Pular para o conteúdo principal

O RECOMEÇO!

   A vida nos prega ótimas peças! Tentei fazer umas reflexões sobre minha vida antes do meu aniversário e tomar algumas iniciativas de mudança. Achava que fazer 40 anos era tão mágico, maduro e diferente que algo mudaria radicalmente. No grande dia, uma grande amiga perguntou como me sentia. Respondi que nada de diferente estava acontecendo.
   Naquele dia, abasteci a casa com comida para mais de uma semana. Parecia um preparo para a pausa reflexiva! Pulava numa cama elástica com meus queridos amigos, no auge da felicidade. Lembro que cheguei a me bater com Mauro num daqueles pulos. Senti uma dor de cabeça repentina que me fez pensar em sair. Acho que fui avisada mas, não dei atenção ao sinal. Dois minutos depois, lá estava eu, jogada na cama elástica de tornozelo luxado. Um acontecimento, que parece bobo, me deixou de muletas por muitos dias. A felicidade distrai a gente.
   Treino, só em janeiro. "Repouso, paciência e gelo" foram as recomendações médicas para a cura. A cortical óssea avantajada, devido às provas de Corrida de Aventura, evitou que quebrasse a perna. Sorte a minha! Viva a Corrida de Aventura! 
  O primeiro desafio foi colocar o pé no chão, depois vieram os passinhos logo após cada sessão de fisioterapia. E cada dia era um tantinho melhor do que o outro. A muletas me seguravam nos meus pequenos passos, na minha suave evolução. O humor foi se aquietando, meu coração também. Qualquer evolução era comemorada com um grito, um viva ou uma dança das muletas, rs! 
   Também comemorava a maturidade dos meus filhos e a dedicação da minha querida funcionária. Vibrava com cada atitude deles! Os cafés na cama, os transportes das muletas enquanto descia as escadas, o abrir da porta do carro para eu entrar, o lanche da tarde, o cachorro levado para fora todas as noites, as portas que foram fechadas antes de dormir, o copo d'água. E ainda comemoro porque não acabou. 
   Meus amigos foram extremamente solicitos. Além das inúmeras mensagens e telefonemas, teve os que me levaram ao médico, à pizzaria, ao trabalho, ao banco, à fisioterapia.. (Os táxis também, é claro!) Não sei se algum dia vou ter oportunidade de retribuir tamanha dedicação e lealdade. Tenho a impressão de que OBRIGADA é pouquíssimo! Mas, vou fazer um juramento.. "Prometo abraçá-los e beijá-los todas as vezes que nos encontrarmos e ser uma amiga carinhosa e leal pelo resto da minha vida... até que a morte nos separe."
   A fisioterapia virou um divã para todos os participantes, incluindo os outros pacientes. Lorena é uma criatura  ímpar e esse encontro também não foi por acaso. O que eu tenho rido e conversado nas minhas sessões de fisioterapia "não está no gibi"! É praticamente uma sessão de cura interior.. Um viva ao tornozelo luxado!
   Hoje, dezesseis dias depois, ainda tenho um edema bem localizado. Andei sem muletas pelo quarto, desci as escadas devagar e chorei de emoção quando pisei no chão da sala. Liguei para Lorena, pedindo permissão para ficar sem muletas. Ela foi mais ousada do que eu, me permitindo dirigir pequenos trechos, com recomendações de atenção e que deixasse as muletas dentro do carro para qualquer necessidade. Mas, o dia terminou sem que precisasse delas. Andando como uma velhinha; devagar e sempre. Mas, evoluindo.
   Embora sempre ache que aprendo muito com qualquer sofrimento, o meu dia de hoje foi o "clarear das vistas". A pausa está me proporcionando a verdadeira reflexão dos 40 anos. Aquela que comentei lá em cima e que nunca faria se não tivesse realmente parado. Possivelmente, estaria na minha vida de afazeres de sempre, sem prestar tanta atenção em mim e nem nos meus sentimentos. Muitos afazeres nos deixa desatentos também!
   Entendi que zerei a quilometragem para iniciar um novo ciclo, uma nova caminhada e isso ficará marcado para todo o sempre!
   Agora estou aqui, planejando o feriadão com cinema, pipoquinha, guaraná, pá, pá, pá! Pausa para tomar um café e descansar as pernocas. Se o sol der o ar da graça, arrisco uma chegadinha na praia, com direito a sombra e água de côco. Com as pernas para cima, por favor! E a passos de tartaruga. Mas, tá valendo!
   Amigos! Perdoem se parecer desfeita! Mas, de todos os presentes que recebi de aniversário, sem sombra de dúvidas, esse foi o meu melhor: O recomeço...

Comentários

Isabel Costa disse…
Lu, pessoa querida, sua essência é sonhar e guerrear. Parabéns por mais essa, diferenciada de todas as outras batalhas, minha flor. Abraço apertado!
Marcio Neri disse…
Lindo texto! Um futuro lindo e maravilhoso te espera! Parabéns pelo recomeço! Beijos.
Alex Leite disse…
Cada dia é um novo recomeço e este teu dia se faz sentido graças a uma pausa forçada, e o bom disto é prestar bem atenção e tentar compreender o que o universo quer dizer. Os medos transformam em coragem, a preocupação em idéias, as ânsias em paciência, o desespero em vislumbre de uma vida nova, um recomeço?!!... Muito bem, saúde e força pra você Luciana.
Luciana disse…
Obrigada queridos, por fazerem essa leitura! Sempre com esperança de dias melhores, muitos recomeços e aprendizados! Abraços apertados pra vcs também!

Postagens mais visitadas deste blog

Desafio dos Sertões 2023- 140km

  Que o Sertão é um dos lugares mais inóspitos à sobrevivência humana, a gente já sabe! Que você precisa ser forte pra enfrentar a caatinga, ter resiliência, coragem, foco, determinação, também. Que o Rio São Francisco é um gigante que impõe, acima de tudo, reverência, sabemos. Querer ir lá pra experimentar tudo isso e ainda gostar, é outra história! E lá estávamos nós, no Desafio dos Sertões, nos 140km de aventura, entre mountain bike, trekking, natação, canoagem, tudo com navegação com mapa e bússola.  Nos últimos tempos, temos alternado bastante os atletas da equipe, menos eu e Mamau, que somos fominhas de prova. Mas, brincadeiras à parte, Vitor e João estão afastados por questões pessoais. Então, Lucas, nosso novinho da Turma 12 da Escola de Aventura, continuou com a gente, depois da Carrasco. Além disso, Arnaldo, da Olhando Aventura, veio fechar o quarteto, reforçando nosso time com sua experiência. Reunimos, alinhamos objetivos, organizamos a tralhas e partimos pra Juazeiro

UTCD 2023- 80km

   Não tenho um pingo de vergonha na cara. Da última vez que fiz a Ultra Trail Chapada Diamantina (UTCD), disse que machucava muito os pés e que preferia fazer Corrida de Aventura… Como se Corrida de Aventura machucasse menos. 😂    Esse ano, eu corri todas as provas do Campeonato Baiano de Corrida de Aventura, menos a Expedição Mandacaru, porque estou envolvida na organização. Então, pra fechar com chave de ouro o meu ano esportivo e comemorar meus 52 anos, decidi correr a UTCD.     Tudo bem! Eu amo correr, mas precisava ser 80km? Aí é que vou contar pra vocês…    Já que eu estava indo e já tinha feito 50km, decidi me desafiar nos 80. Fiz minha inscrição e ainda joguei minha filha no bolo, nos 35km, que depois ela mudou pra 14, por que não estava com tempo pra treinar o suficiente. Eu queria brincar o brinquedo todo!    Depois de um fim de semana de muito movimento na Expedição Mandacaru, lá estávamos nós, na semana seguinte, acampados em Mucugê, de mala e cuia, com boa parte da famíl

Malacara Race 2023- 500km PARTE 1

  Foto: @luiz_fabiano_ibex O que preciso fazer pra ir correr na Malacara? A logística pra enfrentar um desafio como esses é extremamente complexa. Envolve sua vida toda, trabalho, família, parentes e aderentes. A vida dos meus filhos tem que estar toda organizada, preciso tirar férias, tomar mil providências... Nessa lista vem inscrições, passagens, equipamentos, alimentação, agasalhos, uniformes. Coisa doida!😎 A Malacara Race fez parte do Circuito Mundial de Corrida de Aventura, seguindo todas as regras com rigor, principalmente, no que se referiu à conferência de equipamentos. Muita coisa já tínhamos, outras, precisamos providenciar.  Quando eles liberaram o guia com a logística da prova, conseguimos saber quantos estágios seriam, ter ideia da previsão de duração de cada um, o que levaríamos de alimentos, o que encontraríamos quando acabasse cada estágio. Mesmo com toda organização, a cabeça dá um nó. Tive momentos de ficar parada na frente de tanta comida, sem saber o que faz