Pular para o conteúdo principal

É mais fácil fazer Corrida de Aventura!



Esporte de luta não é a minha praia. Já fiz capoeira e amava! Os outros me parecem violentos, provavelmente por ter quase nenhum conhecimento. Me dá aflição quando vejo o pessoal se pegando.

Então vem a sofrida experiência de mãe...

Tiago ficou animado em participar da competição de Judô! Vale ressaltar que a animação de dele se resume em "-Mãe, acho que vou competir no Judô. Você me dá R$30,00?" Sem exclamações por favor! Aí sou eu quem tem que procurar saber quando, como e onde. Senão o assunto morre ali mesmo! De morte súbita.

A competição era no sábado. Na sexta, nada estava definido. O professor não foi na quarta, não confirmou a inscrição. Mas, no fim das contas, quem teve problemas no sábado fui eu! Meu carro quebrou e nem poderia levá-lo se não tivesse uma vizinha e amiga que me empresta o carro todas as vezes que preciso.

Pessoal! Tenho que confessar uma coisa. Morrrro!!! de aflição!!!! em assitir campeonatos de luta!!! Fico com dó de quem tá perdendo. Tenho vontade de ir lá separar o pessoal e mandar parar tudo! Começo a me espremer na cadeira! Agora imaginem a luta do meu filho?! Queria que ele vencesse, é claro! Mas, queria que ninguém saísse muito machucado.

E lá estava eu, sentada na primeira fila, quando Tiago se posicionou diante de um menino do tamanho dele com uma faixa acima da dele. Fiquei ali pensando que era melhor se ele não se impressionasse com a cor da faixa do adversário como me impressionei. Se eu fosse lutar, fingiria que não tinha visto. Mas, era meu filho! Tive medo da reação dele, embora conheça muito bem aquele garoto que saiu da minha barriga.

Tiago esteve bem tranquilo durante todas as lutas até chegar a sua hora. Ficou ali, conversando com os amigos, comentando alguma coisa, atento a alguns detalhes. Mas, na dele. Na sua hora, levantou, ficou em frente ao adversário, cumprimentou-o e partiu para a luta de forma muito tranquila. Parecia que tinha planejado tudo! E eu ali, sofrendo, sem entender nada. Sequer sabia quem estava ganhando! Nunca vi nenhum treino. Os treinos da escola são fechados e fazem parte da aula de esporte. Aflita, perguntei para a minha vizinha como se ganhava a luta. Então não pode tocar as costas no chão!? E torci pra Tico não tocar as costas no chão, mesmo sabendo que tem outras regrinhas.

Vi outras lutas! Vi crianças saindo chorando do tatame! Fiquei aflita com tudo o que via! Nem parecia a mulher retada que adora uma aventura. Quando se trata de filho, o negócio é bem diferente.

Tico ganhou as duas lutas, vencendo sua categoria! Fiquei toda orgulhosa! Tirei um monte de fotos e dei uma de mãe coruja naquele dia. Se contar que, toda festinha que tem, esqueço de levar a câmera, vocês acreditam? Pois é! Esqueço! Mas, agora, com meu celular que manda fax, email, faz cafezinho, me pergunta como estou me sentindo e ainda tira fotos... cada golpe é um flash!

Mas, aqui pra nós, esse negócio de ser mãe é mais sofrido do que fazer Corrida de Aventura! O coração fica apertado!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desafio dos Sertões 2023- 140km

  Que o Sertão é um dos lugares mais inóspitos à sobrevivência humana, a gente já sabe! Que você precisa ser forte pra enfrentar a caatinga, ter resiliência, coragem, foco, determinação, também. Que o Rio São Francisco é um gigante que impõe, acima de tudo, reverência, sabemos. Querer ir lá pra experimentar tudo isso e ainda gostar, é outra história! E lá estávamos nós, no Desafio dos Sertões, nos 140km de aventura, entre mountain bike, trekking, natação, canoagem, tudo com navegação com mapa e bússola.  Nos últimos tempos, temos alternado bastante os atletas da equipe, menos eu e Mamau, que somos fominhas de prova. Mas, brincadeiras à parte, Vitor e João estão afastados por questões pessoais. Então, Lucas, nosso novinho da Turma 12 da Escola de Aventura, continuou com a gente, depois da Carrasco. Além disso, Arnaldo, da Olhando Aventura, veio fechar o quarteto, reforçando nosso time com sua experiência. Reunimos, alinhamos objetivos, organizamos a tralhas e partimos pra Juazeiro

UTCD 2023- 80km

   Não tenho um pingo de vergonha na cara. Da última vez que fiz a Ultra Trail Chapada Diamantina (UTCD), disse que machucava muito os pés e que preferia fazer Corrida de Aventura… Como se Corrida de Aventura machucasse menos. 😂    Esse ano, eu corri todas as provas do Campeonato Baiano de Corrida de Aventura, menos a Expedição Mandacaru, porque estou envolvida na organização. Então, pra fechar com chave de ouro o meu ano esportivo e comemorar meus 52 anos, decidi correr a UTCD.     Tudo bem! Eu amo correr, mas precisava ser 80km? Aí é que vou contar pra vocês…    Já que eu estava indo e já tinha feito 50km, decidi me desafiar nos 80. Fiz minha inscrição e ainda joguei minha filha no bolo, nos 35km, que depois ela mudou pra 14, por que não estava com tempo pra treinar o suficiente. Eu queria brincar o brinquedo todo!    Depois de um fim de semana de muito movimento na Expedição Mandacaru, lá estávamos nós, na semana seguinte, acampados em Mucugê, de mala e cuia, com boa parte da famíl

Malacara Race 2023- 500km PARTE 1

  Foto: @luiz_fabiano_ibex O que preciso fazer pra ir correr na Malacara? A logística pra enfrentar um desafio como esses é extremamente complexa. Envolve sua vida toda, trabalho, família, parentes e aderentes. A vida dos meus filhos tem que estar toda organizada, preciso tirar férias, tomar mil providências... Nessa lista vem inscrições, passagens, equipamentos, alimentação, agasalhos, uniformes. Coisa doida!😎 A Malacara Race fez parte do Circuito Mundial de Corrida de Aventura, seguindo todas as regras com rigor, principalmente, no que se referiu à conferência de equipamentos. Muita coisa já tínhamos, outras, precisamos providenciar.  Quando eles liberaram o guia com a logística da prova, conseguimos saber quantos estágios seriam, ter ideia da previsão de duração de cada um, o que levaríamos de alimentos, o que encontraríamos quando acabasse cada estágio. Mesmo com toda organização, a cabeça dá um nó. Tive momentos de ficar parada na frente de tanta comida, sem saber o que faz