segunda-feira, 29 de abril de 2013

Vale do Capão- Parte II- O singletrack mais bonito da Chapada.

   Para o segundo dia de trilhas na Chapada Diamantina, um roteiro mais “hard” de mountain bike. No mapa parecia bem tranquilo, com trilhas bem marcadas... Uma programação de 20km até o Pai Inácio, sempre por dentro de vales, passando entre o Morrão e um pedaço da Serra do Sobradinho, Águas Claras, Pai Inácio... Do Pai Inácio, mais 15km até Lencóis. Depois, bastava voltar pelo mesmo caminho, completando 70km de puro mountain bike, repleto de estradinhas, trilhas, areia, buracos, pedras, subidas, mato e muito mais. Só alegria e emoção!
   Ninguém no Vale do Capão aconselha um turista ir à qualquer trilha sem guia, muito menos a do Pai Inácio por Águas Claras. Isso lembra aquela propaganda da FORD em que os bichinhos falavam: “A gente é bicho, baby”!
   Tralhas arrumadas na noite anterior... Na mochila, comida para um dia inteiro no mato, incluindo a boa e velha lata de sardinha, caso não rolasse almoço de verdade pelo caminho. Canivete, kit de ferramentas para bike, bússola e faróis. Muita água e isotônico, além de suco, chocolate e mucilon em caixinha também. Um peso danado nas costas de Vitor- meu fiel escudeiro e amado namorado-, que acabou levando peso o tempo todo, apesar de termos combinado um revezamento.
   Como navegar era preciso, namorei o mapa por um bom tempo antes de dormir para entender nosso roteiro e suas bifurcações.
   Depois do café da manhã e dos últimos ajustes, avisamos na Pousada do nosso destino, caso algo fora do planejado acontecesse... E saímos pedalando por aí afora.
   Dois quilômetros e meio de estradão no sentido de Palmeiras, entramos à direita na estradinha para Águas Claras, já medindo as distâncias para ter certeza de que o mapa estava bem calibrado. Por ali ainda tinha umas casas para nos despedirmos dos últimos sinais de civilização. Lugar bonitinho, com sombras de árvores refrescando o ambiente. Atravessamos o riacho e zeramos o odômetro para contar mais uns 2km até a entrada da trilha para a direita.
   A recepcionista da pousada tinha avisado que a entrada da trilha ficava antes do fim da estrada... Até contou que já se perdeu por lá. E quem não se perdeu? Soubemos de vários casos. A estrada acabou, apareceu uma cerca. Ficamos ali, “tateando” uma passagem. Da cerca havia um riacho, do outro lado uma casinha fechada. (Cá pra nós, que lugar que tem riacho!) Não lembrava daquele lugar na minha última passagem por lá em 2011. Algo estava errado e meu instinto feminino, afirmava isso veementemente. Então decidimos voltar um pouco para conferir as distâncias e achar o caminho certo.
   Para se perder na Chapada basta estar lá... Se a pessoa se desesperar fica por lá mesmo, morando perto de um riacho, rs! Como a gente nem chega perto do desespero, foi só voltar uns 500 metros para notar uma trilha tão discreta que dava a impressão de que caía de volta na estrada. Tímida, que se revelou num lindo singletrack com árvores pequenas que cobriam nossas cabeças.
   Apesar do fogo ter destruído grande parte da vegetação, o melhor singletrack da Chapada Diamantina, segundo ciclistas dali, de lá, de cá e de acolá, continua lindo. O verde estava voltando. A natureza é incrível! Basta uma chuvinha para começar a trabalhar para o nosso bem. O incêndio de um mês atrás não chegou até o Morrão. Então a gente já começava a desfrutar de uma paisagem cada vez mais bela.
   Sempre atentos aos detalhes do mapa, passamos entre um riacho e uma serra. Pedalando mais um pouquinho,  apareceu uma bifurcação. Conferido azimute, pegamos a trilha para esquerda. O tempo passava, a navegação realmente não era tão simples e começamos a pensar no plano B. Voltaríamos de onde estivéssemos ao meio dia. Depois de mais um riacho, entramos no vale entre o Morrão e uma parte da Serra do Sobradinho, sempre atentos às bifurcações e traçando azimute.
   Em Águas Claras, lavamos o rosto e seguimos sem demora pela trilha na beira do rio. O tempo estava muito bom, algumas nuvens nos protegiam do sol, além do ventinho.
 
   Curtimos tanto que não percebemos o passar do tempo. Deixamos o Morrão pra trás, beirando a Serra do Sobradinho. Atravessamos outro rio, num singletrack dentro da mata e pedalamos mais e mais. Dessa vez beirando outra Serra e chegando a outro rio. Quantos rios!!
   Já dava ouvir o barulho dos carros da BR 242, pertinho do Morro do Pai Inácio. Encontramos a ponte e a casa que estavam no mapa e seguimos na direção de Lençóis por aquela trilha pedregosa, super técnica e travada. Vitor até pedalou um pouco, mas sentiu-se desencorajado porque algumas pedras estavam bem pontiagudas. Na verdade, ele pedala muito bem, mas seu pneu dianteiro começara a apresentar uns furos daqueles de espirrar o líquido do notubes na cara da pessoa... rs! Corríamos o risco de dormir no mato, caso sua coragem fosse tão grande, rs! Foi ali, depois de andar pouco mais de 1km, que resolvemos voltar. Já passava de uma da tarde. Não daria tempo de chegar a Lençóis e voltar pelo mesmo caminho. Ou seja, plano “C” em ação, que era pegar a BR 242, entrar para Palmeiras e seguir para o Capão pela estrada de barro. O caminho que todo mundo faz. O detalhe é que tínhamos pedalado 29km. E, daquele ponto da 242 até Capão pelo “caminho que todo mundo faz” dava 50km. Mesmo assim, era mais seguro do que pegar a trilha de volta.
   Pausa na beira do rio, na ponte da casinha, para almoçar a bendita sardinha. Tomamos um banho pra refrescar e partimos pela estrada afora. E que estrada! A 242 é perigosíssima! Os caminhões gigantes descem as ladeiras embalados. Vinte quilômetros divididos em duas descidas e duas subidas, cada uma de mais ou menos 5km. Estávamos cansados! As duas descidas foram alucinantes a mais de 50km/h. De vez em quando, tocava no freio só pra ver se funcionava mesmo, rs! Já as subidas não foram assim tão interessantes, embora não fossem ladeiras tão íngremes, só longas. Bom... Ao menos não eram tão íngremes, só longas, rs!
   Comemoramos por chegar à entrada para Palmeiras. Os perigos por lá são outros. Não há acostamento... Bicicleta não tem vez! Oito quilômetros sofridos contra o vento. Vitor já estava com fome e seu rendimento caiu um pouco. Eu também estava exausta... Pensando bem, até que não estávamos tão mal assim. Eram quase 4h da tarde a 19km/h contra o vento, depois de mais de 6 horas pedalando. Precisávamos com urgência de uma coca-cola bem gelada e um sanduíche bem gostoso.
   Cá pra nós, Palmeiras não tem um lugar que preste pra lanchar. Melhor você não pensar em parar por lá, caso resolva se aventurar pela Chapada. Em plena quinta à tarde, rodamos a cidade toda em busca de uma lanchonete. Até que encontramos uma mercearia inesquecível! Foi lá que comi o pior sanduíche da minha vida! O pão estava tão duro que não teve chapa que resolvesse o problema. A carne do hambúrguer, a salada... Meu Deus! Ainda tentamos chupar um geladinho com gosto de água suja misturada com sabão. Ah! Não quero falar mais sobre esse assunto, rs! Aventureiro que se preza, come o que tem. Aventureiro que se preza sabe valorizar as coisas boas da vida e reclama pouquíssimo nos momentos da adversidade. No fechar da conta, consegui comer a metade e Vitor devorou o sanduíche dele. E louvada seja a coca-cola gelada! Ela sim, salvou o dia!
   Só faltavam os 20km de Palmeiras até Capão. Só! As ladeiras sem fim nos aguardavam. A noite estava chegando... Pegamos a estrada mais animados, depois de reabastecidos. Nada melhor do que comer, fazer um xixi e descansar um pouco para restabelecer a coragem! Mesmo que a comida seja ruim... rs! A paisagem também ajuda muito. A estrada é linda, tem morro pra todo lado, subidas desafiadoras e descidas alucinantes para compensar. Também há pontes e trechos beirando rio com muitas pedras...
   Chegamos exatamente às 18h no Capão, depois de 79km de pedal. 
   De tudo que vivemos naquele dia, teria mil melhores partes pra contar. Sempre, porque todas as partes são boas. Curto tanto que não há reclamações, rs! Mas, a melhor parte de tudo isso é ter um namorado mais doido do que eu, rs! O criaturo sugeriu essa aventura, confiando em minha navegação. A "doidice"já começa em achar que tenho algum juízo, rs! Ajudou em tudo, pedalou o tempo todo sem reclamar, mesmo quando tinha que me esperar chegar já que, além de ser mais lenta, acabava parando pra navegar. Curtimos tudo, desde o vento no rosto até as montanhas verdejantes. Curtimos a dor na perna na subida da ladeira, a adrenalina da descida, tudo, tudo, tudo. Tenho muita sorte mesmo!
   E para comemorar o dia cheio de aventuras, só nos restou ir até a Pizzaria do Tomaz comer a pizza Integral do Capão! Delícia!

2 comentários:

Laísa Santana disse...

Muito bom, Lu! Adorei! Beijos!

Luciana disse...

Obrigada por passar por aqui, Lai! Um beijo pra você também! Essa viagem foi muito bacana! O visual nos convidar à aventura, rs!