Pular para o conteúdo principal

CAMBO 2014.1


   O Campeonato Baiano de Orientação estava cheio de Aventureiros do Agreste novos, velhos e jurássicos. Todos numa animação só! 
   Antes da largada conversamos muito sobre navegação com os novatos. Orientação não é igual a Corrida de Aventura. O mapa é mais detalhado, o tempo é curto, não dá pra planejar nada, riscar e rabiscar o mapa, anotar azimute. A estratégia é definida ao mesmo tempo em que as coisas acontecem. Mas, a essência do esporte é a mesma. Tem que jogar limpo, respeitar o coleguinha, passar por todos os prismas, ouvir o apito do chip. Não pode querer ganhar sem ter pegado todos os prismas. Não vale querer mudar a classificação, nem subir no pódio se seu extrato estiver escrito “desclassificado”. Ninguém vai lhe proteger. 
   Por falar em desclassificado, esse é um medo que sempre tive desde que comecei a correr em 2005. Aquele papel que a gente grampeava no prisma (o SICARD é coisa nova!) teimava em voar da minha mão, rs! Já voltei um trecho enorme pra procurar. Já fui desclassificada. Também já fiquei perdida até acabar a premiação e recolherem os prismas, rs! Tudo pode acontecer! Na primeira vez que levei Vitor, cheguei mais de uma hora depois da última atleta antes de mim. Aprendizado, rs! E olhe que já era considerada experiente. Algumas vezes, a experiência nos trai. 
   As outras meninas da minha categoria já deveriam estar bem longe, talvez perto de terminar a prova, quando parti no minuto 50. Ou não... Tudo dependia de como seria o desempenho delas. Isso eu não controlo.
   Na Corrida de Orientação conta o seu tempo de prova, independente da hora que você larga. Não sai todo mundo junto de propósito mesmo, pra ninguém "encarneirar" ninguém.
   Agnaldo disse pra gente não rasgar mato porque a floresta estava bem densa. Com meu mapa verdejante em mãos, fui pegar o primeiro prisma obedecendo aos conselhos do organizador. Dependendo da situação, até prefiro ir certinho pela trilha mesmo! É mais difícil de me perder.
   Toda Corrida de Orientação é assim... Fico atrapalhada até achar o primeiro prisma. Já saio pensando nisso. Correndo até a beira da cerca, atravessei e segui pela trilha, entrando naquele corredor verde. Depois da primeira cerca da esquerda encontrei uma trilha à direita, encontrei meus amigos, Tadeu e Laísa, mas, não encontrei o prisma. Veio aquele pensamento de como sou atrapalhada para encontrar o primeiro prisma e me acostumar com as distâncias da Orientação.
   Como combinei comigo mesma de ficar bem atenta, tratei de sair da trilha e entrar na seguinte: aquela de frente para outra cerca, como estava no mapa. Pois é! O prisma estava bem ali no canto da vegetação.
   Também combinei comigo mesma de ser ágil nas decisões, pensar rápido e correr sempre que pudesse. No meu caso, tempo é troféu. Quem sabe não levava um daqueles pra casa?! Bem, na verdade, queria era estar ali, bem naquele lugar e fazer o melhor que pudesse. O resultado poderia ser o que viesse. A curtição tava muito boa! Adoro caça ao tesouro!
   Saí correndo para o prisma 2, peguei a estradinha novamente, entrei na trilha à esquerda, subi rapidinho uns 200m e lá estava ele, numa árvore na vegetação. Falando em vegetação, quase todos os prismas estavam na vegetação ou numa árvore, ou nas duas coisas.
   Nada de rasgar mato, volta pra trilha Luluzinha! E “pernas pra que te quero?”. Para correr é claro! Mais uma entrada à direita, beirando a vegetação, o prisma 3.
   Êpa! Para a trilha principal! Até pensei em entrar numa trilha secundária para pegar o prisma 4 mas, achei o ganho de tempo duvidoso, já que se tratava de uma trilha mais estreita, paralela à principal. Meu deslocamento poderia ser comprometido. Nesse vai, pensa e volta a gente perde um tempinho...
   Contei passos dali até a entrada do 4. Deu certinho! Isso dá uma boa dose de confiança pra seguir na corrida. Foi perto do 4 que encontrei Lucy. Trocamos poucas palavras, perguntei se ela tinha pegado o 4 e  onde estava. Rs! Antes mesmo que ela respondesse, lembrei que estávamos competindo na mesma categoria. Senti-me de uma cara de pauzisse absurda! Rapidamente, pedi que não contasse e nos despedimos. Achei que ela estava bem!
   Prisma 4! Dali, fui enfiar meus pés na lama. Aliás, fui enfiar metade do corpo na lama para achar o prisma 5. Acabou esse negócio de pegar trilha principal, rs! Entrando à direita logo na saída do prisma 4, segui até uma bifurcação. Vi um atleta que estava fazendo o mesmo percurso que eu, entrando para a direita. Sei lá porquê, preferi continuar na direção do 6, virando para a direita mais adiante. Não sei se foi uma boa escolha, mas peguei um charco miserável no caminho, afundei metade do corpo na lama. Só que eu e o meu coleguinha do qual falei nas linhas anteriores pegamos o prisma 5 juntos. Como meu caminho era mais longo, dava no mesmo! Só que ele não teve direito a um banho de lama.
   Como já sabia onde estava a trilha do 6, só precisei voltar rapidólio, encontrar a clareira, olhar para a esquerda e pronto. Lá estava ele! Pra variar, na árvore na vegetação.
   Ai, gente! Que vontade de bater um azimute e me lascar toda até o prisma 7! Rsrs! Cheia de juízo na cabeça, entrei no canto esquerdo da clareira, numa trilha bem arborizada, achei a cerca do mapa, passei por baixo dela, segui para a direita beirando a cerca mesmo. Prisma 7, ok! 
   Bastava achar a casa para encontrar a trilha e descer para o prisma 8. Ele estava bem ali, pertinho do riacho, do lado esquerdo, meio escondidinho.
   Decidi voltar para cerca novamente para me guiar até o prisma 9. Só que fui tendendo para a esquerda... Encontrei a cerca, o prisma e Mauroba, reclamando que cometeu alguns erros. E seguimos para um prisma de mesmo número, descendo uma ribanceira.
   Como ele desceu muito rápido, nem vi quando levou uma galhada no rosto. Precisou de ajuda. Tive que parar para jogar água em seus olhos. Rs! Os pensamentos que passam em minha cabeça são interessantes. Se tivesse que parar para ajudar meu amigo, certamente pararia. Ainda bem que foi uma parada rápida! E ainda bem que o prisma 10 estava bem pertinho. Deve ter sido um bônus de jogo, quando você socorre alguém, rs!
   Até tinha uma trilha me convidando a entrar para cortar caminho para o prisma 11. Talvez um convite para perda de tempo, talvez um verdadeiro corte de caminho, talvez levasse à outro canto daqueles matos. Quem sabe? Parecia tão bonito, arborizado, plano... Mesmo assim, optei por subir o barranco e pegar minha santa cerquinha de volta. Isso eu posso escolher!
   Seguindo a cerca ficou bem tranquilo... Lá estava o prisma 11, todo bonitinho numa vala.
   Logo no final dessa trilha apareceu a estrada que me levava ao prisma 12. Estava com sede! Corri até lá, bati o prisma, bebi água e fui embora.
   Outra trilha-tentação à direita talvez me conduzisse a um corte de caminho até o 13. Entrei uns dois metros, olhei, pensei, voltei. Não me atraiu. Além do mais, no mapa, seu final era indefinido e não terminava exatamente no 13. O comentário de Zildgar, quando estava pegando a trilha principal foi uma boa comprovação de que teria feito uma boa escolha. “Nem Marcinha conseguiu passar.” Hummm... Certo! Mas, onde ele teria encontrado Marcinha?? Bem... Tinha "5 minutos". Olha só que maravilha! Marcinha estava perto de mim, Lucy também. Todas saíram antes de mim... Deveriam estar à frente. Animei ainda mais!
   Corri pela estrada, encontrando uma cruzamento, fui para a direita. Mais uma vez, pensei em cortar caminho... Passei por baixo da cerca, comecei a entrar pelo mato. Daí pensei no meu objetivo de prova, na concentração, no foco. Sempre lembro que quando fico muito excitada com uma possível vitória, perco a concentração e dá merda. Por isso, quando percebi que o corte de caminho poderia ser arriscado, decidi deixar de ser doida e correr pela estrada mesmo. Afinal, no dia 24 de maio serei uma maratonista do Running Daventura. E isso não é pouca merda não. Tô treinando corrida, meu povo!
   Apesar da volta que dei, foi bem tranquilo pegar o prisma 13 entrando pela casinha. Meu parâmetro mais uma vez foi um rapaz que entrou pelo atalho e chegou lá em cima junto comigo. Além disso, ainda interagi com o pessoal da casinha, rs! Gosto do “bom dia” do pessoal da roça! Lembra minha família.
   Volta eu, descendo a ladeira desbandeirada, passando de volta pela casinha, pegando a estrada de volta para chegar até o 14. Tranquilinho, tranquilinho! E foi saindo dali que encontrei Marcinha, indo pegar o 14.
   Também peguei o prisma 15 rapidinho. Se não errasse nada e as outras competidoras não estivessem num bom tempo de prova, possivelmente, estaria no lugar mais alto do pódio. Segui confiante.
   O 16 e o 17 também foram prismas bem tranquilos de encontrar. Teve gente que escolheu pegar o 18, passando pelo caminho do 12. Preferi entrar à esquerda até chegar lá. A trilha não estava tão bem marcada no mapa. Mesmo assim, não esperava que a mata fechasse e a trilha sumisse e aparecesse de quando em quando. Meu progresso não foi tão rápido como pensei que seria. Algumas vezes, tive a sensação de que poderia estar errada. Foi preciso andar agachada em alguns momentos. Subi a ladeira com a bússola no azimute. Que alívio quando apareceu a bifurcação! Encontrar o prisma foi um belo prêmio para meu esforço e concentração! Só faltavam 4 prismas, todos pertinho.
   Aproveitando a descida, trotava até o prisma 19. Ele estava numa árvore perto da vegetação, só pra variar. O 20, tranquilex! Eu e Marcinha nos encontramos entre o 20 e o 21, e pegamos o prisma 22 já bem pertinho da chegada.
   A vitória eu só comemorei depois de conferir se não tinha esquecido de algum prisma, se as outras atletas ainda tinham chance, se meu nome aparecia no painel, rsrs!
   Agnaldo, a prova estava impecável! Obrigada por nos proporcionar uma manhã tão bacana!
   Marcinha, agradeço muito pelo incentivo a voltar pra Orientação, correndo sozinha. A mudança de categoria, independente do resultado, me fará muito bem! Você é uma grande incentivadora do esporte! Além de tudo, está navegando muito! Merece ótimos resultados aqui e no brasileiro.
   Fiquei muito feliz com os resultados dos nossos Aventureiros. Vande jogou duro! As duplas foram muito bem! Lucy deu um grande exemplo de coragem e persistência... Quase fugiu quando Vitor apareceu para tirá-la da prova, rsrs! Claudio, que mesmo atrasado, tranquilizei seus amigos que ele chegaria, rs! Eudes, Tadeu, Laísa... E Vitor, figura, que foi lá pra me buscar, acabou saindo pelos matos pra resgatar Lucy e ainda foi procurar um prisma com ela! Todos de parabéns! Todos loucos por aventura!
   No mais, estou na área, sem saber se consigo correr todas as etapas. Vou tentar!
   Beijos e até a próxima resenha!

Comentários

eudesvb disse…
Show de resenha Lu. Parabéns pela resenha e pela premiação. Beijos;

Postagens mais visitadas deste blog

Desafio dos Sertões 2023- 140km

  Que o Sertão é um dos lugares mais inóspitos à sobrevivência humana, a gente já sabe! Que você precisa ser forte pra enfrentar a caatinga, ter resiliência, coragem, foco, determinação, também. Que o Rio São Francisco é um gigante que impõe, acima de tudo, reverência, sabemos. Querer ir lá pra experimentar tudo isso e ainda gostar, é outra história! E lá estávamos nós, no Desafio dos Sertões, nos 140km de aventura, entre mountain bike, trekking, natação, canoagem, tudo com navegação com mapa e bússola.  Nos últimos tempos, temos alternado bastante os atletas da equipe, menos eu e Mamau, que somos fominhas de prova. Mas, brincadeiras à parte, Vitor e João estão afastados por questões pessoais. Então, Lucas, nosso novinho da Turma 12 da Escola de Aventura, continuou com a gente, depois da Carrasco. Além disso, Arnaldo, da Olhando Aventura, veio fechar o quarteto, reforçando nosso time com sua experiência. Reunimos, alinhamos objetivos, organizamos a tralhas e partimos pra Juazeiro

UTCD 2023- 80km

   Não tenho um pingo de vergonha na cara. Da última vez que fiz a Ultra Trail Chapada Diamantina (UTCD), disse que machucava muito os pés e que preferia fazer Corrida de Aventura… Como se Corrida de Aventura machucasse menos. 😂    Esse ano, eu corri todas as provas do Campeonato Baiano de Corrida de Aventura, menos a Expedição Mandacaru, porque estou envolvida na organização. Então, pra fechar com chave de ouro o meu ano esportivo e comemorar meus 52 anos, decidi correr a UTCD.     Tudo bem! Eu amo correr, mas precisava ser 80km? Aí é que vou contar pra vocês…    Já que eu estava indo e já tinha feito 50km, decidi me desafiar nos 80. Fiz minha inscrição e ainda joguei minha filha no bolo, nos 35km, que depois ela mudou pra 14, por que não estava com tempo pra treinar o suficiente. Eu queria brincar o brinquedo todo!    Depois de um fim de semana de muito movimento na Expedição Mandacaru, lá estávamos nós, na semana seguinte, acampados em Mucugê, de mala e cuia, com boa parte da famíl

Malacara Race 2023- 500km PARTE 1

  Foto: @luiz_fabiano_ibex O que preciso fazer pra ir correr na Malacara? A logística pra enfrentar um desafio como esses é extremamente complexa. Envolve sua vida toda, trabalho, família, parentes e aderentes. A vida dos meus filhos tem que estar toda organizada, preciso tirar férias, tomar mil providências... Nessa lista vem inscrições, passagens, equipamentos, alimentação, agasalhos, uniformes. Coisa doida!😎 A Malacara Race fez parte do Circuito Mundial de Corrida de Aventura, seguindo todas as regras com rigor, principalmente, no que se referiu à conferência de equipamentos. Muita coisa já tínhamos, outras, precisamos providenciar.  Quando eles liberaram o guia com a logística da prova, conseguimos saber quantos estágios seriam, ter ideia da previsão de duração de cada um, o que levaríamos de alimentos, o que encontraríamos quando acabasse cada estágio. Mesmo com toda organização, a cabeça dá um nó. Tive momentos de ficar parada na frente de tanta comida, sem saber o que faz