Pular para o conteúdo principal

Aventureiros do Agreste no Brasileiro de Corrida de Aventura 2013- 175km


   A formação do quarteto ficou por conta de Gabi, Mauro, Marcelo e Scavuzzi. Nós, eu e Vitor, ficamos com tanta vontade de ficar no meio do bolo, que arrumamos um jeito de ir em dupla para a Final do Espírito Santo. Seis Aventureiros do Agreste nos matos do Espírito Santo daria muita estória pra contar.
   Uma luta até embarcar! Totó pro hotel (uma chiquêza só, esse Totó!), crianças enbarcando pra Sampa e lá estávamos nós, no aeroporto, rumo ao Espírito Santo. Uma caixa, duas bicicletas, muitos amigos queridos (Arnaldo, Plínio, Ricardo, Ana Paula e Kassiele) no mesmo voo e muita expectativa.
   A chuva estava tão forte que avião não pôde descer. Sem “teto” para aterrissagem. Que saco esse negócio de “teto”! Não era pra ser o contrário? Com teto o avião bate no teto, sem teto está aberto... Ah! Deixa isso pra lá! Só sei que ficamos voando nos céus do Espírito Santo, o aeroporto fechou e fomos parar em Campinas. Só depois, resolveram nos devolver pra Vitória, no mesmo avião. Pelo menos isso!
   O atraso nos fez perder o ônibus que levara os atletas ao alojamento e nos obrigou a percorrer 60km socados numa Kombi socada de equipamentos, sem lugar nem para os pés. Uma chuva retada, a estrada super sinuosa, uma serra miserável... Ou seja, a aventura começou muito antes, como sempre. Sorte que o quarteto da Aventureiros chegou antes e providenciou nossas pequenas pendências.
   Teve mais! O alojamento deu errado, nos transportaram para o quinto dos infernos depois do briefing, dormimos no máximo 3 horas, para fazer uma prova de 175km no dia seguinte. Então vou parar de escrever as coisas que deram errado pra começar a contar da prova. Ainda bem que, nada de tão errado aconteceu mesmo. Melhor agradecer!
   O mapa, quase do meu tamanho, tinha tanta curva de nível que dava medo só de olhar. É sério, tinha mais de metro! Tô reclamando, não! Rsrs! No dia seguinte a gente tava lá na Estância do Vale do Moxuara, no pórtico de largada, pegando o GPS e esperando a hora de sair. Nós seis! Aff Maria, como eu amo esses Aventureiros!
 
   De bike, começamos subindo, subindo, subindo... e subindo. Não parávamos de subir. O que foi aquilo, meu Deus!? Passamos pelo PC1 e continuamos subindo. De vez em quando a gente descia, mas era mais subida do que descida. E essa luta seria de 40km até o PC8, quando pegaríamos nossos tênis pra mais uns poucos km de bike e descansar o forévis com míseros 7km de trekking.
   Gente! Rezava pra chegar no trekking! Hora subia pedalando, hora empurrando a bicicleta. E nós estávamos num ritmo tão parecido com nosso quarteto, que sempre nos encontrávamos, vez ou outra, até que o pedal de Scavuzzi soltou. Tivemos que continuar, porque, afinal, a prova não era em sexteto e tinha muito macho pra ajudar. Mas, fui preocupada, pensando em como eles resolveriam aquele problema que parecia sem solução. Não dava pra subir e descer tantas ladeiras pedalando com uma perna só...
   O sol começou a esquentar e precisamos fazer umas paradas estratégicas, como a da casa do Sr. Amarildo. Aquela mangueira tinha uma água gelada deliciosa! Meu corpo agradeceu dez vezes. E a esposa dele arrumou vários cubos de gelo pra nossos camelbacks. É muita gente boa que tem nesse mundo!
   Continuamos ladeira acima até o PC8, na pracinha da pequena cidade de Domingos Martins que, por sinal, era lá no alto da montanha. Rapaz!... Meus cambitos estavam em chamas!
   Uma pena que fomos cortados por 40 minutos! A corrida atrasou uma hora e meia e o tempo de corte foi estendido por meia hora. Pouquíssimo justo! Pior do que ser cortado era saber que teríamos que concluir os cento e tantos quilômetros de pedal sem trégua. Nem uma perninha de trekking pra aliviar. Minha reza não deu certo.
   Então tá! Fomos pegar nossa caixa no caminhão para o piquenique da pracinha, na companhia mais do que agradável das amigas Ana Paula e Kassiele, além dos meninos da Gantuá e outros atletas que conhecemos por lá. Rolou suco, sardinha, pêssego em caldas, coca-cola, bananinha... Maior farra!
   Muito lugar lindo pelas serras do Espírito Santo! Cascatas, rios, pontes, barragens. Ainda era dia quando saímos de Domingos Martins. Pedalávamos, interminavelmente, desde as 10h da manhã. Decidi não respeitar tanto as ladeiras sem fim, empurrando a bike só quando o bumbum doía mais do que os braços, rsrs! Raiai...
   As ladeiras eram muito cruéis nas subidas, verdade! Mas, nada foi mais louco nessa prova do que a ladeira da Rota Imperial, depois do PC21. O que foi aquilo?? Àquela altura minhas pastilhas de freio nem prestavam mais, meus braços estavam doloridos de tanta trepidação, as pernas eu nem conto, rs! Ao final do primeiro trecho da ladeira, parei pra arrumar alguma coisa e Vitor comentou que a ladeira deu medo. Era medo de ter descido a ladeira errada e ter que voltar. Só que entendi que foi medo de descer e fiquei até surpresa, por não ter achado o trecho tão ruim. Aí, gente, começamos a descer o segundo trecho e... A bicicleta não parava de descer loucamente, os freios só funcionavam numa certa pressão, uns pequenos buracos apareciam para tornar a coisa emocionante, um buraco enorme apareceu para tornar a coisa mais perigosa... Meu bumbum estava posicionado atrás do banco (quem pedala sabe bem do que estou falando), tive ímpeto de parar no caminho para respirar, mas era impossível, até que acabasse aquela ladeira alucinante. Que medo, que adrenalina!
   Só sei que cheguei lá embaixo gritando “UHUUU”, amarradona! Foi a melhor descida da minha vida!
   Bom... Como todo sofrimento pra corno é bobagem, chegando ao PC23, rapel do Véu da Noiva cancelado, pedal não. Foram 9km só subindo até o PC24. NOVE! Chegando lá, assinamos o PC e voltamos no maior “Uhuuu” outra vez. Mas não o mesmo “uhuuu” da ladeira da Rota Imperial. Não sei se vai ter igual.
   Relaxamos um pouco no PC25, antes de sair pra canoagem. Deu pra comer uma quentinha, dançar ao som de Shakira, conversar com a turma, arrumar as tralhas e, o melhor, ver a Aventureiros chegando, depois de muito perrengue. Fico tão orgulhosa do meu povo! Mauro prendeu o pedal de Scavuzzi com um adaptador de pito, não sei de que maneira. Perderam muito tempo, com certeza, mas estavam ali à nossa frente, já planejando a subida para o Véu da Noiva.
   Que belo passeio pelo rio Santa Maria! Não sei fazer leme em duck, Vitor também não. Remamos de uma margem a outra, em zigue-zague, nos enganchamos em vários galhos de árvore, reclamei até esgotar minha cota de queixas da vida dos próximos cinco anos... Tinha horas em que a gente parava de remar pra concentrar, pra ver se conseguia seguir reto. Dava certo até o galho seguinte. Se eu avisasse que tinha uma pedra na frente, Vitor ia pro lado da pedra, rsrs! Enfim, foi trágico. Só agora que pode ser cômico. Demoramos cinco horas pra terminar o percurso de 27km num remo arrastado até não poder mais. Tinha horas em que nem parecia que estávamos rio abaixo. Mas, como, graças ao bom Deus, tudo tem um fim, conseguimos concluir o remo às 3 da manhã.
   Pra variar, as pernas não queriam obedecer pra sair do barco. Trava tudo! Com força e coragem a gente se esquiva do desconforto e sai. Daí vem o frio. Então a gente tem que pegar o anorack o mais rápido que puder, antes que os dentes quebrem. Ufa, conseguimos mais essa! E pernas pra que te quero! Só faltavam pouco mais de 20km para acabar a prova.
   Gente, nunca vi um lugar pra passar tanto trem na minha vida. Era de minuto em minuto. E, como estava escuro, a gente só ouvia o barulho bem alto e ficava imaginando o quão desconfortável deveria ser morar ali perto. Mas, bucólico também.
   O dia amanheceu enquanto corríamos pelo pequeno trecho de asfalto. Quando pegamos a estrada de barro, o sono foi chegando de mansinho. Comecei a falar embolado. Meus olhos não se seguravam e eu não tinha dois palitos para segurá-los. Vitor também começou a sentir sono. Mas, nada como tomar uma carreira de boi pra acordar, rsrs! Carreira de cachorro também tira sono. Os cachorros do Espírito Santo são criados com sustagem. Enormes, valentes, de voz grossa e aparecem em turma grande! Vitor é sempre o Salvador da Pátria. Ele se joga na frente e grita com a cachorrada toda. Tenho mais medo de cachorro do que de boi, rs!
   De certa forma, os cachorros nos mantiveram acordados. E o café com leite que pedi naquela vendinha também. Sou tão cara de pau que peço logo café com leite. O moço disse que o leite não servia não, porque estava na geladeira. Aí eu disse que servia sim, rsrs! Que a gente gostava quando o leite esfriava o café um pouquinho, rsrs! Bato meus próprios recordes de cara de pauzisse!
   Finalmente, chegamos ao nosso destino: A CHEGADA! Em exatas 24 horas de prova, às 10h da manhã no domingo, cruzamos o pórtico de chegada.
   Pena que não soubemos em qual posição ficamos, porque levamos o GPS para rastreamento, não tinha um PC nos esperando nos pontos de passagem. Achamos que, de 25 duplas, entre masculinas e mistas, ficamos em sétimo ou oitavo, não sei. Mas, exceto pelo trágico remo, fizemos uma ótima prova. Com fluidez, perdemos pouco tempo nas transições e fizemos o melhor que pudemos em todas as modalidades. Nossos Aventureiros também conseguiram cruzar o pórtico de chegada sem desistir, apesar de todas as dificuldades.
   Então só nos restou passar o resto da manhã dormindo no bagageiro do ônibus, até que chegasse a hora de ir. Banho só à noite, no hotel em Vitória. E foi tanta coisa que a gente passou até chegar lá que daria outra resenha.
   Que bom viver mais essa aventura! Que venham muitas outras, muitos treinos, muitos encontros e muitos amigos! Será que não tem mais uma provinha esse ano pra gente correr? Só mais uma...

Comentários

E eu que escrevi, na postagem do Trote que não iria correr na final do CBCA ...
Luciana disse…
Pois é! Nunca diga "dessa água não beberei', rsrs! Corrida de Aventura é um vício.

Postagens mais visitadas deste blog

Desafio dos Sertões 2023- 140km

  Que o Sertão é um dos lugares mais inóspitos à sobrevivência humana, a gente já sabe! Que você precisa ser forte pra enfrentar a caatinga, ter resiliência, coragem, foco, determinação, também. Que o Rio São Francisco é um gigante que impõe, acima de tudo, reverência, sabemos. Querer ir lá pra experimentar tudo isso e ainda gostar, é outra história! E lá estávamos nós, no Desafio dos Sertões, nos 140km de aventura, entre mountain bike, trekking, natação, canoagem, tudo com navegação com mapa e bússola.  Nos últimos tempos, temos alternado bastante os atletas da equipe, menos eu e Mamau, que somos fominhas de prova. Mas, brincadeiras à parte, Vitor e João estão afastados por questões pessoais. Então, Lucas, nosso novinho da Turma 12 da Escola de Aventura, continuou com a gente, depois da Carrasco. Além disso, Arnaldo, da Olhando Aventura, veio fechar o quarteto, reforçando nosso time com sua experiência. Reunimos, alinhamos objetivos, organizamos a tralhas e partimos pra Juazeiro

UTCD 2023- 80km

   Não tenho um pingo de vergonha na cara. Da última vez que fiz a Ultra Trail Chapada Diamantina (UTCD), disse que machucava muito os pés e que preferia fazer Corrida de Aventura… Como se Corrida de Aventura machucasse menos. 😂    Esse ano, eu corri todas as provas do Campeonato Baiano de Corrida de Aventura, menos a Expedição Mandacaru, porque estou envolvida na organização. Então, pra fechar com chave de ouro o meu ano esportivo e comemorar meus 52 anos, decidi correr a UTCD.     Tudo bem! Eu amo correr, mas precisava ser 80km? Aí é que vou contar pra vocês…    Já que eu estava indo e já tinha feito 50km, decidi me desafiar nos 80. Fiz minha inscrição e ainda joguei minha filha no bolo, nos 35km, que depois ela mudou pra 14, por que não estava com tempo pra treinar o suficiente. Eu queria brincar o brinquedo todo!    Depois de um fim de semana de muito movimento na Expedição Mandacaru, lá estávamos nós, na semana seguinte, acampados em Mucugê, de mala e cuia, com boa parte da famíl

Malacara Race 2023- 500km PARTE 1

  Foto: @luiz_fabiano_ibex O que preciso fazer pra ir correr na Malacara? A logística pra enfrentar um desafio como esses é extremamente complexa. Envolve sua vida toda, trabalho, família, parentes e aderentes. A vida dos meus filhos tem que estar toda organizada, preciso tirar férias, tomar mil providências... Nessa lista vem inscrições, passagens, equipamentos, alimentação, agasalhos, uniformes. Coisa doida!😎 A Malacara Race fez parte do Circuito Mundial de Corrida de Aventura, seguindo todas as regras com rigor, principalmente, no que se referiu à conferência de equipamentos. Muita coisa já tínhamos, outras, precisamos providenciar.  Quando eles liberaram o guia com a logística da prova, conseguimos saber quantos estágios seriam, ter ideia da previsão de duração de cada um, o que levaríamos de alimentos, o que encontraríamos quando acabasse cada estágio. Mesmo com toda organização, a cabeça dá um nó. Tive momentos de ficar parada na frente de tanta comida, sem saber o que faz