Pular para o conteúdo principal

Diário de Bordo do Feriado de Finados


Passageiros do vôo de sábado à noite: Tiago, Tila, Lucy e Luciana.
Viagem tranqüila. Crianças comportadas. Metade dos adultos dormiu da decolagem até o pouso. Não fui eu! RS! Descemos em Fortaleza às 22:30h. O hotel ficava a uma quadra da Av. Beira Mar, na Praia de Meireles, onde rola(do verbo rolar, please!) o movimento da feirinha da orla. A saída para comer alguma coisa já nos permitia ver como estava a cidade, mesmo tarde da noite. As barracas já fechavam, mas tinha muita gente na rua.
Pela manhã, depois de um treino de corrida e de blá, blá, blá de Penélope, alugamos um carro e fomos ao Beach Park. Eu guiava enquanto Lucy navegava no mapa, determinando o caminho a seguir. Estrada muito bonita, por sinal, cheia de dunas, rios, charcos, um céu azul forte, vegetação peculiar. As crianças animadas aproveitavam para curtir a paisagem.
O Beach Park fica ao lado de uma grande barraca de praia, num lugar cheio de coqueiros. O preço do ingresso é salgadinho! Ainda precisa pagar armário e colocar créditos num cartão de consumo para não ficar com dinheiro na mão lá dentro. No fim das contas fica bem prático! Você põe seus bagulhos no armário, pendura a chave no braço e o cartão com os créditos de consumo no pescoço e cai na água. Pura diversão! Uma gostosura! Água pra todo lado e muitas opções de brinquedos. Vale à pena!
As crianças foram dar uma volta enquanto eu e Lucy providenciamos guardar as coisas e um lugar pra fazermos um lanche. Depois da partilha do cachorro quente, combinamos o mesmo lugar para reencontro. Tila saiu afoita à procura do irmão. Todos ávidos por aproveitar o tempo.  
Eu e Lucy fomos dar uma volta naquelas bóias na piscina com correnteza. Tudo ficaria sem graça se Lucy não tivesse travado uma verdadeira batalha com a bóia. Uma situação completamente hilária! Ela tentava subir, a bóia virava e lhe dava um caldo. Eu não conseguia parar de rir! Minha bóia já tava seguindo na correnteza, tive que segurar numa pedra pra assistir à cena. E, só depois de 1354 tentativas e muita gargalhada, ela ganhou a batalha.
Hummm! Estranho que Tila não apareceu no lugar combinado! Resolvemos subir num brinquedo e voltar para esperar. Olha quem a gente encontra: Tiago, dizendo que não estava com Tila. Pensei: “Minha filhinha! Será que ela está brincando tanto que não se lembrou de voltar?” Preferi acreditar que sim, mas minha intuição dizia que não. Preferi descer no brinquedo antes de começar a procurar, já que tinha vencido uma fila enorme.
Resolvemos então nos separar para a busca. Fiquei parada no lugar marcado, Tiago foi para um lado e Lucy foi para o outro.  Fiquei ali por alguns minutos, ansiosa. Vem um rapaz em minha direção e pergunta se eu estava procurando uma menina morena que estava na portaria. Ô gente! Fui até lá tentando manter o equilíbrio. Que reencontro de alívio e dor! Ficamos paradas, abraçadas em silêncio por um tempo para aliviar a tensão até eu dar aquela bronca por não ter ficado no lugar que combinamos.   
Voltamos a brincar dessa vez sempre juntos!
A volta foi uma graça! As crianças acabadas cochilaram. E nós ficamos embananadas para voltar ao hotel. Engraçado que adoro navegar e tenho noção de (quase) tudo quando estou com o mapa na mão. Mas não decoro um caminho sequer, se não prestar bastante atenção! Lucy falava todos os nomes de rua, mas aquilo me dava um nó na cabeça! Tico e Teco estavam num desencontro doido! Depois de um tempinho, (ufa!) chegamos. E de lá saímos apenas para comer.
Acordamos bem cedinho para outra corridinha básica! Dessa vez 10km só pra não ficarmos enferrujadas! Pegamos a estrada para Canoa Quebrada. Só que sem pressa pra chegar até lá. Curtindo cada momento, cada paisagem. Paramos em Morro Branco. Lugar com uma paisagem peculiar, com um labirinto de falésias belíssimo! As crianças ficaram loucas com o carrinho de sorvete que apareceu no meio das dunas. E nós também!
Pôxa! Que passeio gostoso! Canoa Quebrada também é muito legal! Acho que pegaram a areia do Brasil todo e jogaram em Fortaleza. É duna pra todo lado! Tem horas em que parece que você está no deserto. Super bacana!
Bom! Depois de um dia passeando, voltamos pra Fortaleza e nos batemos de novo pra chegar até o Hotel. Mas dessa vez menos..rs! Depois compramos umas coisinhas na feirinha de artesanato e fomos tomar um delicioso café com bolo de banana para fechar a noite e a viagem!
Ótimo fim de semana!

Comentários

Anônimo disse…
Que viagem massa! Imagino o quanto de divertiram! As fotos ficaram lindas! E continuo achando que vc devia postar mais sobre as aventuras da vida!! Bjs

Postagens mais visitadas deste blog

Desafio dos Sertões 2023- 140km

  Que o Sertão é um dos lugares mais inóspitos à sobrevivência humana, a gente já sabe! Que você precisa ser forte pra enfrentar a caatinga, ter resiliência, coragem, foco, determinação, também. Que o Rio São Francisco é um gigante que impõe, acima de tudo, reverência, sabemos. Querer ir lá pra experimentar tudo isso e ainda gostar, é outra história! E lá estávamos nós, no Desafio dos Sertões, nos 140km de aventura, entre mountain bike, trekking, natação, canoagem, tudo com navegação com mapa e bússola.  Nos últimos tempos, temos alternado bastante os atletas da equipe, menos eu e Mamau, que somos fominhas de prova. Mas, brincadeiras à parte, Vitor e João estão afastados por questões pessoais. Então, Lucas, nosso novinho da Turma 12 da Escola de Aventura, continuou com a gente, depois da Carrasco. Além disso, Arnaldo, da Olhando Aventura, veio fechar o quarteto, reforçando nosso time com sua experiência. Reunimos, alinhamos objetivos, organizamos a tralhas e partimos pra Juazeiro

UTCD 2023- 80km

   Não tenho um pingo de vergonha na cara. Da última vez que fiz a Ultra Trail Chapada Diamantina (UTCD), disse que machucava muito os pés e que preferia fazer Corrida de Aventura… Como se Corrida de Aventura machucasse menos. 😂    Esse ano, eu corri todas as provas do Campeonato Baiano de Corrida de Aventura, menos a Expedição Mandacaru, porque estou envolvida na organização. Então, pra fechar com chave de ouro o meu ano esportivo e comemorar meus 52 anos, decidi correr a UTCD.     Tudo bem! Eu amo correr, mas precisava ser 80km? Aí é que vou contar pra vocês…    Já que eu estava indo e já tinha feito 50km, decidi me desafiar nos 80. Fiz minha inscrição e ainda joguei minha filha no bolo, nos 35km, que depois ela mudou pra 14, por que não estava com tempo pra treinar o suficiente. Eu queria brincar o brinquedo todo!    Depois de um fim de semana de muito movimento na Expedição Mandacaru, lá estávamos nós, na semana seguinte, acampados em Mucugê, de mala e cuia, com boa parte da famíl

Malacara Race 2023- 500km PARTE 1

  Foto: @luiz_fabiano_ibex O que preciso fazer pra ir correr na Malacara? A logística pra enfrentar um desafio como esses é extremamente complexa. Envolve sua vida toda, trabalho, família, parentes e aderentes. A vida dos meus filhos tem que estar toda organizada, preciso tirar férias, tomar mil providências... Nessa lista vem inscrições, passagens, equipamentos, alimentação, agasalhos, uniformes. Coisa doida!😎 A Malacara Race fez parte do Circuito Mundial de Corrida de Aventura, seguindo todas as regras com rigor, principalmente, no que se referiu à conferência de equipamentos. Muita coisa já tínhamos, outras, precisamos providenciar.  Quando eles liberaram o guia com a logística da prova, conseguimos saber quantos estágios seriam, ter ideia da previsão de duração de cada um, o que levaríamos de alimentos, o que encontraríamos quando acabasse cada estágio. Mesmo com toda organização, a cabeça dá um nó. Tive momentos de ficar parada na frente de tanta comida, sem saber o que faz