Pular para o conteúdo principal

Bastidores: O trekking virou corrida!

   A cada dia a Escola de Aventura  do Agreste nos proporciona mais vontade de fazer mais e melhor.
   Hoje eu vou contar do segundo dia- O trekking noturno.
   Era pra ser um treino noturno, aquela coisa de testar a iluminação pra ver se presta. Corredor de aventura gosta de se desafiar e de colocar os outros no mau caminho. No bom sentido, é claro!
   Nosso tempo pra fazer essas coisas é muito pequeno! A Escola é por amor mesmo, senão não dava não. Queremos muito que nosso esporte cresça, tenha muitos atletas e seja cada vez mais reconhecido. Quanto mais gente melhor!
   Esse tempo curto fez com que só pudéssemos resolver tudo do treino noturno naquele dia. Quase tudo, porque tudo de papel estava pronto, faltava ir lá pra ver se o mapa era compatível com a realidade e marcar os PCs com GPS. Então, depois do almoço, corri com Vitor pra tomar aquele sol na praia... e marcar uns PCs pra nossos atletas. Eram dois PCs pra eles encontrarem rapidinho mas pensamos bem e resolvemos marcar mais quatro pra brincadeira ficar mais gostosa. Daí tivemos outra ideia: formar duplas, fazer uma largada, hum... Corremos pra casa pra conferir o mapa com os pontos do GPS.
   Tadeu chegou! Checamos tudo, imprimimos os mapas e já estava na hora de voltar pra colocar as placas, meu Deus! Que correria! Já não dava tempo de Vitor ir junto (alguém tinha que esperar os atletas), então fui eu e Tadeu pra colocarmos os prismas e já ficar por lá mesmo, nos PCs 1 e 5. Putz! Fiz o percurso duas vezes, suei loucamente pra terminar antes de escurecer e ficar no meu ponto antes de 18h, que era o horário combinado.
Enquanto isso...
   Levei lanche e água. A noite caiu, junto com uma chuva leve. O vento resolveu assanhar meus cabelos e me matar de frio. Pois é! Não levei o anorak, e essa largada não começava nunca. A turma pegou o engarrafamento de sexta-feira, o briefing demorou, rolou uma aula de plastificação de mapa "na tora", e esse povo não queria desgrudar do mapa pra largar. Que povo é esse!? Enquanto isso, eu e Tadeu tremíamos de frio.
E eles lá.
   Um segurança do Condomínio próximo tentou me ajudar. Disse que eu poderia ficar no abrigo deles até a chuva passar. Mas todo mundo sabe que, se o PC é ali, não poderia ir pra outro lugar. Então já sabe, fiquei lá. Só pedi um saquinho de supermercado pra não dissolver minha planilha na chuva.
   Umas 19:20h, vem uma luzinha balançando. Uma só! Era Mauro com um saco plástico de 100 litros pra eu me vestir. Coisa de Aventureiro do Agreste. Já fizemos muito isso nas provas. A gente sempre ri muito dessas maluquices mas funciona que é uma beleza! Basta abrir três buraquinhos para braços e pescoço e está pronto o anorak super estiloso!
   E nossos atletas só começaram a aparecer pelo PC 1, lá pelas 7:40h. Todo mundo embolado, correndo com a faca entre os dentes, numa animação danada! Àquela altura, minhas letras apareciam irreconhecíveis na planilha, de tanta tremedeira. Mas, com a passagem de cada um deles, meu sangue começou a esquentar nas veias. Sentia uma animação que parecia que estava correndo junto com eles. Quando passou a última dupla, corri em direção ao PC5 pra encontrar Tadeu e tentar ajudar a quem porventura precisasse de ajuda. Liguei pra saber o que Vitor achava... Ele me disse que não precisava.  A primeira dupla já saía do PC 5. Eles estavam voando, não precisavam de mim, sem dúvida alguma!
   Fui pra o PC 6, perto da chegada, onde Gabi já se posicionava. Que corrida emocionante!!! A galera estava levando à sério mesmo!
   A primeira dupla chegou em menos de 45 minutos, no percurso de quase 6 km com navegação. Precisavam ver a cara deles. Pareciam crianças que acabavam de chegar do parquinho. Eufóricos, sorridentes, olhos brilhando junto com as lanternas. 
   Tem sido pra nós uma experiência muito rica, um aprendizado constante, uma felicidade grande compartilhar com essa turma tanta coisa boa.
   Depois eu vou contar do nosso treino de bike também.
   Um beijo grande!


Comentários

Lucy disse…
Maaaaaaasssaa!!! Deve ter sido muuuuuito bom! Bj Lulu. E que a Escola cresça e proporcione mais momentos como esse!
Anônimo disse…
Luciana, muito legal seu relato. Apesar de ter sido outro dia mas já deu saudade. Particularmente acho que a escola está sendo um sucesso. Compartilho todas as publicações e já tem colegas meus interessados.
Ansioso para nosso último dia com a mini corrida.
Renato Nascimentos.
Luciana disse…
Vocês são o sucesso, Renato! Cada encontro é mais rico do que o outro e nós só ganhamos muito com isso. Um abraço bem apertado pra você!
Unknown disse…
Esse dia para mim que tive o privilégio de ser um dos participantes, foi sem sombra de dúvidas sensacional!!!! Quando terminou deu vontade de fazer de novo... Kkkkk

Postagens mais visitadas deste blog

Desafio dos Sertões 2023- 140km

  Que o Sertão é um dos lugares mais inóspitos à sobrevivência humana, a gente já sabe! Que você precisa ser forte pra enfrentar a caatinga, ter resiliência, coragem, foco, determinação, também. Que o Rio São Francisco é um gigante que impõe, acima de tudo, reverência, sabemos. Querer ir lá pra experimentar tudo isso e ainda gostar, é outra história! E lá estávamos nós, no Desafio dos Sertões, nos 140km de aventura, entre mountain bike, trekking, natação, canoagem, tudo com navegação com mapa e bússola.  Nos últimos tempos, temos alternado bastante os atletas da equipe, menos eu e Mamau, que somos fominhas de prova. Mas, brincadeiras à parte, Vitor e João estão afastados por questões pessoais. Então, Lucas, nosso novinho da Turma 12 da Escola de Aventura, continuou com a gente, depois da Carrasco. Além disso, Arnaldo, da Olhando Aventura, veio fechar o quarteto, reforçando nosso time com sua experiência. Reunimos, alinhamos objetivos, organizamos a tralhas e partimos pra Juazeiro

UTCD 2023- 80km

   Não tenho um pingo de vergonha na cara. Da última vez que fiz a Ultra Trail Chapada Diamantina (UTCD), disse que machucava muito os pés e que preferia fazer Corrida de Aventura… Como se Corrida de Aventura machucasse menos. 😂    Esse ano, eu corri todas as provas do Campeonato Baiano de Corrida de Aventura, menos a Expedição Mandacaru, porque estou envolvida na organização. Então, pra fechar com chave de ouro o meu ano esportivo e comemorar meus 52 anos, decidi correr a UTCD.     Tudo bem! Eu amo correr, mas precisava ser 80km? Aí é que vou contar pra vocês…    Já que eu estava indo e já tinha feito 50km, decidi me desafiar nos 80. Fiz minha inscrição e ainda joguei minha filha no bolo, nos 35km, que depois ela mudou pra 14, por que não estava com tempo pra treinar o suficiente. Eu queria brincar o brinquedo todo!    Depois de um fim de semana de muito movimento na Expedição Mandacaru, lá estávamos nós, na semana seguinte, acampados em Mucugê, de mala e cuia, com boa parte da famíl

Malacara Race 2023- 500km PARTE 1

  Foto: @luiz_fabiano_ibex O que preciso fazer pra ir correr na Malacara? A logística pra enfrentar um desafio como esses é extremamente complexa. Envolve sua vida toda, trabalho, família, parentes e aderentes. A vida dos meus filhos tem que estar toda organizada, preciso tirar férias, tomar mil providências... Nessa lista vem inscrições, passagens, equipamentos, alimentação, agasalhos, uniformes. Coisa doida!😎 A Malacara Race fez parte do Circuito Mundial de Corrida de Aventura, seguindo todas as regras com rigor, principalmente, no que se referiu à conferência de equipamentos. Muita coisa já tínhamos, outras, precisamos providenciar.  Quando eles liberaram o guia com a logística da prova, conseguimos saber quantos estágios seriam, ter ideia da previsão de duração de cada um, o que levaríamos de alimentos, o que encontraríamos quando acabasse cada estágio. Mesmo com toda organização, a cabeça dá um nó. Tive momentos de ficar parada na frente de tanta comida, sem saber o que faz