Pular para o conteúdo principal

Diário da Trilha Salkantay- Preparativos até Cusco

   Antes, pesquisamos muito em blogs, vídeos e sites, reservamos o que pudemos e organizamos os equipamentos que tínhamos. A Corrida de Aventura nos traz essa leveza. Acostumados com perrengue, a gente tem quase tudo de equipamentos e a cabeça meio preparada para os imprevistos. Inclusive, o kit de primeiros socorros usado nas corridas sofreu poucas alterações para viagem.
   Até Lima, a mudança de duas para três conexões resultou em um dia inteiro de viagem. Saída de Salvador na manhã de 21 de junho, conexão de 5 horas no Rio de Janeiro, outra de 4 horas em Santiago, até chegar em Lima na madrugada seguinte, dia 22 de junho. Esperamos o dia amanhecer para pegar a condução até o Hostel em Miraflores.
   O assédio dos taxistas no aeroporto é pior do que em qualquer lugar que já fui. Eles não lhe deixam em paz, irritam mesmo. Uber não deu certo, e rolou assédio também. Arghhh! Depois de mais de meia hora tentando, pegamos o Táxi Green por $60 (60 soles) até Miraflores. Então fiquem ligados porque não vale a pena se estressar, melhor pegar o táxi que você fecha antes mesmo de sair do desembarque.
   Às 6:30h da manhã, o trânsito de Lima é indiano (nem conheço mas ouvi falar), faltando só as vacas no meio da rua. Os motoristas buzinam eternamente, quase todos os carros são amassados em algum lugar, a rotatório é mundo sem lei e cruzamento... Sem comentários. Sem contar que atropelam as pessoas sem dó nem piedade. Nunca deixe seu pé na faixa de pedestre! Prometo passar um bom tempo sem reclamar do trânsito no Brasil.
   Todo canto da cidade tem uma orientação para o caso de terremoto, tsunami ou os dois eventos. Os peruanos estão esperando um daqueles que matam 50 mil pessoas porque tem mais de 100 anos que ocorreu o último. Confirmei em rápida pesquisa no Google e comecei a rezar. Rs! Lá tem tanto tremor de terra que a pessoa nem percebe mais. Deve ser por isso que o trânsito é daquele jeito. Pressa!
   Levamos as malas para o Hostel Pucllana Lodge em Miraflores. Bairro bem bonitinho, arrumado, florido, cheiroso... Mas as pessoas buzinam em qualquer bairro. O céu de Lima é cinza como o de Santiago, embora não tenha o mesmo charme da capital Chilena. Que me perdoem os amantes de Lima!
   Um dia dedicado à busca de equipamentos da nossa pequena lista de pendências. Seguindo a dica dos nossos queridos amigos, Lucy e Vande, a visita à loja da Salomon, no Shopping Larcomar, nos rendeu tênis Speed Cross 3 novinhos por 200 soles. Ninguém quer mais porque o SC4 foi lançado. Que bom que eles acham isso!! Também compramos uma mochila de trekking num lugar longíquo!


   O almoço no Bistrô perto de uma igrejinha de Miraflores foi ótimo! De lá, fomos turistar na simpática Plaza de Armas, onde tinha uma banda tocando no meio da rua e a galera da terceira idade jogando duro no tchá- tchá- tchá.
   Na manhã seguinte, as malas já estavam prontíssimas pra viagem à Cusco. Aproveitamos a sobra de tempo pra visitar o Sítio Arqueológico na esquina do hostel. As ruínas foram encontradas em 1981. Um passeio bem legal que me fez até pensar que visitar Lima pode valer a pena...


   Nosso avião, atrasado em uma hora, mergulhou em Cusco lá pelas 4 da tarde. A cidade fica, a 3400m de altitude, dentro de um buraco. O pequeno aeroporto consegue ser tão confuso quanto o de Lima. O detalhe é que os taxistas não podem entrar. A condução custou 10 soles, super baratex, até o Hostel Munaycha Casa Hospedage. Atendimento ótimo, chá de coca quentinho na recepção, folha à disposição, quarto confortável e café da manhã gostoso.
   Percebi a altitude apenas por leve queimor no nariz e cansaço para subir degraus e ladeiras. Nada demais. E no outro dia ainda cumprimos nosso treino regenerativo de meia horinha que nossa treinadora passou. Na boa... Nem tive coragem de olhar o frequencímetro.. rs! Os dentes e as bochechas quase congelaram. Os bofes tentaram sair pela boca mas arrumei a respiração, tomei fôlego e não dei ousadia pra ofegância.


   A cidade estava em festa. A tradicional Inti Raymi, festa inca do solstício de inverno ou festa do sol, parece carnaval. Um ritual lindo, colorido, com comentarista, encenação, transmissão ao vivo pela TV, bandas, desfile com carros alegóricos e gente fantasiada. A praça esteve cheia dia e noite sem parar, enquanto estivemos lá.
   Tínhamos duas noites em Cusco para concluir os últimos detalhes da viagem, dentre os quais, comprar mapa topográfico, uma mochila de 40l, alugar barraca de montanha e saco de dormir de -10 graus, além de pegar o máximo de informações possível. Cusco é um paraíso para comprar essas coisas! Lima é totalmente dispensável nesse aspecto, exceto pelo Salomon.
   Entrando de loja em loja, encontramos o argentino Alejandro, da loja Peru Goyo Expedition. O cara disse que era muito frio, que era impossível fazer a trilha Salkantay em três dias, que a altitude fazia sangrar o nariz, que a gente podia até morrer... Enfim, saímos da loja pra pensar melhor, depois voltamos para alugar os equipamentos com ele. As dicas foram muito boas mas fomos embora com a promessa secreta (eu e Vitor) de voltar lá pra mostrar pra ele do que éramos capazes.

    A aventura estava só começando!!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desafio dos Sertões 2023- 140km

  Que o Sertão é um dos lugares mais inóspitos à sobrevivência humana, a gente já sabe! Que você precisa ser forte pra enfrentar a caatinga, ter resiliência, coragem, foco, determinação, também. Que o Rio São Francisco é um gigante que impõe, acima de tudo, reverência, sabemos. Querer ir lá pra experimentar tudo isso e ainda gostar, é outra história! E lá estávamos nós, no Desafio dos Sertões, nos 140km de aventura, entre mountain bike, trekking, natação, canoagem, tudo com navegação com mapa e bússola.  Nos últimos tempos, temos alternado bastante os atletas da equipe, menos eu e Mamau, que somos fominhas de prova. Mas, brincadeiras à parte, Vitor e João estão afastados por questões pessoais. Então, Lucas, nosso novinho da Turma 12 da Escola de Aventura, continuou com a gente, depois da Carrasco. Além disso, Arnaldo, da Olhando Aventura, veio fechar o quarteto, reforçando nosso time com sua experiência. Reunimos, alinhamos objetivos, organizamos a tralhas e partimos pra Juazeiro

UTCD 2023- 80km

   Não tenho um pingo de vergonha na cara. Da última vez que fiz a Ultra Trail Chapada Diamantina (UTCD), disse que machucava muito os pés e que preferia fazer Corrida de Aventura… Como se Corrida de Aventura machucasse menos. 😂    Esse ano, eu corri todas as provas do Campeonato Baiano de Corrida de Aventura, menos a Expedição Mandacaru, porque estou envolvida na organização. Então, pra fechar com chave de ouro o meu ano esportivo e comemorar meus 52 anos, decidi correr a UTCD.     Tudo bem! Eu amo correr, mas precisava ser 80km? Aí é que vou contar pra vocês…    Já que eu estava indo e já tinha feito 50km, decidi me desafiar nos 80. Fiz minha inscrição e ainda joguei minha filha no bolo, nos 35km, que depois ela mudou pra 14, por que não estava com tempo pra treinar o suficiente. Eu queria brincar o brinquedo todo!    Depois de um fim de semana de muito movimento na Expedição Mandacaru, lá estávamos nós, na semana seguinte, acampados em Mucugê, de mala e cuia, com boa parte da famíl

Malacara Race 2023- 500km PARTE 1

  Foto: @luiz_fabiano_ibex O que preciso fazer pra ir correr na Malacara? A logística pra enfrentar um desafio como esses é extremamente complexa. Envolve sua vida toda, trabalho, família, parentes e aderentes. A vida dos meus filhos tem que estar toda organizada, preciso tirar férias, tomar mil providências... Nessa lista vem inscrições, passagens, equipamentos, alimentação, agasalhos, uniformes. Coisa doida!😎 A Malacara Race fez parte do Circuito Mundial de Corrida de Aventura, seguindo todas as regras com rigor, principalmente, no que se referiu à conferência de equipamentos. Muita coisa já tínhamos, outras, precisamos providenciar.  Quando eles liberaram o guia com a logística da prova, conseguimos saber quantos estágios seriam, ter ideia da previsão de duração de cada um, o que levaríamos de alimentos, o que encontraríamos quando acabasse cada estágio. Mesmo com toda organização, a cabeça dá um nó. Tive momentos de ficar parada na frente de tanta comida, sem saber o que faz