domingo, 21 de outubro de 2012

FAXINA DA ALMA!


   Quantas reflexões vem aí! 


   Aniversário chegando, mais um ano de vida (Ufa, que bom que tenho mais tempo de felicidade!) e muitos aprendizados. Muitos mesmo! Ano passado, estava animadíssima com a chegada do meu aniversário! Cheia de expectativas para a chegada dos meus 40. Nossa! A chegada dos 40 é um acontecimento! E aconteceram tantas coisas que nem conto. Aliás, não conto outra vez! Está em alguma postagem dessas por aí. Torci o tornozelo no meu aniversário de 40 anos e minha vida virou de pernas pro ar, literalmente! Bom! Talvez seja até mais legal de pernas pro ar! Quem sabe? Até que não foi tão ruim...
   Agora estou aqui, perto do meu aniversário de 41, sem expectativas. Meu mês de outubro foi tenebroso! Cheio de atividades, de trabalho, de doenças de filho, de notícias ruins.. Um verdadeiro pesadelo, rs!... Aiai! Eu rio na cara do pesadelo! Tenho que rir!
  E dizem que é o inferno astral! Que quando chega o mês do aniversário, a pessoa se atrapalha toda e acontecem muitas coisas ruins. Putz! Tomara que acabe logo esse negócio de inferno astral! Estou sem tempo pra viver outras coisas. O inferno astral está me consumindo...
   Talvez seja até melhor ter menos expectativas porque a vida acaba lhe surpreendendo...
   Passarei 3 dias da semana em Brasília e 3 em São Paulo. Tudo à trabalho! E só vou em casa para não deixar de receber o abraço dos meus filhos no dia do meu aniversário. Talvez isso não seja tão ruim! São oportunidades de trabalho que podem me trazer aprendizados importantes. E ainda vai dar tempo de abraçar as crianças!! Ahhhh! Tá bom demais! 
   Tenho tantas coisas pra escrever... Parei de escrever! Tem tanto tempo da última vez!
   Voltarei em breve, com mais frequencia. 
   Enquanto isso, colo um texto do Carlos Drumond de Andrade só para lembrar de que tudo na vida passa! Principalmente, o sofrimento. Que é passageiro, lembram?! Que a vida é feita de escolhas e ser feliz nunca pode deixar de ser prioridade.
   Já tô começando a faxina!!!

FAXINA DA ALMA



Não importa onde você parou, em que momento da vida você cansou.



Recomeçar é dar uma nova chance a si mesmo, é renovar as esperanças na vida e, o mais importante, acreditar em você de novo. Sofreu muito nesse período? Foi aprendizado. Chorou muito? Foi limpeza da alma. Ficou com raiva das pessoas?

Foi para perdoá-las um dia. Sentiu-se só por diversas vezes? É porque fechaste a porta até para os anjos.

Acreditou que tudo estava perdido? Era o início da tua melhora.

Pois é... agora é hora de reiniciar, de pensar na luz, de encontrar prazer nas coisas simples de novo.

Um corte de cabelo arrojado diferente, um novo curso, ou aquele velho desejo de aprender a pintar, desenhar, dominar o computador, ou qualquer outra coisa. Olha quanto desafio, quanta coisa nova nesse mundão de meu Deus te esperando... Tá se sentindo sozinho? Besteira, tem tanta gente que você afastou com o seu "período de isolamento".

Tem tanta gente esperando apenas um sorriso teu para "chegar" perto de você. Quando nos trancamos na tristeza, nem nós mesmos nos suportamos, ficamos horríveis. O mau humor vai comendo nosso fígado, até a boca fica amarga. Recomeçar...

Hoje é um bom dia para começar novos desafios.

Onde você quer chegar? Alto? Sonhe alto! Queira o melhor do melhor. Queira coisas boas para a vida. Pensando assim, trazemos prá nós aquilo que desejamos.

Se pensamos pequeno, coisas pequenas teremos. Já se desejarmos fortemente o melhor e, principalmente lutarmos pelo melhor, o melhor vai se instalar na nossa vida. E é hoje o dia da faxina mental.

Jogue fora tudo que te prende ao passado, ao mundinho de coisas tristes. Fotos, peças de roupa, papel de bala, ingressos de cinema, bilhetes de viagens e toda aquela tranqueira que guardamos quando nos julgamos apaixonados.

Jogue tudo fora, mas principalmente esvazie seu coração. Fique pronto para a vida, para um novo amor.

Lembre-se, somos apaixonáveis, somos sempre capazes de amar muitas e muitas vezes, afinal de contas, nós somos o "Amor".

Porque sou do tamanho daquilo que vejo, e não do tamanho da minha altura.

Carlos Drummond de Andrade