Pular para o conteúdo principal

Penélopes na Maratona de Canoagem 2012

   Brasil Wild Maratona de Canoagem de Paulo Afonso de 21 de janeiro, 55km no Rio São Francisco.
Penélopes- Luciana Freitas e Gabriella Carvalho.
   Nos dois meses que antecederam a prova, enrolamos mais do que treinamos! As duas enroladas com filhos, trabalhos, casa, lesão de tornozelo.. Mesmo assim, a ousadia de uma Penélope é muito mais forte do que tudo nessa vida! Fomos mesmo!
   As dificuldades já começaram antes da prova. A dupla masculina (Tadeu e Ígor) que viajaria com a gente, desistiu de última hora. Ficamos sem companhia e sem hospedagem, já que isso seria resolvido pelos rapazes. No final das contas viajamos sozinhas no meio da tarde. Conversamos tanto que nem percebemos o tempo passar. Era quase meia noite quando chegamos a Paulo Afonso, no apagar das luzes da entrega dos kits dos atletas. Sorte que tinha vaga no hotel da organização! Daria tanto trabalho procurar hospedagem àquela hora!
   Éramos a única dupla feminina a fazer os 55 km. Sim! Fomos pra curtir, conversar, encontrar os amigos, fazer terapia... e fazer a prova toda, é claro! Era só completar para ficar em primeiro. Detalhe que havia uma imposição de tempo de corte, onde deveríamos chegar numa tal ilha localizada no km 30, em até 5 horas de prova, dar a volta pela “dita cuja” e retornar pelo mesmo caminho até a chegada. Ou seja, passou da hora estaríamos fora da prova. Então pensamos que, remando a 6 km/h a coisa dava sem sobra mas, dava.
   Lembrei do Brasil Wild Extreme, minha primeira prova de 600km. A largada foi no mesmo lugar e a adrenalina muito parecida. Aquela hidroelétrica do Rio São Francisco é suntuosa! O rio é imponente e exige respeito! Logo na largada, tem uma trama de redemoinhos perseguidores de caiaques que viram quase todos os barcos. Puxam tudo o que aparece pela frente!
   Durante nossa descida para o ponto da largada, avaliamos a melhor maneira de passar pelos redemoinhos e decidimos passar pelo lado direito. Ali no cantinho, ficamos um bom tempo rindo e conversando com amigos queridos de longas datas. O helicóptero resolveu aparecer, com um atraso de mais de 40 minutos, quando foi dada a largada. Aqui pra nós, largada sem um helicóptero não tem a mesma chiquêza!
   Ficou difícil concentrar para não virar o caiaque naquela confusão de barcos se batendo. Muitos atletas já caíam no rio e a gente remava forte pra fugir dos redemoinhos. Era gente gritando por todo lado. Cada vez que nosso caiaque batia com outro, o redemoinho tragava a gente. Gabi gritava muito! O Velho Chico já estava impondo respeito na saída da prova. Pensei que viraríamos o barco várias vezes. Cada segundo parecia muito tempo! O resgate estava ali. Tivemos sorte, força e ajuda Divina pra sair de lá sem tomar um caldo. E os gritos de Gabi ajudaram de verdade, rs! É sério!
   Depois dessa confusão toda, coisas acalmaram um pouco. Naquele começo, tudo estava belezinha! Ficamos no meio do bolo, junto com os atletas que fariam 8 km. Depois, eles foram embora, nós continuamos. O sofrimento estava garantido. Mesmo assim, daríamos tudo de nós pra concluir a prova. Conversamos pouco e cuidamos de imprimir o mesmo ritmo de remada pra manter a velocidade constante. Só que o Velho Chico não é um rio tão fácil de navegar. Dentro daqueles cânions imponentes, o vento vinha com tanta força que formava ondas e empurrava o barco pra trás. Tão forte que virava o barco de lado. Eu tinha que remar e fazer o leme com uma força que me desgastava muito. O lado bom é que estou ficando craque no leme! Imaginem que não deixamos o barco virar no redemoinho e, mesmo fazendo uma força miserável, conseguia manter o barco na rota certa. Gabi me ajudava bastante! Sempre foi a nossa melhor remadora! Mesmo assim, a coisa estava pesada!
   Determinadas a cumprir o tempo de prova, comemos bastante na largada, e combinamos de tomar um gel de carboidrato com 2:30h de prova e só comer um sanduíche quando chegásemos na ilha.
   Quando o vento dava uma trégua, o barco deslizava que era uma beleza! A gente botava mais força pra navegar mais rápido. Só que isso demorava pouco. Era só falar que estava melhor que o Velho Chico mandava o vento soprar outra vez. Eu e Gabi ficamos muito concentradas mesmo. As duplas Maurão e Pugliese e Arnaldo e Hélio nos alcançaram, conversaram pouco e passaram por nós.
   Lá pelo km 10, doíam braços e ombros. No km 15 doíam punhos, mãos e dedos.  No 20 doíam as costas e os calos pipocavam pelos dedos afora. Bom! No km 25, doíam as sobrancelhas, cílios e até mesmo a alma. Sonhávamos com aquela tal ilha, onde faríamos a volta para retornar à chegada. Só que o diacho da ilha parecia que se afastava. Começamos a passar pelas duplas que retornavam e cada um dizia que faltava uma distância diferente.
   Quanto sofrimento! Na virada para fecharmos o km 30, apareceu o barco da organização... O tempo de prova estava esgotado e o catamarã viria recolhendo todas as duplas. Oh! Só 30km! Seríamos recolhidas da prova, rs! Então, eu e Gabi resolvemos dar meia volta e remar até o barco aparecer. Só que minhas lombrigas já estavam desesperadas por comida, esperando o tão sonhado sanduíche. Eu tinha prometido sanduíche pra elas. Pôxa! Já eramos o material de coleta mesmo! Então paramos para o piquenique. O sanduíche de queijo com salame que fizemos no café da manhã do hotel estava inteiro, seco e gostoso!
   Uma lancha massa veio nos resgatar! Lá dentro já estavam vários amigos na mesma situação. O pessoal do programa adrenalina acabou sendo resgatado junto com a gente porque o barco deles quebrou. Todos foram entrevistados. Apareceu quentinha com comida, sanduíche, coca-cola e outros rangos. O detalhe era que a lancha teria que acompanhar quem estivesse remando por último. Então resolveram nos transferir para o catamarã.
   Quando a lancha encostou no catamarã, percebemos uma movimentação danada. Nem percebemos que aquele rebuliço todo era porque estávamos ali. RS! Os repórteres queriam entrevistas. As Penélopes não terminaram a prova, mas fizeram o maior sucesso. Na boa! Eu preferia terminar do que ser celebridade. Aliás, nós preferíamos! Entretanto, na falta de escolha, fomos dar entrevistas.
   No final das contas, fizemos um belo passeio de catamarã pelo Rio São Francisco. De graça, diga-se de passagem, pudemos apreciar aquela maravilha da natureza. E ainda tivemos a oportunidade de dar tchauzinho pra vários amigos no caminho e aplaudir as equipes que chegavam no momento em que o catamarã encostava.
   A lição que aprendemos nessa história toda é que o nosso esporte é muito sofrido, mesmo com treino! Então, se for sem treinar, já sabe! Vai se lenhar e corre o risco de sofrer corte. Fazer o que!? Negar que me diverti muito.. impossível! Ainda jantamos e curtimos com os amigos, aproveitamos o movimento da cidade e fizemos ótima viagem de volta, planejando a Maratona de Canoagem de 2013 de um jeito bem diferente!

Comentários

Ni disse…
Canoagem 2013? Tô dentro. É só marcar....
Luciana disse…
Uepaaa! Que notícia massa! Vamos remar!! Obrigada por participar dessas conversas doidas do blog! Beijos, amiga!

Postagens mais visitadas deste blog

Desafio dos Sertões 2023- 140km

  Que o Sertão é um dos lugares mais inóspitos à sobrevivência humana, a gente já sabe! Que você precisa ser forte pra enfrentar a caatinga, ter resiliência, coragem, foco, determinação, também. Que o Rio São Francisco é um gigante que impõe, acima de tudo, reverência, sabemos. Querer ir lá pra experimentar tudo isso e ainda gostar, é outra história! E lá estávamos nós, no Desafio dos Sertões, nos 140km de aventura, entre mountain bike, trekking, natação, canoagem, tudo com navegação com mapa e bússola.  Nos últimos tempos, temos alternado bastante os atletas da equipe, menos eu e Mamau, que somos fominhas de prova. Mas, brincadeiras à parte, Vitor e João estão afastados por questões pessoais. Então, Lucas, nosso novinho da Turma 12 da Escola de Aventura, continuou com a gente, depois da Carrasco. Além disso, Arnaldo, da Olhando Aventura, veio fechar o quarteto, reforçando nosso time com sua experiência. Reunimos, alinhamos objetivos, organizamos a tralhas e partimos pra Juazeiro

UTCD 2023- 80km

   Não tenho um pingo de vergonha na cara. Da última vez que fiz a Ultra Trail Chapada Diamantina (UTCD), disse que machucava muito os pés e que preferia fazer Corrida de Aventura… Como se Corrida de Aventura machucasse menos. 😂    Esse ano, eu corri todas as provas do Campeonato Baiano de Corrida de Aventura, menos a Expedição Mandacaru, porque estou envolvida na organização. Então, pra fechar com chave de ouro o meu ano esportivo e comemorar meus 52 anos, decidi correr a UTCD.     Tudo bem! Eu amo correr, mas precisava ser 80km? Aí é que vou contar pra vocês…    Já que eu estava indo e já tinha feito 50km, decidi me desafiar nos 80. Fiz minha inscrição e ainda joguei minha filha no bolo, nos 35km, que depois ela mudou pra 14, por que não estava com tempo pra treinar o suficiente. Eu queria brincar o brinquedo todo!    Depois de um fim de semana de muito movimento na Expedição Mandacaru, lá estávamos nós, na semana seguinte, acampados em Mucugê, de mala e cuia, com boa parte da famíl

Malacara Race 2023- 500km PARTE 1

  Foto: @luiz_fabiano_ibex O que preciso fazer pra ir correr na Malacara? A logística pra enfrentar um desafio como esses é extremamente complexa. Envolve sua vida toda, trabalho, família, parentes e aderentes. A vida dos meus filhos tem que estar toda organizada, preciso tirar férias, tomar mil providências... Nessa lista vem inscrições, passagens, equipamentos, alimentação, agasalhos, uniformes. Coisa doida!😎 A Malacara Race fez parte do Circuito Mundial de Corrida de Aventura, seguindo todas as regras com rigor, principalmente, no que se referiu à conferência de equipamentos. Muita coisa já tínhamos, outras, precisamos providenciar.  Quando eles liberaram o guia com a logística da prova, conseguimos saber quantos estágios seriam, ter ideia da previsão de duração de cada um, o que levaríamos de alimentos, o que encontraríamos quando acabasse cada estágio. Mesmo com toda organização, a cabeça dá um nó. Tive momentos de ficar parada na frente de tanta comida, sem saber o que faz