Pular para o conteúdo principal

Corrida de Orientação- Uhuuuuu!

Que saudade de escrever! Essa falta de tempo está me deixando quase em depressão. Mas, é quase, viu?! Estou me organizando...
Então vou ter que ir postando minhas aventuras aos poucos para não ficar cansativo...
Estava quase em depressão (quase!) quando, finalmente, chegara hora de respirar ar puro.
Berimbau, 20 de maio de 2012, segunda Etapa do Campeonato Baiano de Orientação. O resultado da primeira foi um inexpressivo 4º lugar. (Desculpem se pareço competitiva mas, é que sou mesmo... Controlada para não assustar meus amigos, rs!) E pensava em compensar o resultado ruim nessa etapa. Pena que estive muito gripada e ainda estava no dia da prova. Que chato! Vivia me gabando que não pegava gripe e tive uma atrás da outra esse ano.
Sinceramente, pensei em não ir umas 3 vezes. Só que inscrevi Xuxu (pai dos meus filhotes) e Tiago (meu filhote) para correrem em dupla. E tinha me comprometido com a Equipe pela qual estou correndo esse ano, a Carcará. Não sei porque motivo, achava que tinha que ir mesmo e pronto, fui!
Depois de todos os abraços apertados, esperava minha hora de largar. Da minha categoria, só Dejanir sairia depois de mim. Ótimo pra mim, se não estivesse gripada! Gosto de largar por último.
Nas considerações pré-largada, o organizador deu um pequeno aviso:
“Depois de chover a noite inteira, o que era de grau de dificuldade 3, virou grau 7.”
E a galera foi ao delírio! Nada melhor do que um grau 7 de dificuldade para apimentar uma Corrida de Orientação.. RS! Então larguei, sabendo que seria muito divertido!
Os dois primeiros prismas foram bem tranquilos de achar! Terreno plano, vegetação rasteira e fácil de enxergar tudo. O terceiro prisma estava dentro de um canavial. Mesmo contando passo, não achei de primeira e voltei para refazer o percurso duas vezes. Foi quando encontrei Dejanir, aliás, ela me encontrou. Dali então, a coisa começou a ficar animada!
Do prisma 3, dava pra azimutar e sair rasgando pelo canavial até o 4. (É rasgando mesmo que a gente fala! Mas, não corta o mato não, nem leva facão, tá?!...). Do jeito que fui, não tinha jeito do prisma fugir de mim. Estava pendurado numa árvore singela. Eu e Deja ficamos próximas em quase toda a prova, a partir dali.
Meu corpo começou a esquentar e os sintomas da gripe foram melhorando à medida que alcançava meus tesouros (os prismas).
O prisma 5 estava numa árvore mais gordinha e deve ter sido o último dos que estavam localizados em lugar plano. Daí em diante, meus amigos, foi só “ladeira abaixo” e “ladeira acima”. Era cada ribanceira de acabar com o caboclo! E eu aaaadorooooo ladeira! Gosto e subo com vontade, gritando uhuuu, com gosto de gás e a faca entre os dentes! Pegava os prismas numa vontade que nem conto.
Ladeira abaixo para alcançar o prisma 7, que estava num córrego. Lá embaixo mesmo. Putz! Ladeira acima para o 8, uma delícia! Minha respiração estava uma beleza! O nariz desentupiu em legítima defesa, senão estaria caída por lá até hoje... E o tênis já parecia uma bota, de tanta lama!
Só a título de curiosidade, minha última aparição no mato foi na Peleja. Tenho crise de abstinência quando demoro muito de correr. A gripe realmente não incomodava mais e eu estava numa felicidade que não cabia em mim. Olhava o verde, as árvores, os bichos. Pulava as cercas toda animada!
Acabamos encontrando outra competidora da nossa categoria no caminho, a Carol. Não sei quem jogou Carol na Elite! Ela estava meio perdidinha mas, leva jeito e daqui a uns dias estará afiada, tenho certeza disso! Eu sou “macaca velha” e até hoje tomo porrada de prisma. Mas, acho que melhorei bastante de quando comecei pra cá. 
Depois de muito subir e descer, empacamos por um curto intervalo de tempo no prisma 11. Minha cabeça deu um “nó cego”, que tratei de desatar rapidinho.
Pegamos o prisma 11 em grupo e seguimos para o 12 sem demora. Gente! Carol escorregava tanto na ladeira que parecia que estava numa esteira de academia, RS! Não tinha como não rir. Todos escorregavam muito. O terreno estava muito molhado!
E muitas outras ladeiras vieram e muitos prismas também. E muitos escorregões.
Eu tomei uma queda inacreditável! Tenho a impressão de que jogaram um caldo de quiabo naquela ladeira. Sorte que corro de luvas e fico mais ousada por esse motivo. Escorreguei pra cair de bumbum, meu pé virou e acabei caindo fazendo apoio no chão. O corpo foi tão reto ao chão que sujou de lama por inteiro. Nem sei como fiz aquilo mas, era tudo o que eu precisava para chegar triunfante, RS! Parecia um pinto no lixo! Toda suja de lama e com o tênis parecendo uma bota. Parecia uma criança que tinha acabado de brincar lá fora!!
E nessa brincadeira, depois de muita subida e descida e de 21 prismas, o resultado foi melhor do que esperado. Acabei pegando um pódium bastante despretencioso de terceiro lugar. Pena que não pude esperar a hora da premiação, principalmente para prestigiar as outras meninas que tiveram merecidos resultados.
Independente do resultado, o que mais gosto, além de competir, é respirar ar puro! Voltei curada e feliz por não ter perdido a festa! Adorei a prova! Eu quero mais lama! Quero grau 10! Uhuuuuuu!
Os organizadores das Corridas de Orientação estão se superando a cada dia na excelência das provas! Muito bom mesmo! Quer se divertir? Vá fazer Corrida de Orientação!

Comentários

Anônimo disse…
Nada mais próximo da execução de um percurso de orientação que um comentário seu. Mato a saudade das pistas neles.

Um abraço

Freitas
Luciana disse…
Que honra a sua visita! Desejo-lhe muitas aventuras pela vida afora! Outro abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

Desafio dos Sertões 2023- 140km

  Que o Sertão é um dos lugares mais inóspitos à sobrevivência humana, a gente já sabe! Que você precisa ser forte pra enfrentar a caatinga, ter resiliência, coragem, foco, determinação, também. Que o Rio São Francisco é um gigante que impõe, acima de tudo, reverência, sabemos. Querer ir lá pra experimentar tudo isso e ainda gostar, é outra história! E lá estávamos nós, no Desafio dos Sertões, nos 140km de aventura, entre mountain bike, trekking, natação, canoagem, tudo com navegação com mapa e bússola.  Nos últimos tempos, temos alternado bastante os atletas da equipe, menos eu e Mamau, que somos fominhas de prova. Mas, brincadeiras à parte, Vitor e João estão afastados por questões pessoais. Então, Lucas, nosso novinho da Turma 12 da Escola de Aventura, continuou com a gente, depois da Carrasco. Além disso, Arnaldo, da Olhando Aventura, veio fechar o quarteto, reforçando nosso time com sua experiência. Reunimos, alinhamos objetivos, organizamos a tralhas e partimos pra Juazeiro

UTCD 2023- 80km

   Não tenho um pingo de vergonha na cara. Da última vez que fiz a Ultra Trail Chapada Diamantina (UTCD), disse que machucava muito os pés e que preferia fazer Corrida de Aventura… Como se Corrida de Aventura machucasse menos. 😂    Esse ano, eu corri todas as provas do Campeonato Baiano de Corrida de Aventura, menos a Expedição Mandacaru, porque estou envolvida na organização. Então, pra fechar com chave de ouro o meu ano esportivo e comemorar meus 52 anos, decidi correr a UTCD.     Tudo bem! Eu amo correr, mas precisava ser 80km? Aí é que vou contar pra vocês…    Já que eu estava indo e já tinha feito 50km, decidi me desafiar nos 80. Fiz minha inscrição e ainda joguei minha filha no bolo, nos 35km, que depois ela mudou pra 14, por que não estava com tempo pra treinar o suficiente. Eu queria brincar o brinquedo todo!    Depois de um fim de semana de muito movimento na Expedição Mandacaru, lá estávamos nós, na semana seguinte, acampados em Mucugê, de mala e cuia, com boa parte da famíl

Malacara Race 2023- 500km PARTE 1

  Foto: @luiz_fabiano_ibex O que preciso fazer pra ir correr na Malacara? A logística pra enfrentar um desafio como esses é extremamente complexa. Envolve sua vida toda, trabalho, família, parentes e aderentes. A vida dos meus filhos tem que estar toda organizada, preciso tirar férias, tomar mil providências... Nessa lista vem inscrições, passagens, equipamentos, alimentação, agasalhos, uniformes. Coisa doida!😎 A Malacara Race fez parte do Circuito Mundial de Corrida de Aventura, seguindo todas as regras com rigor, principalmente, no que se referiu à conferência de equipamentos. Muita coisa já tínhamos, outras, precisamos providenciar.  Quando eles liberaram o guia com a logística da prova, conseguimos saber quantos estágios seriam, ter ideia da previsão de duração de cada um, o que levaríamos de alimentos, o que encontraríamos quando acabasse cada estágio. Mesmo com toda organização, a cabeça dá um nó. Tive momentos de ficar parada na frente de tanta comida, sem saber o que faz