terça-feira, 30 de novembro de 2010

Penélopes na Área!

Olha! Foi tão divertido! Que corrida deliciosa!

Muitos Aventureiros do Agreste se embrenharam pelos matos nesse fim de semana. Tadeu correu com Ígor, Mauro com um outro Ígor, Manu foi com Ítalo, Fernando com a namorada Adriana, Lucy levou Vânia(outra dupla feminina) e eu com Gabi de Penélopes.

Lá estávamos nós, na linha de largada da Explorer. Pena que poucas mulheres se aventuram a correr sozinhas e o resultado é que somos inseridas na categoria de duplas mistas.

Gabi é uma figura! Sem treino havia 15 dias, mas tira o sangue de onde não tem pra competir. Eu nem preciso falar... sempre quero ficar ali, no meio do bolo. Não tem jeito! Somos movidas a pilha! Claro que em Corrida de Aventura nunca se sabe o que pode acontecer. Cantar de galo antes de terminar uma prova é uma grande falta de noção das variantes.

O primeiro trecho da prova era um trekking dentro da Fazenda São Lucas, na Linha Verde, em Sauípe. Junto com as mais de 30 duplas, entre meninos e meninas, saímos no trotezinho para achar o PC1, que ficava num cruzamento de trilhas bem marcadas. Passando entre dois lagos, numa clareira depois da trilha, estava o PC2. O mapa tava tão bem feito que não dava pra errar muita coisa. Coqueiral, vegetação densa, lagos, eucalipto, estava tudo desenhado.

O PC3 ficava numa área alta no meio do coqueiral. E, no meio da galera, estava a Srta. Lucy Helena numa ousadia só! Vocês sabem? Aquela Penélope que estava fazendo umas provas de orientação comigo pra aprender a navegar! Toda vez que a gente se encontrava eu dizia do seu atrevimento. E não foram poucas vezes que nos encontramos. Elas pegaram vários PCs em nossa frente. Está navegando horrores! Eu criei um monstro!

PC4 na beira do riacho. E o 5 traquilex! Maaaaas, pra não dizer que não teve emoção, perdemos a trilha de volta pra fazenda. RS! Fiz um azimute e caí pra dentro do mato. Gabi dizia: “Lu! Você tem certeza de que é por aqui? Estamos fazendo muito zig zag.” Tava tudo dominado! No final do matagal todo, apareceria uma estradinha. A estrada apareceu depois que arranhamos até a alma. A perna de Gabi escorria sangue. Eu tinha espinhos nos tornozelos que pareciam agulhas de acumpultura. Fui tirar o último em casa, já enrolada na coberta pra dormir.

O calor tava demais! Um abafamento doido! E para a alegria do povo e a felicidade geral da nação, tinha um chuveirão no PC6. Um chuveirão delícia! Gabi ainda teve tempo de paparicar os filhotes lindos que fizeram o maior sucesso durante a prova.

Já de bicicleta, entramos numa trilha com bastante areia e umas ladeirinhas boas. O sol derretia nossos miolos! Faltou sombra naquele lugar. Para onde foram as árvores? Batemos o PC7 depois de Lucy, inclusive, rs! Ela já estava saindo quando chegamos lá. No caminho para o PC8 tivemos a companhia de umas duplas que ficavam competindo as ladeiras com a gente. Aproveitamos para comprar um guaraná ultra-gelado numa venda (na roça não é bar, é venda) ao lado da igreja/PC e dividimos com a galera toda.

O PC9 era uma área de transição para trekking e mudança de mapa. Essa do mapa foi ótima! Eu enxerguei o mapa de 1:7500 como um de 1:75000. Fiz todas as contas como se fosse andar muito mais. RS! Quando descemos a trilha, logo percebi o erro porque a vegetação mudou e tudo chegou muito antes do previsto. O detalhe é que, antes de largar, Mauro chegou atrasado ao briefing e pegou meu mapa pra copiar. KKKK! Fiquei imaginando a cara de “nada” que ele deve ter feito quando percebeu que fiz tudo errado!! Deve ter se retado!

Vamos lá! PC10 beleza! PC11 era a parada para tiroleza, canoagem e natação. Gabi foi para a tiroleza, eu nadei. Só que ela deu uma caruara lá em cima! Achei estranho não vê-la descendo, já que é bem mais corajosa do que eu, enquanto duas pessoas que chegaram depois faziam o percurso. Mas, no fim das contas, deu tudo certo! Ela desceu e pronunciou todos os palavrões do universo. E ainda foi paparicar as crianças pra relaxar, enquanto eu tava lá esperando pra remar. RS! Uma cara de pau!

Aí a canoa canadense quase virou com as Penélopes do Agreste! Cheias de técnica e de ginga, o que era pra ser uma voltinha no pau da bandeira, demorou um pouquinho. De lá fizemos mais uns trechos lindos de trekking. Era um lugar cheio de trilhas, com pontes estreitas, riachos, subidas, descidas e muita árvore. E enquanto a gente andava, tricotava. Teve uma hora em que fomos conversando e passando do caminho. Gilson, Calangos, quem gritou: “Ei! Vão pra onde!?” Mulher quando se junta é uma viagem! Coisa é quando correm as quatro!

O arvorismo foi no PC17. Eu subi lá cheia de molejo pela escada toda bamba! Depois de muito balançar por cima daquelas árvores, desci de rapel e fomos embora para o PC18. Íamos pela trilha mais marcada, mas Gabi me convenceu a pegar o caminho mais curto, já que o rio era raso. Ótima sugestão!

PC18, PC19, onde voltamos para as bikes no meio de um monte de equipes. Ali estavam mais duas(equipes mistas) que competiam diretamente com a gente o segundo lugar na prova. Nesse momento, todo mundo botou sangue no olho e começou a pedalar com mais força. Pra pegar os PCs 20 e 21 foi uma correria. Faltavam menos de 3km de asfalto para a chegada quando Gabi começou a gritar com câimbra. Nossa! O sofrimento de uma pessoa com câimbra é horrível! Incrível como conseguiu superar! Procuramos ficar tranqüilas, não parar, pedalando mais devagar, fazendo vácuo. Eu também não tava essas “coca-cola” toda! Mas, mesmo assim ainda ficamos a apenas 1 minuto do terceiro colocado.

Foi uma ótima prova! Corrida de Aventura é tudo de bom! Esse contato com a natureza recarrega todas as energias. E quem precisa de terapia fazendo um esporte desses?

sábado, 27 de novembro de 2010

Prontas para a festa!?

Ficha de inscrição- OK
Termo de responsabilidade- OK
Ficha médica- OK
Comprovante de pagamento- OK
Tem que preencher tudo pra levar para o check in.
A bicicleta tem que estar revisada e com uma bolsinha contendo um kit básico pra trocar pneu, se precisar. Ai meu Deus! Tomara que não precise!
Não pode esquecer de levar a bússola! Pra saber pra que lado corre, sabe!!?? Mesmo assim ainda se corre pra o lado errado. Ai minha Nossa Senhora do Caminho Certo, me ajude!
Água e comida não podem faltar na festa! Umas barrinhas de cereal ou uns gels de carboidrato. Acho que quatro dessas comidinhas tá de ótimo tamanho! Uma barrinha por hora com sobra pra o caso de demorar mais um pouquinho. E tem que beber uns goles de água a cada 30 minutos. Hidratação é fundamental! Serve a da garrafinha da bicicleta e uma mochilinha de hidratação.
O tênis tem que ser confortável. Se for mais velhinho é até melhor. A roupa também tem que cobrir as pernas e os braços, caso contrário a pessoa volta toda lapiada.
No mais é ver onde será a largada, onde vamos deixar as bicicletas, ouvir as instruções da organização, olhar o mapa e partir pro mato!
As Penélopes estarão presentes em dupla de meninas- Eu e Gabi. Já Saroca vai correr com Manu, trazendo uma turma da Monsanto pra se apaixonar pelo esporte. E Lucy vai fazer uma dupla mista com Fernando.
Nos veremos amanhã na linha de largada!

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Conversa com os universitários





Tadeu, nosso queridíssimo atleta da Aventureiros do Agreste, me fez o convite pra dar uma pequena palestra na Faculdade Unime, onde ele faz Educação Física e apresentaria um trabalho sobre Corrida de Aventura.

Não tinha como recusar e também não tinha como não trabalhar. Eu adoro falar de Corrida de Aventura! Só que os dois eventos aconteceriam às 9:30h. Pôxa! Aí a pessoa fica toda perdida! Liguei pra Tadeu na esperança do babado da Faculdade acontecer mais cedo ou mais tarde. Nada! Pro trabalho... “sim é esse horário mesmo!”

Fazer o quê? Recorrer a Zé, meu anjo da guarda. Afinal, só anjo da guarda para resolver problemas, aparentemente, sem solução. Só tive o cuidado de avisar a ele(Zé) que queria fazer as duas coisas, mas, se alguma delas não desse certo, provavelmente não era para acontecer. Fazer duas coisas ao mesmo tempo é super complicado!

Fui trabalhar em meio aos telefonemas de Tadeu, sempre dizendo que tentaria deixar a minha fala para o final, que tava no começo, no meio. Ao final do meu trabalho, liguei pra saber se dava tempo. Tadeu perguntou ao pessoal se eles esperariam e todos concordaram. No fim das contas deu tudo certo!

Eu já disse que adoro falar de corrida de aventura? Rs! Pois, eu falei tanto que Tadeu teve que avisar do adiantar da hora. Contei minhas experiências do começo, do meio e as atuais como corredora. Como tudo começou e o que mudou em minha vida depois da Corrida de Aventura. Espero mesmo que tenha contribuído para o trabalho do nosso amigo. Mais ainda! Espero ter atraído uns gatos pingados para o nosso esporte, que precisa de novos atletas para continuar existindo. Também tenho que agradecer pelo convite, ao professor e aos alunos por me esperarem. Fiquei toda feliz!

Como era mesmo que seria a minha tarde? Tranquila?! Pois é! Almocei, levei filhinha na escola, fui ao mercado, ao banco. Depois fui comprar umas tralhas de violão pro mais velho, passei pra comprar água mineral. Ufa! Corri 6km. Levei o grandão com o amigo pra fazer um lanche, peguei filhinha na escola, levei o amigo em casa...

Qualquer semelhança com uma Corrida de Aventura é mera coincidência. Correr é fácil! Difícil é administrar essa vida louca vida! Tem que ser Agreste... e Penélope!

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Por falar em Explorer...



Vai ter uma dupla de Penélopes na Corrida Explorer do dia 28 de novembro. Eu(Luciana) e Gabriella vamos representar o quarteto.
As duas sem muito treino. Todo mundo sem tempo! Mil atividades do dia a dia que nos deixam de cabelo em pé! Coisas de mulher mesmo! De Penélopes! Vamos ter que botar o lado Agreste pra fora e rebolar pra não fazer feio..
Aguardem cenas dos próximos capítulos...

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

SAIA DA TERAPIA!

Quer parar de tomar remédio pra emagrecer? Parar de tomar calmantes para dormir!? Dar um tempo da terapia? Curtir a natureza? Competir? Então você chorou no pé do caboclo certo, na hora certa!
Dia 28 de novembro vai rolar uma prova de Corrida de Aventura massa na região de Sauípe, Litoral Norte da Bahia!

A Explorer!

Serão 30km de Aventura numa prova focada na captação de novos atletas.

Modalidades:
Orientação com mapa e bússola
Trekking
Mountain Bike
Canoagem (prova especial)
Técnicas Verticais (Arvorismo, Tirolesa e Falsa-Baiana)
Natação (modalidade a ser confirmada)

Tem mais!! A Federação Bahiana de Corrida de Aventura está apoiando os novos atletas que querem participar com oficinas de navegação e mountain bike. Entre no site da FBCA e saiba de tudo!

As inscrições serão até o dia 19 de novembro. Corra pra não perder a oportunidade de sair da terapia.
Os mais velhos estarão lá para dar uma força e não parar com o vício de Aventura.

Corrida de Aventura é psicologia pura!

Mais informações:
www.fbca.com.br
www.circuitoexplorer.wordpress.com

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Cuidado! Muito cuidado! Penélopes surfando!


   Na verdade não foi bem surfaaaarrrr!
   Saroca, Manu e Ítalo foram surfar hoje. Fiquei toda animada! Peguei a prancha e uma camisa de surfista de Tiago, meu filho de 12 anos, e fui à praia de Piatã encontrar com eles.
   Por ter assistido a umas aulas do meu filhote, achei que a coisa pudesse ser um pouquinho menos difícil. Ítalo e Saroca já surfam. Manu estava entrando na água pela segunda vez, mas parecia bem familiarizado. Ítalo me deu uma aula teórica rápida. Simulei levantar da prancha duas vezes e entrei no mar no melhor estilo “heroína das águas”.
   Tomei o primeiro caldo logo na beira. Já machuquei os joelhos! Muito engraçadinho! Não conseguia sequer ficar em cima da prancha, muito menos parar de rir. Um, dois, três... vinte e oito caldos. Remando pro fundo, o banho de mar já valia por tudo! As pernas não ficavam paradas e todo o esforço resultava em mais um caldo.
   Ufa! Conseguimos chegar até o local combinado. Então veio a hora de tentar ficar sentada na prancha pra esperar a melhor onda! Mais 57 caldos. Eu me embolava com a prancha parecendo brincadeira de criança. Caía pelo lado, por trás, de todo jeito. Ela fugia de mim!
   Quando perguntei a Saroca qual era mesmo a melhor onda, ela me respondeu que a pessoa sentia na hora. "Hummm! Sei! Parece viagem de surfista."
   Enquanto isso, os três pegavam umas ondas de vez em quando. Manu quaaaase ficou em pé! E eu tentando pegar um jacarezinho, pelo menos. Foi então, depois de 324 caldos, que consegui acompanhar a onda remando. Uhuuuu! Tô conseguindo... ops! Tomei uma surra da prancha! Só não sabia que Saroca tinha pegado a mesma onda que eu, tadinha! Acabou sobrando pra ela bem na cabeça!
   Quando consegui me recompor e resgatar a prancha, Ítalo estava me chamando de doida. Disse que eu tinha dropado a onda e só me lenhei no final, quando o bico da prancha foi pra baixo. Viu tudinho. 
   RS! Na verdade, verdade, verdade mesmo, eu nem sabia o que tinha acontecido. O negócio foi tão rápido quanto um acidente de carro. A pessoa perde a memória na hora em que acontece. Pensei em perguntar se alguém tinha anotado a placa do caminhão que me atropelou. Lembro-me que tava remando e pegando jacaré... a onda veio e tchibum! Me estaboquei toda! Bati a cabeça, as pernas, engoli uns cinco litros de água e ainda machuquei Sarcoca. Mas a sensação foi boa! De água lavando a pessoa por dentro, sabe?.
   Depois dessa, preferi sair da água para evitar mais acidentes. Mas ainda saí tirando onda, segurando a prancha com jeito de quem sabe surfar e faz tudo conforme planejado. Rs!
   Uma cicatriz quer dizer “eu sobrevivi”. Vou tentar mais vezes e vou sobreviver!

domingo, 14 de novembro de 2010

INVENTANDO ARTE

Gabi sempre diz que Mauro vive inventando arte! Eu costumo completar a frase, dizendo que ele vive inventando arte e me dando trabalho.

No meio da semana ele mandou um email para o grupo Aventureiros do Agreste dizendo mais ou menos assim:

“Pessoal! Estou querendo fazer um treino de técnicas verticais na casa de Luciana ou de Marcelo. Podemos usar o tanque para o treinamento e fazer um churrasquinho na piscina.”

A pessoa convida uma galera pra comer churrasco na casa da outra pessoa na maior cara de concreto! Já sabem pra quem sobrou a incumbência de fazer o churrasquinho?

Pois é! Adoro absorver atividades!

Depois da Eco Run, Lucy e eu fizemos uma outra Maratona para comprar os ingredientes do churrasco do treino de Técnicas Verticais. Quando chegamos à casa de Marcelo, a turma já tava toda lá, esperando a carne para assar. Mauro tava pendurando gente nas cordas, as crianças tomavam banho de piscina e nós corríamos para fazer o diacho do churrasco.

A idéia era subir fazendo ascensão e descer de rapel no tanque da casa de Marcelo. E ficar na piscina comendo e batendo papo pra não perder a viagem.

Maíra e Ígor estavam na maior pressa! Fizeram o treino e foram embora. Nem pudemos ficar assistindo ao desempenho deles. Fernando e Tetsuo subiram pelas paredes direitinho, e desceram também. Ficamos assistindo, rindo, tirando fotos.

Depois veio a vez de Lucy, que também não fez feio. Teve um trabalhinho no começo. Fred fazia pirraça o tempo todo, o que acabou até estimulando a sua subida. No meio do caminho, Tetsuo resolveu fazer uma arte, quebrou a torneira do jardim e todos esqueceram Lucy pendurada na corda pra fazer o reparo. Mas, no frigir dos ovos, as coisas se resolveram.

Então eu subi. Acho até que fiquei mais à vontade do que da última vez há mais de três anos. Lá em cima não teve jeito! Tenho a maior agonia de altura. Evitei olhar pra baixo. Só sosseguei depois que Mauro me prendeu na corda do rapel e fui para a terra firme. Mas eu sei disfarçar bem o meu medo...

Então veio hora de Fred subir. Cheio de desculpas esfarrapadas “que não estava bem”, “que não tinha short”, “que uma dor no pé”. Pronto! Lucy emprestou o seu micro short e ele teve que ir. É claro que a subida foi parecida com a dos outros, mas o shortinho ficou muito engraçado.. Estou aguardando autorização para postar a foto.

O encontro foi mesmo uma ótima idéia! A “invenção de arte” virou uma bela e divertida confraternização. Pudemos treinar sem abrir mão da companhia da família, que estava lá à beira da piscina, comendo churrasco e se divertindo com a gente.

Que bom que Mauro adora inventar arte!

ASCENSÃO E RAPEL



























Ascensão: Técnica de subida em corda feita por nós ou aparelhos auto-blocantes. É de extrema necessidade que você saiba dominar esta técnica, pois nas grandes conquistas e em casos de transposição de cabos, é muito importante fazer da maneira correta.








A Técnica Rapel

Palavra Francesa que significa trazer, recuperar, voltar. Técnica aplicada em descida vertical em corda por grupos de operações, esportistas e pessoas comuns do mundo inteiro. As técnicas podem ser aplicadas em várias situações e terrenos como: retorno de uma escalada, resgate, intervenções de forças especiais, cachoeiras, prédios, pontes e outros tipos de descidas.

A descida vertical em corda consiste em uma série de procedimentos e condutas. É preciso estar preparado psicologicamente e fisicamente, pois o rapel proporciona uma perda de energia potencial gravitacional por ser uma descida vertical em corda, na qual a pessoa desliza de forma controlada, vencendo obstáculos onde a ação da gravidade é superada e controlada pela técnica e pelo prazer.

O equipamento de segurança é o principal requisito para a pratica de uma atividade vertical. Deve estar sempre em boas condições, ser de boa marca, procedência e passar sempre por uma manutenção, que é simples.

No Rapel a adrenalina está na descida onde o praticante poderá faz manobras com a cadeirinha invertida, fazendo descidas com ou sem velocidade, mas com total segurança.



www.meuartigo.brasilescola.com.br



Atenção! Penélopes correndo!



























É verdade! Preciso arrumar mais tempo pra movimentar esse Blog!

No fim de semana passado nós, Penélopes, fizemos a Corrida Brasken Eco Run. A Monsanto, também patrocinadora do evento, nos presenteou com inscrições.

Os treinos têm sido leves, mas a coragem é forte! A cara de pau é maior ainda! Eu, Lucy e Gabi escolhemos o percurso de 10k e metemos as caras (de pau).

O Stand da Monsanto estava uma chiquêza só! Pulseira, segurança, café da manhã com frutas e pães, sanitários químicos exclusivos e massagistas à nossa disposição para a volta da corrida. Muito bacana!

Depois do alongamento, nos dirigimos ao pórtico de largada. As meninas preferiram ficar na terceira faixa e eu fui com as "Marias", apesar de achar que sempre posso mais do que realmente posso. Rs! Por mim, iríamos lá pro pelotão Quenia. Podem rir!

Engraçado! Sempre acho que vou ganhar alguma coisa! Nunca perdi a esperança de nada. É uma característica de criança que me acompanha de outras existências, provavelmente. Mesmo tendo a certeza de que não treinei o suficiente, acho que posso beliscar um pódium. Olha gente! Não sou muito normal não! Comecei a treinar corrida aos 35anos! Antes disso nem corria na esteira com medo de escorregar e pagar mico na Academia. Sou meio cara de pau mesmo!

Continuando...

Largamos num bolo tão grande que a nossa largada de verdade só aconteceu mais de um minuto depois. Saímos aquecendo bem de leve, fiz uns 500 metros com as meninas e me despedi. Rs! Saí pinotando pelo asfalto afora do jeito que gosto! Livre! Pedindo licença até que cheguei a um ponto em que tinha menos gente.

Corri! Corri! Corri! As meninas também! E fizeram uma ótima prova! O sol tava super forte, parecendo que era meio dia. O asfalto soltava um bafo quente de baixo pra cima que tava um horror!

Lucy está começando a conhecer o seu poder e a cada dia percebe que consegue mais! Nem sabia segurar o guidão da bicicleta. A cada dia encara provas maiores! Trabalha feito louca, mas tem tempo de fazer natação, de correr, pedalar, remar e ainda tomar café com as amigas solitárias.

Gabi está retomando a sua forma! Toda sem tempo de treinar, cheia de filho pendurado..rs! Quase da mesma idade (1 e 2 anos). Costumo dizer que são quase gêmeos! Além disso, está cheia de desafios profissionais que a deixa de cabelo em pé!

Eu!? Conto como comecei a fazer Corrida de Aventura em outra postagem porque senão não vou parar de escrever e ninguém vai agüentar ler tanta coisa.

Classificação oficial:

Lucy

Geral: 754

Sexo: 136

Categoria: 33

Gabi

Geral: 575

Sexo: 79

Categoria: 15

Luciana

Geral: 176

Sexo: 7

Categoria: 2

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Diário de Bordo do Feriado de Finados


Passageiros do vôo de sábado à noite: Tiago, Tila, Lucy e Luciana.
Viagem tranqüila. Crianças comportadas. Metade dos adultos dormiu da decolagem até o pouso. Não fui eu! RS! Descemos em Fortaleza às 22:30h. O hotel ficava a uma quadra da Av. Beira Mar, na Praia de Meireles, onde rola(do verbo rolar, please!) o movimento da feirinha da orla. A saída para comer alguma coisa já nos permitia ver como estava a cidade, mesmo tarde da noite. As barracas já fechavam, mas tinha muita gente na rua.
Pela manhã, depois de um treino de corrida e de blá, blá, blá de Penélope, alugamos um carro e fomos ao Beach Park. Eu guiava enquanto Lucy navegava no mapa, determinando o caminho a seguir. Estrada muito bonita, por sinal, cheia de dunas, rios, charcos, um céu azul forte, vegetação peculiar. As crianças animadas aproveitavam para curtir a paisagem.
O Beach Park fica ao lado de uma grande barraca de praia, num lugar cheio de coqueiros. O preço do ingresso é salgadinho! Ainda precisa pagar armário e colocar créditos num cartão de consumo para não ficar com dinheiro na mão lá dentro. No fim das contas fica bem prático! Você põe seus bagulhos no armário, pendura a chave no braço e o cartão com os créditos de consumo no pescoço e cai na água. Pura diversão! Uma gostosura! Água pra todo lado e muitas opções de brinquedos. Vale à pena!
As crianças foram dar uma volta enquanto eu e Lucy providenciamos guardar as coisas e um lugar pra fazermos um lanche. Depois da partilha do cachorro quente, combinamos o mesmo lugar para reencontro. Tila saiu afoita à procura do irmão. Todos ávidos por aproveitar o tempo.  
Eu e Lucy fomos dar uma volta naquelas bóias na piscina com correnteza. Tudo ficaria sem graça se Lucy não tivesse travado uma verdadeira batalha com a bóia. Uma situação completamente hilária! Ela tentava subir, a bóia virava e lhe dava um caldo. Eu não conseguia parar de rir! Minha bóia já tava seguindo na correnteza, tive que segurar numa pedra pra assistir à cena. E, só depois de 1354 tentativas e muita gargalhada, ela ganhou a batalha.
Hummm! Estranho que Tila não apareceu no lugar combinado! Resolvemos subir num brinquedo e voltar para esperar. Olha quem a gente encontra: Tiago, dizendo que não estava com Tila. Pensei: “Minha filhinha! Será que ela está brincando tanto que não se lembrou de voltar?” Preferi acreditar que sim, mas minha intuição dizia que não. Preferi descer no brinquedo antes de começar a procurar, já que tinha vencido uma fila enorme.
Resolvemos então nos separar para a busca. Fiquei parada no lugar marcado, Tiago foi para um lado e Lucy foi para o outro.  Fiquei ali por alguns minutos, ansiosa. Vem um rapaz em minha direção e pergunta se eu estava procurando uma menina morena que estava na portaria. Ô gente! Fui até lá tentando manter o equilíbrio. Que reencontro de alívio e dor! Ficamos paradas, abraçadas em silêncio por um tempo para aliviar a tensão até eu dar aquela bronca por não ter ficado no lugar que combinamos.   
Voltamos a brincar dessa vez sempre juntos!
A volta foi uma graça! As crianças acabadas cochilaram. E nós ficamos embananadas para voltar ao hotel. Engraçado que adoro navegar e tenho noção de (quase) tudo quando estou com o mapa na mão. Mas não decoro um caminho sequer, se não prestar bastante atenção! Lucy falava todos os nomes de rua, mas aquilo me dava um nó na cabeça! Tico e Teco estavam num desencontro doido! Depois de um tempinho, (ufa!) chegamos. E de lá saímos apenas para comer.
Acordamos bem cedinho para outra corridinha básica! Dessa vez 10km só pra não ficarmos enferrujadas! Pegamos a estrada para Canoa Quebrada. Só que sem pressa pra chegar até lá. Curtindo cada momento, cada paisagem. Paramos em Morro Branco. Lugar com uma paisagem peculiar, com um labirinto de falésias belíssimo! As crianças ficaram loucas com o carrinho de sorvete que apareceu no meio das dunas. E nós também!
Pôxa! Que passeio gostoso! Canoa Quebrada também é muito legal! Acho que pegaram a areia do Brasil todo e jogaram em Fortaleza. É duna pra todo lado! Tem horas em que parece que você está no deserto. Super bacana!
Bom! Depois de um dia passeando, voltamos pra Fortaleza e nos batemos de novo pra chegar até o Hotel. Mas dessa vez menos..rs! Depois compramos umas coisinhas na feirinha de artesanato e fomos tomar um delicioso café com bolo de banana para fechar a noite e a viagem!
Ótimo fim de semana!