haviam saído. 

O caminho do PC A foi por dentro de um cânion bem pedregoso, com altos penhascos, risco de queda aos mais desequilibrados, pontes de madeira cambaleantes! Down e João iam lá na frente, catando o PC e pulando pedra.

Na volta, encontramos Juju e Dudu (dupla OSFIDAGENTE) que, depois de altamente desencorajados pelo pai (João) sobre os perigos daquela caminhada, decidiram seguir pra pegar o PC. Que meninos desobedientes!! E ainda tiraram onda de que não tinha nada demais no PC, que pegaram de boa! Raiai... esse povo pequeno é muito danado!

Na transição, alguém colocou uma bicicleta em cima da minha. Empenou alguma coisa que acabou enganchando a corrente. Precisei me virar, porque os meninos estavam tão agoniados que me deixaram sozinha, achando que eu estava acompanhando. Saí que nem doida pra alcançá-los. Na boa, a pessoa poderia jogar a bicicleta em cima da de alguém da sua equipe e empenar a gancheira de alguém da sua equipe. Seria mais justo!

Trecho 3- 22km de MTB com rapel na Cachoeira do Ferro Doido

Todas as equipes que encontramos pelo caminho nos ajudaram em alguma coisa. Tivemos encontros felizes! Todo mundo torce por todo mundo, mesmo todo mundo querendo subir no pódio e atropelar todo mundo. Deu pra entender?

Então... Fomos pro PC 10 junto com a turma do Kaaporas. Cachorrada danada! Povinho doido, viu?! As meninas são tudo doida, pedalam horrores e os meninos também. O povo esculhamba com Down e a gente dá muita risada! Enfim, esses nos ajudaram a não perder o ritmo!



O PC 11 já era no próprio estacionamento da Cachoeira do Ferro Doido, onde os meninos iam fazer o rapel. Vitor começou a dar sinais de motor fervendo desde o trekking. Até pensei em fazer o rapel mas, ao invés disso, arrumei tudo para que ele fosse o mais rápido possível. Eu e João ficamos descansando. Na verdade, eu fiquei fofocando, dando risada e lembrando de provas antigas.

Terminamos o rapel praticamente na mesma hora que nosso quarteto de Aventureiros 1. Saímos quase juntos com eles, que já foram direto pela estrada principal até a Vila Ventura. Nós tentamos seguir pela trilha, mas o que lembrava dela na Carrasco não era nada bom. Fazia tanto tempo, foi no começo da minha história na Corrida de Aventura. Talvez tivesse adquirido mais habilidade pra pedalar nas pedras, talvez não tanto.

Antes mesmo de entrar na trilha, escolhemos dar a volta, e foi a melhor coisa que fizemos! Só descida em asfalto e estrada de barro. Inclusive, tivemos um pneu furado faltando 300m pra chegar na Vila.

Salvos pelo GUP. Não sei se vocês conhecem mas vale muito a pena levar nas corridas. Na Bahia Adventure Race, quando corremos de Penélopes, fomos apoiados pela marca, que nos ofereceu pequenos frascos de Smoove (lubrificante) e GUP (reparador instantâneo de pneus). O GUP é um produto selante de emergência. Você esvazia o pneu furado totalmente, depois encaixa o bico dele no pito e enche o pneu todo de vez com a própria pressão do frasco. Incrível como funciona e não se perde tempo trocando pneu.

Trecho 4- 18km de trekking com cavalgada

A Vila Ventura é uma gracinha! Lembro muito bem dela, desde a minha primeira vez lá. Bem bonitinha mesmo! Waltinho, Daniel e os cavalos estavam à nossa espera.

Meu Deus do céu!! Quem disse que aqueles cavalos estavam acostumados com aquelas trilhas? Não passava gente, imagina cavalo. Enfim... Subimos primeiro até o cemitério (PC 15) com Binha, a égua que nos acompanhou durante todo o percurso de Trekking com Cavalgada. Sim! Era esse o nome do trecho: Trekking com cavalgada, salvo nos momentos de bate e volta, em que não fosse possível levar os cavalos. Foi essa orientação no briefing.

Quem ia montar era Down mas realmente, tivemos que fazer o percurso quase todo puxando Binha, que empacava muitas vezes, escorregava, caía, pulava, dava susto na gente.

Bem que Waltinho falou que as dificuldades seriam em ordem crescente. Aquele primeiro trecho de trekking nem fez cócegas. Ali sim, os calos subiram, as panturrilhas gritaram, os quadríceps arderam e os filhos choraram sem as mães tomarem nem conhecimento. Foi divertido demais! É exatamente assim que a gente gosta.

A partir do PC 15, Roberto Carlos, o cavalo da Limonamour, ficou amigo de Binha. Compartilhamos várias situações juntos, incluindo a navegação. Fomos bastante precisos, conseguimos alcançar os PCs sem dificuldade. Seguimos a sequência pelos PCs 15, 16, 17, C, D, E, 18 e retorno para a transição.



Árvores, nascentes, tocas, cachoeiras, pinturas rupestres! Muitas subidas e descidas de pedras. As trilhas que desapareciam, cachoeiras com passagens quase instransponíveis. As equipes passavam sem cavalos, enquanto a gente lutava com nossa égua, com aquela sensação desagradável de "papel de besta", imaginando que todos estavam muito adiantados, por não terem aquele trabalho. Afinal, nossa égua só ficava amarrada quando era bate e volta.

Na subida pro PC 17, encontramos uma jararaca enorme bem no meio do caminho. Tranquila e serena, ela nem pensava em ceder passagem. Um dos meninos da Limonamour passou à frente, conseguindo livrar o caminho.

O PC D, que ficava na parte de cima de uma cachoeira, foi mais difícil de sair do que de chegar. Era quase impossível sair pela trilha sugerida sem que Binha caísse no penhasco. Até pra nós era perigoso. Procuramos demais por passagem, sem sucesso. Deu um trabalho danado! Binha quase quebrou as pernas. Se teve um momento de estresse na prova, foi esse! Quase deixamos a égua amarrada e fomos embora.

A cereja do bolo foi o PC 18. Decidimos atacar a cachoeira por cima e descer por algum lugar que não tínhamos certeza se existiria. Entretanto, pela lógica, toda cachoeira tem passagem por cima e por baixo. Veríamos na hora.

Chegando lá, era mais um penhasco! Muito alto, muito alto mesmo! A Kaaporas gritava lá embaixo e, pelo eco das suas vozes, estava muito longe. Avistamos o PC e fomos procurar um acesso pra descer. Um acesso íngreme, perigoso, cheio de pedras soltas, pedras altas que as minhas perninhas se esticavam pra alcançar. Tudo digno de uma aventura louca, numa noite de lua, com o céu todo estrelado.



Lá embaixo, encontramos Glad, Gabriel e a nossa Aventureiros 1. Gabriel avisou que Mauro tinha caído e se machucado. Tropeçou numa raiz e caiu por cima do capacete, Coisa de velho mesmo! 🤪😅 Graças a Deus que não aconteceu nada de tão grave!

Sempre na companhia da equipe de Paulo, comecei a refletir sobre um possível pega até a chegada. Eu realmente não queria que aquilo acontecesse pela minha “dificuldade” em administrar a situação. Pra mim, é uma sensação esquisita de ser amigo e concorrente ao mesmo tempo. Sei lá! Deve ser o medo de perder mesmo! Sim, medo de perder! Certamente! É bom quando se abre uma distância e ninguém se agonia. 😁

Enfim, trocamos muitas figurinhas, conversamos horrores, rimos, curtimos todo o trekking juntos. Quando chegamos na transição, descobrimos que éramos as únicas equipes que tinham chegado com todos os PCs alcançados, incluindo os opcionais. Os meninos, ligados nisso, começaram a pressão pra gente adiantar a transição. A Limonamour se adiantou e saiu. Embora não tenhamos demorado, quando saímos, a Caatinga Sempre Viva chegava do trekking. Êh bagaceira!

Trecho 5- 31km de Bike e chegada

Sabíamos que seria uma pedalada difícil mas não a mais difícil das nossas vidas, o pior empurra bike da história, o momento de xingar todos os ancestrais de Waltinho e Daniel. Na verdade, a pior foi na Malacara mas, nesse DS, tivemos o momento de trabalhar na força do ódio!

Logo nos primeiros km, encontramos a Limonamour. Na pressa, um dos seus atletas saiu sem capacete. Imagina que merda!? A criatura tá liderando a prova e esquece o capacete. Confesso que vivo praticando empatia pelo caminho. Fiquei preocupada. Mas aí eu penso que passamos na frente deles, depois eu penso que eles estão atrás da gente, aí fica uma loucura na minha cabeça. 😅😂

O começo da trilha era todo de subida de pedra. Não sei quem conseguiu pedalar ali, o que sei é que não pedalei um centímetro. Vitor nem se deu ao trabalho de calçar as sapatilhas, foi de tênis mesmo. Certamente, empurramos as bicicletas por mais de 10km.

Meu mapa sumiu em algum momento do último trekking. Procurei sem sucesso! Cheguei a sair com a imagem do mapa na cabeça com as distâncias decoradas até certo trecho. Mas vi que o combinado de Vitor navegar na bike e eu no trekking já tinha se desfeito desde o começo da prova, nos primeiros sinais de caruara. Down nem levou os óculos e avisou que iria pra curtir, sem navegar. Por fim, quando vi que a porra ia pegar pro nosso lado, catei o mapa de Vitor com toda a gentileza que me é peculiar, porque ele não conseguia administrar nem a vida dele mais, imagina a de todos nós. Seu ritmo era em câmera lenta. Parecia que estava na lua. Precisava se concentrar nele sem se preocupar com navegação. Foi um dos primeiros a avisar que, se tivesse um pega no final, não aguentaria acompanhar.

Passamos por Plínio e Maurão. Encontramos Glad e Gabriel no PC 20 e percebemos que as luzes da Limonamour estavam próximas. Gente, que situação!! Só de escrever agora tive descargas de adrenalina. Fomos alcançados e chegamos no asfalto juntos!

Pra começar o asfalto, uma ladeira ridícula pra subir! Mas a sensação era de que tinha chumbo nas minhas pernas, além disso, a bicicleta parecia pesar 20kg. Estávamos todos exaustos! Vitor, ainda de tênis, parecia melhorar um pouco e eu ficava pra trás invariavelmente.

Lila passava voando baixo por mim nas ladeiras, que foram umas 3 ou 4 mais chatinhas. Ainda conversamos um pouco, compartilhei minha água com Paulo Marcelo e comecei a ter uns insights. Não sei o que aconteceu comigo. Foi uma sequência de acontecimentos e pensamentos, tudo ao mesmo tempo.

- Lembrei de Maurício, nosso parceiro mais forte, que tinha ficado de fora da prova. Daí, perguntei a Down se ele não ia me empurrar mas a resposta foi desanimadora. Ele disse que não aguentava nem se carregar.

- Lembrei dos nossos pegas nos treinos na Estrada do Coco, que a gente faz todas as vezes que sai da trilha de Areias. Resolvi travar a suspensão. Sempre me sinto mais leve quando travo no asfalto.

- Passou por minha cabeça que talvez fosse o momento de enfrentar a situação e encontrar um gás, que não sabia de onde sairia. Perguntei a Down se ele sabia exatamente como chegar na entrada da cidade. Quando ele disse sim, guardei o mapa, comi um pedaço de bananinha e bebi uma aguinha.

- Down começou a me empurrar do nada! A força dele voltou. 🚵

- Vitor parou no meio da estrada pra colocar as sapatilhas, ao mesmo tempo que um dos atletas da Limonamour passou a rebocar o outro com uma corda. Deve ter sido a mudança de calçado mais rápida que Vitor fez na vida dele. Quando vi, já estava do meu lado. E olha que ele foi o primeiro a dizer, lá atrás, que não tinha condições de fazer pega na chegada. 😂😂😂

- Nos primeiros empurrões, minha energia ressurgiu das cinzas e já não precisei mais de ajuda. Esqueci que não gostava de embates finais. Alguma coisa em mim, insistia em lembrar de que sempre pedalei tão forte quanto os meus parceiros no asfalto, exceto na época da anemia que durou alguns meses de perrengue.

Fomos pedalando juntos, aumentando a velocidade nos últimos km de prova e distanciando deles de um jeito que não havia como nos alcançarem. Enfim, chegamos à cidade e cruzamos a linha de chegada em primeiro lugar no Desafio dos Sertões!

Waltinho estava à nossa espera.

Finalmente, Lu! – Ele disse.

E eu concordei! Finalmente ganhamos uma prova em quarteto, depois de tantos anos de Corrida de Aventura. Finalmente, superei e expandi mais um pouco dos meus limites. Pois é! Tive uma sensação genuína de merecimento, sem falsa modéstia e sem deixar de valorizar os nossos amigos “adversários”.

Paulo Marcelo e toda a equipe deram um show! Todos são muito fortes, Paulo é um excelente navegador e, especialmente, Lila é muito forte e determinada! Adoro ver as mulheres botando pra quebrar na Corrida de Aventura! Parabéns, equipe!!!

Down é um farejador de trilha danado! Mesmo com o joelho bichado, parece aqueles coelhinhos da Duracel, que a bateria nunca acaba. Não para quieto, bicho retado! Valeu por aceitar nosso convite de última hora, amigo. Amei correr com você!

Foi lindo o que fizemos lá! Nossa vitória foi fruto da nossa maturidade, trabalho em equipe e lastro. Nossa sintonia é tão legal que a gente não precisa de muitas palavras. E Down se encaixou direitinho na viagem que é ser Aventureiros do Agreste!

Joãozinho, meu filho, tu tem cabeça de vencedor. Sempre achei, vivo a dizer!

Vitor foi um guerreiro! Suportou a bagaceira toda, teve ânsia de vômito o tempo todo, ainda assim, manteve o foco até o final.

Waltinho, Dan e equipe, o Desafio dos Sertões é único! Tem história, bagagem, padrão de qualidade e não deve em nada a qualquer prova de qualquer lugar. Vocês botam pra quebrar e sabem exatamente do que a gente precisa. A gente já vai, sabendo que não vai ter moleza!

Parabéns a todos os atletas que encararam esse Desafio incrível!

Obrigada pelo fim de semana e até a próxima!

PS: Meu agradecimento super especial aos nossos anfitriões: Isabele e Edgard, por receber nós sete. Eu sigo amando vocês e desejando tudo de belo nessa vida! 😍


Comentários

Paulo Marcelo disse…
Obrigado pela parceria! Nossa navegação no trekking dos cavalos foi muito eficiente. A gente começou em 4o e 5o e terminamos antes dos outros. A gente achava que no pedal no asfalto passaria fácil de vocês: ledo engano! Vocês pedalaram muito! Obrigado pela água! Ajudou a terminar bem a prova. E parabéns!!! Vocês mereceram! Na corrida de aventura, não temos adversários, temos amigos. Foi bom compartilhar com os Aventureiros boa parte das trilhas!!!
Ricardo Ferreira disse…
Muito bom…Parabéns, Aventureiros ����������������������������
Unknown disse…
Parabéns! Estavam bem focados e tudo fluiu muito bem. Adoro as resenhas.

Postagens mais visitadas deste blog

Desafio dos Sertões 2023- 140km

  Que o Sertão é um dos lugares mais inóspitos à sobrevivência humana, a gente já sabe! Que você precisa ser forte pra enfrentar a caatinga, ter resiliência, coragem, foco, determinação, também. Que o Rio São Francisco é um gigante que impõe, acima de tudo, reverência, sabemos. Querer ir lá pra experimentar tudo isso e ainda gostar, é outra história! E lá estávamos nós, no Desafio dos Sertões, nos 140km de aventura, entre mountain bike, trekking, natação, canoagem, tudo com navegação com mapa e bússola.  Nos últimos tempos, temos alternado bastante os atletas da equipe, menos eu e Mamau, que somos fominhas de prova. Mas, brincadeiras à parte, Vitor e João estão afastados por questões pessoais. Então, Lucas, nosso novinho da Turma 12 da Escola de Aventura, continuou com a gente, depois da Carrasco. Além disso, Arnaldo, da Olhando Aventura, veio fechar o quarteto, reforçando nosso time com sua experiência. Reunimos, alinhamos objetivos, organizamos a tralhas e partimos pra Juazeiro

UTCD 2023- 80km

   Não tenho um pingo de vergonha na cara. Da última vez que fiz a Ultra Trail Chapada Diamantina (UTCD), disse que machucava muito os pés e que preferia fazer Corrida de Aventura… Como se Corrida de Aventura machucasse menos. 😂    Esse ano, eu corri todas as provas do Campeonato Baiano de Corrida de Aventura, menos a Expedição Mandacaru, porque estou envolvida na organização. Então, pra fechar com chave de ouro o meu ano esportivo e comemorar meus 52 anos, decidi correr a UTCD.     Tudo bem! Eu amo correr, mas precisava ser 80km? Aí é que vou contar pra vocês…    Já que eu estava indo e já tinha feito 50km, decidi me desafiar nos 80. Fiz minha inscrição e ainda joguei minha filha no bolo, nos 35km, que depois ela mudou pra 14, por que não estava com tempo pra treinar o suficiente. Eu queria brincar o brinquedo todo!    Depois de um fim de semana de muito movimento na Expedição Mandacaru, lá estávamos nós, na semana seguinte, acampados em Mucugê, de mala e cuia, com boa parte da famíl

Malacara Race 2023- 500km PARTE 1

  Foto: @luiz_fabiano_ibex O que preciso fazer pra ir correr na Malacara? A logística pra enfrentar um desafio como esses é extremamente complexa. Envolve sua vida toda, trabalho, família, parentes e aderentes. A vida dos meus filhos tem que estar toda organizada, preciso tirar férias, tomar mil providências... Nessa lista vem inscrições, passagens, equipamentos, alimentação, agasalhos, uniformes. Coisa doida!😎 A Malacara Race fez parte do Circuito Mundial de Corrida de Aventura, seguindo todas as regras com rigor, principalmente, no que se referiu à conferência de equipamentos. Muita coisa já tínhamos, outras, precisamos providenciar.  Quando eles liberaram o guia com a logística da prova, conseguimos saber quantos estágios seriam, ter ideia da previsão de duração de cada um, o que levaríamos de alimentos, o que encontraríamos quando acabasse cada estágio. Mesmo com toda organização, a cabeça dá um nó. Tive momentos de ficar parada na frente de tanta comida, sem saber o que faz