terça-feira, 30 de julho de 2013

Maratona de Mountain Bike de Alagoinhas



   No fim de semana tem Maratona de Mountain Bike de Alagoinhas. Uma prova que ninguém quer perder. Nem eu! Ano passado foi massa! Fiz a prova com meu treinador, Tadeu. Nossa proposta foi fazer uma coisa leve, sem forçar muito, respeitando nossos limites. Curtimos, conversamos, ajudamos os necessitados no caminho, doando barra de cereal e gatorade, rsrs! Foi uma farra mesmo! E ainda ficamos em quarto lugar.
   Fiz o treino de hoje na intenção da prova. Atenta às pedaladas, pensando na competição, nas paisagens, naquele eucaliptal, em todos os lugares por onde passei no ano passado. 
   Vou sozinha, já que meu parceiro de provas de MTB ainda, até hoje meu Deus, se recupera do tendão. E, já que vou sozinha... Vou sozinha... Então tá! Minha proposta para esta prova é de desrespeito aos meus limites, já que nem estou com esse treino todo, rs!
    Vamos?

segunda-feira, 29 de julho de 2013

SÁBADO TREINO LAMA

   
   Sábado é dia trilha. Nessa fase de retomada e com a pernoca do meu parceiro de treinos em recuperação, tem rolado muito asfalto. Só que pedalar no asfalto é um saco! Já basta nos treinos do meio da semana. Tanto insisti que fomos parar em Abrantes... Só pra testar, rs! 
   O treino é anunciado no email do grupo. O povo tem aparecido pouco. A chuva tem espantado a galera. A preguiça de acordar cedo também espanta, rs! Mas, nesse sábado até que teve gente...
   Daqui de casa, já saímos em quatro: eu, Vitor, Vand e Lucy. No Bompreço, encontramos Mauro e Marcelo. A chuva começou fraquinha. Pegamos a estrada em direção ao pedágio e, ali no Alphaville Litoral Norte, entramos para fazer aquela voltinha básica de Abrantes. Tudo, dá pouco mais de 30km.
   A chuva ficou mais forte. A felicidade aumenta quando a chuva fica mais forte. Tava todo mundo precisando de um banho de chuva. Parece que a gente volta a ser criança... Se andar de bicicleta já é uma terapia, na chuva a coisa fica melhor ainda. 
   A roupa já toda ensopada, a sapatilha também. É bom usar óculos para não cair lama no "zói", mas tem hora que embaça tudo. Queria que tivesse limpador de óculos, igual a limpador de para-brisas, rs! Seria bom! Bastava apertar um botão pra visão voltar ao normal. Pena que não tem! Nem tem um pano seco pra limpar os óculos, rs! Então fica assim mesmo: embaçado.
   A conversa foi boa! Os meninos iam um pouco na frente e as meninas logo atrás. Conversa de homem e conversa de mulher. Conversa misturada também.
   Os cachorros deram uma trégua. Não correram atrás da gente. Talvez com medo de chuva. Será que não queriam se molhar? Sabidos, eles!
   No fim da estrada a gente tem que escolher se pega aquele trecho chato de asfalto ou entra pela porteira da fazendinha para cortar caminho. O caminho da fazendinha é uma graça! Tem uma subida que Vitor adora! Mas não deixei ele subir, não! Como pode uma pessoa com o tendão machucado, subir uma ladeira tão íngreme todo empolgado? Tem que ter calma e esperar sarar! Foi a primeira vez que foi no barro, depois da recomendação médica de não forçar nos treinos. Já quer barbarizar?? Parecia "pinto do lixo", de tão eufórico que estava.
   O trecho da fazendinha foi eleito o melhor. Tanta lama e poça d'água que dava gosto de pedalar. Também tivemos que empurrar. 
   Sem passar na água de côco, voltamos para casa, todos muito felizes. As bicicletas cheias de lama, o corpo todo molhado e a alma muito bem lavada!
   Coisa boa demais que é ter amigos!

domingo, 21 de julho de 2013

Uma semana andando na linha

   
   Tenho tantas postagens contando que tô voltando a treinar que parece graça. Treino é assim mesmo. Uma gripe quebra o ritmo. Uma queda quebra o ritmo. Muita coisa quebra o ritmo. Na vida também é assim. Muita coisa quebra o ritmo. E a gente vai administrando e recomeçando. Nada como estar vivo pra poder recomeçar. São muitas chances. Vamos todos aproveitar!
   Fizemos um planejamento da semana. Daqueles que você faz no papel, bota na porta da geladeira, anota na agenda do celular com um alarme bem alto. Tanta determinação merece uma postagem da semana, não acham? Então lá vai!
   Segunda-feira é dia de treino!
   Vamos acordar cedo para uma corrida básica de 5km. Em seguida, academia. Meu treinador ainda não fez o planejamento de musculação mas, como já malhamos por muito tempo, deu pra pegar uns pesos de leve. De leve mesmo porque não se faz musculação sem orientação de um profissional de Educação Física. É só uma semana, enquanto a planilha de musculação não chega. Só pra não dizer que não fez nada. E abdominal. Abdominal nunca é demais.
   Terça-feira é dia de pedalar!
   Sair de casa cedo não é brincadeira. Pior ainda se o tempo tiver gostinho de cobertas. Vitor chegou aqui em casa às 5:45, conforme combinado. O cabra é chato, chega tão "na hora certa" que tenho pensado em tomar vergonha na cara e parar de acordar 10 minutos antes de sair. Afinal, a pessoa tem que fazer uma alimentação saudável antes do treino. Dez minutos, malmente, dá pra calçar as sapatilhas, vestir a roupa e sair doida.
   Recomeçar é massa porque os treinos são mais curtos. A gente vai evoluindo aos poucos. Foram 22 km pela Estrada do Côco afora, numa velocidade massa, que deu mais de 25km/h de média. O vento nem estava muito contra, rs! Não sofremos... Só um pouquinho! Afinal, andar em estradão atrás de um cabra que pedala bem, e ainda usa uma super-mega-power bike de carbono com rodas aro 29, é de lenhar. Quase uma sacanagem, perto da minha 26, relativamente básica, rs! Sou de uma ousadia terrível! Cômica, diria. Boto a marcha no coroão e mando ver. Espero poder trocar de bicicleta no fim do ano.
   Cá pra nós, a Estrada do Côco está cada dia pior para os ciclistas. Sobre os motoristas, nem é mais falta de respeito, é um instinto assassino inerente aos mesmos em relação aos ciclistas. Além disso, tem buraco pra não acabar mais, os ciclistas trabalhadores da região vem pedalando no sentido contrário ao do rolamento, os motociclistas preferem fazer o mesmo para economizar a gasolina de ir até o retorno. Aff! Somos persistentes mesmo! Esse parágrafo poderia se transformar, fácil, fácil, numa postagem, porque são tantas estórias.
   Tirando o sono que tem me deixado um pouco mole pelo resto do dia, está tudo muito bem e é só uma questão de costume.
   Quarta feira é dia de folga!
   Uhuuu! Detalhe que a correria continua. O trabalho é bem mais pesado dia de quarta. Trabalho o dia todo que Deus me deu mas, meu dia de quarta é mais comprido.
   Quinta feira tem mais treino de bike!
   Terminal de Cargas é o point do treino noturno. Terças e quintas, depois do trabalho, a galera vai pra lá. Então, além de treinar, a gente ainda encontra os amigos.
   Mas, não fomos pra lá não. Preferimos ficar por Vilas mesmo. O treino estava tão curto que nem valia a pena transportar as bicicletas até o Terminal. Pesamos o pé e pedalamos por aqui mesmo. Foi ótimo, como sempre!
   Sexta é corrida só pra mim!
   Meu parceiro só está pedalando, por enquanto. Depois da corridinha, musculação. Perfect! E a planilha em dia! Uêbaaaa!
   Sábado tem pedal!
   Na companhia dos queridos amigos, Lucy Penélope do Agreste e Vande, pedalamos até perto de Arembepe e voltamos. Seria um pedal bem melhor se Lucy não tivesse levado o maior tombo no meio do treino. Graças a Deus, ficou tudo bem! Sinceramente, fiquei muitíssimo preocupada. Vi tantos machucados nas pernas que levei o maior susto. Mas, ela disse que está bem, acreditei.
   Quando um amigo cai, a gente perde um pouco a graça. Perde a fala, o foco, o riso. O silêncio constrange, a depender da queda. Algumas são muito engraçadas... Essa foi sem graça. Cair em asfalto é uma merda! Mesmo com o acontecido, treinamos tudo e nossa amiga está bem! Que bom!
   Domingo é dia de churrasco, rsrs!
   Pra não dizer que não fiz nada de errado, não corri hoje. Pô, não deu! A noite do sábado foi de longa confraternização com a vida. O domingo começou depois das 10h. Aí lenhou tudo! Tinha que correr 6km. Como é que a pessoa corre com uma filharada dessas?? Quando você termina de tirar a mesa do café, começa a fazer o almoço. Tira a mesa do almoço, vem o jantar. Juntando dois meus, uma sobrinha, três de Vitor, dá um time misto de futebol de salão. O que não deixa de ser treino. 
   Um VIVA aos treinos cumpridos, dois VIVAS às novas chances que a vida pode nos oferecer e VIDA LONGA a todos nós para podermos aproveitar todas as chances de recomeçar!
   

domingo, 14 de julho de 2013

De volta aos treinos outra vez.


 

   Recomeçar é sempre bom! Adoro! Na vida e nos treinos. É você se permitir parar, pensar e retomar seus sonho e/ou arrumar outros.
   Sabe aquela sensação de que as coisas estão meio amarradas? Andava meio assim...  A impressão de que nada evoluía, incluindo os treinos. Todo dia era uma coisa! Vitor teve problema na bicicleta à “três por quatro”, tomou queda que machucou o tornozelo, esteve na iminência de operar. Eu, que adoro treinar, não conseguia tempo. Cruz Credo!
   Como sou otimista até o último fio de cabelo, penso que, quando as coisas não dão certo é a Providência Divina nos obrigando a mudar de planos. Mas, a teimosia é uma merda! Tem horas em que tudo conspira para que você desista de algo, e a teimosia, ou quem sabe o orgulho, insiste.
   No início do ano, os planos eram o Brasil Ride. Tanta coisa aconteceu que desistimos. Relutamos, mas desistimos. Depois disso, outros sonhos, outras vontades. Só que a vida nos fez dar prioridade à vida. Tivemos que rever os planos, a vida, os sonhos, os treinos...
   Neste fim de semana, tivemos uma reunião extraordinária com nosso treinador Fernando Tadeu. Motivo: rever planilha. Precisávamos contar sobre as dificuldades das últimas semanas e do desânimo que nos consome quando não dá para fazer a planilha de uma semana, e a gente já recebe a outra, cheia de quilômetros para cumprir. Melhor recomeçar, então!
   O calendário de Corrida de Aventura na Bahia está muito tímido esse ano. Temos poucas provas. Não podemos fazer fora da Bahia por motivos da vida, rs! Prioridades que saem do mundo esportivo e vem para o lado pessoal. Então vamos nos contentar com o que temos. O CICA foi um sucesso! Amamos as provas, curtimos muito, nos entrosamos. Vitor tem tomado gosto pelo esporte e me incentivado muito nos treinos. Isso é ótimo!
   Nos apegando às próximas aventuras do segundo semestre, o treinador, mais do que rapidamente, enviou a nova planilha de treinamento, baseado em nossos novos planos. Lá tem treino de bike, corrida, remo e até um pouco de musculação pra gente ficar fortinho, rs!
   Adoro recomeçar! Já tive tantas oportunidades de recomeçar que todos os dias agradeço a Deus por tudo que deu certo em minha vida. E pelo que não deu certo também, principalmente. Sei, tenho certeza, foi a Providência Divina conspirando em meu favor. Em nosso favor. Oportunidade de crescimento...
   Significa que estou muito viva e ainda tenho chance de mudar muitas coisas. Viva a vida!
   Tenho que dormir porque amanhã tenho treino.
   Recomeço, seja bem vindo!

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Noite do Perrengue

 
   Pessoal, vai rolar a Noite do Perrengue no último fim de semana de agosto. Estou postando o cartaz da prova mas, não tenham medo não. A caveira feia, cheia de dentes, com a cabeça tocando fogo é só pra fazer pressão na galera! Esse pessoal adora meter medo na gente!
   Então levante seu "forevis" da cadeira, vá treinar bike, remo e corrida. Arrume uma equipe com um navegador bacana e não perca a oportunidade de fazer uma prova noturna de poucos quilômetros. São só 40. Em 6 horas você vai pra casa dormir, rs!
   Pena que não vou poder ir! Mas, a galera da Aventureiros do Agreste está se organizando... Vai um monte de gente. Não percam!
   Beijos e coragem! Taí...



quarta-feira, 10 de julho de 2013

Resenha da Peleja do Domingo- Final do CICA


   Depois da segunda etapa do CICA, a Mandacaru, a coisa foi ficando feia. Sem melhora na lesão do tornozelo, entre ultrassonografias, ressonâncias e treinos frustrados, o médico proibiu Vitor de fazer qualquer atividade física, incluindo fisioterapia, e indicou cirurgia imediatamente. Disse que cortaria aqui e acolá, emendaria isso naquilo e o cabra passaria, pelo menos, 6 meses sem treinar. Bom... Até uma segunda opinião médica, diante de todo alarde, melhor não arriscar. Fui atrás de Marcelo para compor a dupla mista. E, para não perder a festa, lá estava Vitor, no “apoio”!
   Na pontuação obtida pelos resultados das duas últimas provas, estávamos tecnicamente empatados com outra dupla mista (Paulinho e Marcinha, da Caatinga Trekkers). Então, as duas primeiras posições do ranking final eram possíveis, a não ser que não fizéssemos a prova.
   Chegamos em Tanquinho, pequena cidade a 40km de Feira de Santana, bem cedinho. Com neblina pra não acabar mais! E, sabe aquele morro que tem do lado esquerdo da estrada?? Quem já passou por lá sabe. Foi nosso primeiro PC!

   
   Largamos todos no trote, atravessamos a pista e começamos a subir. Logo no começo tinha meio mundo de gente botando os bofes pra fora, incluindo a mim. Mas, finjo que tô ótima, como se nada estivesse acontecendo, rs! Marcelo vinha logo atrás, contando a distância pra gente entrar à direita quando desse 700m de subida. Encontramos a trilha exatamente em 720m. Vimos a entrada à direita, achamos muito perto e continuamos subindo. Não basta ser bocó, tem que comprovar!!
   O visual lá de cima era mesmo de tirar o fôlego! Olhamos em volta, procuramos alguma trilha, verificamos o mapa e voltamos os duzentos metros que subimos errado. Pela trilha certa, chegamos ao lajedo de Nossa Senhora do Terço Pendurado. Alguém até comentou, brincando, que era o PC, rs! Parecia mesmo que a trilha acabava na Santa. Olhamos por ali, por acolá... Tinha um monte de equipes procurando.  Fiz um azimute, olhei para a direita e chamei Marcelo. Estamos ficando bons farejadores... A continuação da trilha estava ali! No caminho, encontramos uma turma, voltando, alegando terem ido longe, sem nada encontrar. Mesmo assim, seguimos adiante, confiando  no azimute. Tínhamos que descer um pouco e subir, pois o PC estava no pico ao lado. E foi assim, em meio a mato, urtiga, aranhas, cansanção, lama, tronco e os cambau, que encontramos o PC1. Nós e uma galera que veio logo atrás... E outra que passou muito na frente, rs!!
   
   PC2 era só voltar pra pegar as bikes na largada. Ribanceira abaixo, literalmente, desci tagarelando horrores, enquanto Marcelo reclamava, dizendo que eu não parava de falar um minuto, rsrs! Nem sei porquê ainda reclama, se já me conhece tanto. A gente corre junto há mais de 8 anos e nunca parei de falar... Estava esquecido do pesadelo, rsrs!
   Vitor esperava pacientemente no PC. Muitas equipes já tinham passado mas, ali era só o começo da prova. Depois dos PCs 3 e 4, nos encontraríamos novamente no 5.


   
   Dali até o PC3 quase não teve navegação... Nem pro 4, nem pro 5. Aquela região de Tanquinho tem uma área rural bem vistosa. A chuva arrumou tudo, deixou o verde bem verde, as vacas gordinhas, os bezerros ariscos, as estradas enlameadas. Os muitos morros dão o maior charme ao visual, além de incrementar o trekking.
   Mesmo com a  pouca navegação, era preciso dar uma olhada no mapa. Assim, num instante pedalamos até o PC5, transição para trekking, que ficava numa Fazenda bem bonita, com um curral cheio de bosta de vaca. Lá, a turma estava vendendo Coca-Cola gelada e Guaramix. Coisa boa danada! Nem sabia que o tal do Guaramix era tão gostoso. Nunca tinha experimentado, rsrs!


   Depois de uma breve transição, seguimos de trekking até o PC 6, entrando pelo curral cheio de bosta, rs! Vacas cagonas!
   Tenho uma queixa sobre o mapa: Vegetação igual é dose pra leão de circo! Tudo bem, o mapa pode ter sido feito com dados antigos... Nosso amigo Mauroba sempre diz que um bom navegador tem que pensar com a cabeça do organizador para saber o que ele imaginou numa hora dessas. Descobri o que ele pensou: “Vai todo mundo se lenhar* naqueles morros!”. Resultado: Trekking difícil, bike água com açúcar... Vamos equilibrar esse negócio! 

   
   O planejamento inicial era seguirmos pela trilha à esquerda que dava a volta por trás da serra, para  virar à direita e subir entre os dois morros. Só que, do PC5, dava pra traçar o azimute, subir direto e entrar na ravina para a esquerda. Deu pra entender? Não?! Tinha um morro atrás do que dava pra visualizar. Rs!... Percebendo que era mais perto e a vegetação parecia baixa, mudamos de planos. Subimos direto mesmo! À medida que subíamos, a vegetação se transformava. O mato cresceu de uma hora pra outra, as pedras apareciam pela frente, os troncos de dendê caídos atrapalhavam o progresso. A trilha aparecia e sumia... Mas, embora não tenha sido a beleza que esperávamos, deu para progredir até o alto.
   Depois que subimos que a coisa piorou. Começamos a rasgar mato, abrindo caminho onde não tinha, seguindo para a ravina. Andava com os braços pra cima e abria o mato nos peitos. Nisso, encontramos uma cerca, atravessamos, seguimos por ela, e lá estava o PC6.
   Pela trilha de mato alto, que chegava até o meu sovaco, fomos catar o PC7. Olhando bem, a trilha estava lá! Bastava olhar beeem!! Morro abaixo, morro acima, morro abaixo. O PC deveria aparecer... Ou não! Ali encontramos Mauro e Gabi, fazendo uma bela prova, diga-se de passagem! Só que decidimos subir novamente para ver se havia outra trilha, já que o PC não aparecia. Como não achamos em cima, descemos outra vez, até encontrar o dito-cujo. Perdemos tempo... Lá estava o PC, bem no meio da floresta, exatamente como no mapa sem floresta, mas com relevo fidedigno (chique essa palavra, ui!)! Era só descer mais um pouco mesmo e confiar na navegação, no mapa, na distância, no organizador, rsrsrs! Aiai! Os PCs ficavam escondidos! Tinha um camuflado... Quem guenta??
   Para achar o PC 8, bastava descer alguns metros, pular cerca, enroscar-se nas trocentas teias de setecentas aranhas, machucar o corpo todo com cansanção, virar à direita, subir outra vez entre dois morros, tropeçar em quinhentas pedras, cair em trinta buracos, perder a trilha vinte e sete vezes, descer outra vez... Lá no açude, eis o PC8!
   E sebo nas canelas pra alcançar o PC9 e o 10 antes das 13h! Hora do corte, meu bem!! Quem quisesse fazer a prova inteira, tinha que chegar até 13h. Caso contrário, corte e redução de percurso.
   Trotamos por todo o caminho até o PC9, alcançamos algumas equipes, incluindo nossos amigos e companheiros, Gabi e Mauroba, outra vez. Juntaram-se à nós no trote até o PC10 numa conversa animada. Conseguimos! Uhuuu!


   Fizemos a transição para a bike, bebemos o super Guaramix. À propósito, Guaramix é muito gostoso por causa da sede?? Ou será que é mesmo gostoso?? Tenho que beber outra vez.
   O caminho de bike para o PC 11 era um singletrack peculiar com o mato acima do guidão da bicicleta. Até tive medo de ficar presa por lá, rs! No caminho, encontramos Alan e Diana e Paulinho e Marcinha. Estávamos muito próximos! Voltavam do PC. Também tinha Dida e Wlad, Sapo e Lene bem atrás. Ou seja, as equipes estavam emboladas e nada muito definido.
   PC 12! A prova surpresa era uma pista de motocross, onde um atleta teria de dar duas voltas. Como tenho menos habilidade, pedi para Marcelo fazer porque sempre acho que homem é melhor nessas coisas. Negociamos pelos PCs afora até ele aceitar. O argumento é que ele acha que sou mais macho pra fazer essas coisas. Eu posso com uma coisa dessas?? Concluído o babado, a próxima parada era a chegada... Estávamos em terceiro. No caminho, fomos ultrapassados pelas duas duplas que estavam logo atrás e perdemos posições na prova. 

   

    
   Resultado: Quinto lugar na Peleja!

   
E segundo o ranking final do CICA. Uau!

   Posso agradecer?? Posso?!
   O Campeonato todo foi massa!
   Adorei correr as duas etapas com meu namorado querido! Um amor de criatura de coração iluminado, tranquilo e sereno. Uma das melhores descobertas de pessoa que fiz nos últimos tempos! Que bom esse encontro nessa vida, nessa caminhada! Pra ficar melhor, adora largar tudo e sair por aí pedalando.
   Amei correr a última etapa com meu amigão Marcelo. Parceiro melhor não poderia escolher, tenho certeza! Somos irmãos, eu sei! Nosso treino não estava em dia mas, a sintonia sim, como sempre! Fizemos o melhor, dentro da nossa proposta. Obrigada dez mil vezes!
   Amei muito ver essa galera boa, participando de todas as provas, tomando gosto, comparecendo e prestigiando nosso esporte, que cresce e nos faz crescer. Ótimo encontrar gente das antigas, como Bukaliu, Clóvis, Waltinho, Daniel e outros que estavam meio sumidos dos matos e eu não vou conseguir escrever nome de tanta gente, rs! Outra maravilha é ver que tem um monte de gente que não parou, mesmo com toda dificuldade, mesmo com a coisa morna, mesmo quando a gente pensou que, talvez... As provas acabassem na Bahia! 
   Aqui estamos nós, animados com o CICA, com outras provas, outros organizadores, outros atletas, mais amigos, mais Corrida de Aventura.
   Parabéns pra todo mundo, especialmente para os Campeões das Etapas e do Geral!
   Por falar em MAIS, preciso fazer outra prova com MAIS de 100km nesse ano. Tô com síndrome de abstinência.
   Beijos e até outras!
   ... Pena que estarei em viagem à trabalho na Noite do Perrengue.


* Seria um palavrão.